Programa Saúde do Animal - PSA

 

 Instituído no ano de 2001, tem como objetivo diminuir o número de cães e gatos abandonados e eutanasiados na cidade, além de buscar a diminuição da ocorrência de agravos e do risco de transmissão de zoonoses por essas espécies.

O município de São Paulo apresentou os últimos casos autóctones de raiva humana e canina em 1981 e 1983, respectivamente, sendo considerado município com raiva controlada. Para esse controle, medidas efetivas de vacinação contra raiva, vigilância epidemiológica, cobertura de foco de raiva, apreensão e eliminação de animais errantes e exames laboratoriais deram o suporte necessário, conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), Ministério da Saúde e Comissão Estadual de Controle da Raiva.

Nestes 20 anos, a relação homem/animal se intensificou e mudou de valores, sendo que novas perspectivas são vislumbradas. Exemplos em outros países comprovam este fato; a OMS recomenda novas posturas, como ética no trato com o animal, com todas as formas de vida, com o ambiente, com o planeta, salvaguardada a saúde pública.

Sem aprofundarmos a questão, pode-se observar grande número de animais soltos em vias e logradouros públicos, com toda sorte de problemas que causam e sofrem os animais não supervisionados, tais como acidentes de trânsito, agressões, crueldade e transmissão de doenças para outros animais e o próprio homem. Ainda, empresas privadas e instituições públicas tais como escolas, unidades de saúde, pronto-socorros, parques e delegacias, entre outros, vivenciam incontáveis e repetidas situações de animais abandonados às suas portas.

Na maioria dos casos, gera-se uma situação conflituosa onde, por um lado, estão os que protegem parcialmente estes animais, dando abrigo provisório, alimento e água, sem um envolvimento completo para a solução da questão, muitas vezes até por desconhecer saídas que hoje já se vislumbram; por outro lado, estão os que solicitam a retirada desses animais, criando um ciclo interminável e pouco resolutivo.

A simples remoção desses animais de estabelecimentos ou locais públicos não tem demonstrado resultados efetivos no controle destas populações, uma vez que a situação do ambiente local não cria perspectivas de controle; ficam mantidas as condições de abrigo, água e alimento, propícias a introdução de outros animais, na maior parte das vezes, suscetíveis à doenças.
São recomendações dadas ao proprietário de animal de estimação manter este animal domiciliado, alimentado, vacinado, vermifugado e esterilizado, o que garante menores riscos à saúde humana e animal, seja no local onde este animal esta domiciliado, seja no entorno.

O proprietário responsável deve sempre procurar orientações veterinárias para manter seu animal saudável. Entre essas recomendações estão as vacinações anuais contra a raiva, que pode ser realizada gratuitamente, quando da Campanha Anual promovida pela prefeitura através do Centro de Controle de Zoonoses ou nos postos fixos (entrar no link da vacinação contra raiva). Além dessa vacina o proprietário deve se informar com o veterinário sobre as demais vacinas, que protegem contra doenças transmissíveis entre os animais. O exame de fezes também é recomendado anualmente e o veterinário pode utilizar os serviços do laboratório de diagnóstico de zoonoses para a realização desses exames.

O abandono de animais de estimação tem proporções incontroláveis, renovando as populações de animais soltos em vias e logradouros públicos. O CCZ busca outras soluções para o controle, sendo de grande importância a educação do proprietário para posse responsável pois, enquanto cada proprietário não tomar para si sua responsabilidade para com seu animal de estimação, não há como reverter essa situação.


Visando uma solução para esta questão foi criado o PSA, que conta com cinco pilares:

  1. Educação em posse responsável;
  2. Esterilização em massa de cães e gatos;
  3. Registro de animais;
  4. Adoção responsável;
  5. Incentivo à criação de leis que dêem suporte a essas ações.

 

Ações do PSA:

  • O Projeto “Para Viver de Bem Com os Bichos”, que tem como objetivo a educação continuada em posse responsável à toda população e manejo adequado do ambiente para o controle da fauna sinantrópica, nos anos de 2002 a 2005, treinou 1.146 escolas particulares e municipais de ensino fundamental com 14.000 educadores envolvidos (Manuais distribuídos), contabilizando 98.500 alunos da Educação Infantil (cartilhas de alunos) e 97.200 alunos de Ensino Fundamental ciclo 1 e 2.

Convênio com entidades de proteção animal e, entre outubro de 2001 e dezembro de 2005, foram realizadas 105.662 cirurgias subsidiadas de esterilização em cães e gatos para proprietários sem qualquer recurso. Do total de animais esterilizados, 57% foram cães e 43% gatos. O número de fêmeas tem sido consideravelmente maior. Entre os cães, 78,8% foram fêmeas e entre os gatos, 64,6% foram fêmeas, o que é consonante com o preconizado para controle de populações.

 

  • Registro Geral Animal (RGA). É um registro feito para identificar todos os cães e gatos do município, obrigatório por lei a partir de fevereiro de 2002. Até abril de 2006, cadastrou aproximadamente 390.000 animais. Vale lembrar que o conhecimento do tamanho das populações, suas características e distribuição norteiam políticas de saúde pública e saúde animal.

 

  • O Projeto “Para Ser o Melhor Amigo”, instituído pelo CCZ e também assimilado pelo PSA, trabalha o encaminhamento à adoção responsável de animais abandonados, em parceria com o Pet Shop Cobasi. Hoje conta com 2 ONGs, a Estimação, na loja da Manoel Velasco e com a Anima Animal, na loja da Washington Luís. Desde outubro de 2001 todos os animais oferecidos para adoção são esterilizados. Há a necessidade de um grande envolvimento por parte da população. A questão do abandono é grave, e o encaminhamento de animais para lares responsáveis é uma das poucas saídas em curto prazo para diminuir a eutanásia.

 

A responsabilidade e o compromisso de cada cidadão para com outros seres vivos são inversamente proporcionais à densidade populacional de animais abandonados. Cabe a todos implementar as mudanças necessárias para o encontro de um ponto de equilíbrio.

 

Veja também: