Share

Observatório Social

Coordenadoria do Observatório de Política Social – COPS 


O QUE O É?
O Observatório de Políticas Sociais (COPS) é a coordenadoria responsável pelo eixo da Vigilância Socioassistencial. Criada em 2003, é responsável pela produção de informação que subsidie a gestão da política de assistência social no âmbito municipal.
Sua função é auxiliar na tomada de decisão das Coordenações de Proteção Social Especial, Proteção Social Básica e do Gabinete, além de munir de informações a assessoria de comunicação e garantir uma gestão transparente, com a publicação de informações conforme preconizado pela lei de acesso à informação e pela Norma Operacional Básica (NOB/SUAS, 2012).

O QUE É VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL?
A Vigilância SocioAssistencial, definida pela Política Nacional de Assistência Social, é um dos eixos estruturantes, junto com a Proteção Social Básica, Proteção Social Especial e Gestão de Programas de Benefícios.
Assim, consiste no desenvolvimento da capacidade e meios de gestão por meio da “[...] produção, sistematização, análise e disseminação de informações territorializadas, e trata: I- das situações de vulnerabilidade e risco que incidem sobre família e indivíduos e dos eventos de violação de direitos em determinados territórios; II – do tipo, volume e padrões de qualidade dos serviços ofertados pela rede socioassistencial” (NOB/SUAS, 2012).


COMO ESTA ESTRUTURADO?
Atualmente a COPS é composta por uma equipe multidisciplinar com profissionais das áreas de Sociologia, Gestão de Políticas Públicas, Tecnologia da Informação, Engenharia Cartográfica, Arquitetura, entre outras formações. A equipe está distribuída em diferentes setores.

1) Coordenação Geral: responsável pela condução dos trabalhos, alinhamento das atividades com as outras coordenadorias da pasta, articulação com outras instituições e políticas públicas, definição de prioridades, integração e gestão das atividades dos diferentes setores.

2) Centro de Geoprocessamento e Estatística (CGEO):O Geoprocessamento foi instituído, no âmbito do Observatório de Políticas Sociais, com objetivo de apoiar a Secretaria nos processos de diagnóstico, planejamento e consolidação de ações na implantação da política de socioassistencial na Cidade de São Paulo, mais especificamente na aplicação do princípio da territorialização. Por isso é responsável pela produção e gestão de informação territorializada, expressas em mapas e tabelas. O “princípio da territorialização” permite orientar as proteções sociais de assistência social na perspectiva do alcance de universalidade de cobertura de indivíduos e famílias sob situações similares de risco e vulnerabilidade. Deste modo, amplia a possibilidade de aplicar o princípio de prevenção e proteção pró-ativa nas ações de assistência social e a possibilidade de planejar a localização da rede de serviços a partir dos territórios de maior incidência de vulnerabilidade e riscos.

3) Centro de Monitoramento e Avaliação da Rede Socioassistencial (CMA): Criado em 2005 com o objetivo de avaliar a rede socioassistencial, dado o contexto de publicação de normativas das relações de parcerias e caracterização dos padrões de ofertas dos serviços. Com o tempo, novas ferramentas foram sendo adotadas, e atualmente, ao falarmos sobre as informações do atendimento que a rede socioassistencial realiza, a principal fonte de dados é a “DEMES -Declaração Mensal de Dados de Execução”. A DEMES é uma fonte de dados primários de caráter quantitativo e não nominal que serve à coleta e preenchimento pelos serviços via planilhas de Excel. Todas as informações referentes ao atendimento de nossa rede são agregadas, compiladas e analisadas manualmente. Esse instrumento permite levantar os indicadores que mensuram a efetivação do serviço prestado, regendo a manutenção, reordenamento ou expansão dos equipamentos e serviços. Por isso é o setor responsável pela produção, sistematização e gestão da informação da rede socioassistencial conveniada e direta com foco na avaliação da execução da política.

4) Centro de Pesquisa e Memória Técnica (CPMT): Este centro tem como objetivo geral desenvolver diagnóstico de situações de vulnerabilidade, riscos pessoais e sociais para a realização da Vigilância Socioassistencial. Para isso são elaborados estudos, relatórios e recomendações acerca dos níveis de desempenho, da evolução de índices e de indicadores dos serviços, programas e projetos socioassistenciais, bem como de vulnerabilidade e risco sociais. Além disso, identifica e estabelece parcerias com Universidades, Institutos de Pesquisas e Centros de Estudos, visando a produção de informações relevantes para a compreensão, análise, planejamento e gestão da Política de Assistência Social no Município de São Paulo. Por isso é o setor responsável pela realização, organização e coordenação de pesquisas desenvolvidas pela equipe de COPS e por entidades contratadas, além da elaboração de estudos de diagnóstico da rede socioassistencial.

5) Centro de Gestão de Processos da Informação (CGPI):É responsável pela estruturação, desenvolvimento, implantação e suporte de sistemas informatizados de informação. Criado em 2013, é o centro que visa superar as dificuldades encontradas na produção de informação quanto à sua tempestividade e fidedignidade, atuando na gestão dos processos utilizando ferramentas de tecnologia da informação.

6) Observatórios Locais: Localizados nas SAS, compõem a equipe de Gestão do SUAS. São responsáveis pela coleta, correção, suporte e sistematização das informações da rede socioassistencial conveniada e direta, bem como a referência de difusão das informações produzidas por COPS nos territórios das Subprefeituras. Além disso, realizam estudos e justificativas para implantação, reordenamento e gestão de serviços. Também auxiliam na tomada de decisão das Supervisoras Regionais e na sistematização de informações do território para fins de articulação e fomento às ações dos Governos Locais.