Share

SOROLOGIA PARA RAIVA - TRÂNSITO INTERNACIONAL DE ANIMAIS DE COMPANHIA

CREDENCIAMENTO DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PARA REALIZAÇÃO DA PESQUISA DE ANTICORPOS ANTI VIRUS DA RAIVA EM SOROS ANIMAIS

  

Em agosto de 2008 o Laborátorio de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores do Centro de Controle de Zoonoses, foi credenciado pela Agência Francesa de Segurança Sanitária de Alimento, Ambiental e Ocupacional (ANSES), para realização do teste de titulação de anticorpos neutralizantes contra o vírus da raiva em animais de companhia que viajam para países da Comunidade Européia.

O Regulamento (CE) nº. 998/2003 da Comunidade Européia, publicado em 26 de maio de 2003 determina a obrigatoriedade da vacinação antirrábica e da titulação de anticorpos antivírus da raiva no que se refere ao Trânsito Internacional de Animais de Companhia para os países que compõem a Comunidade Européia.

Em linhas gerais, por essa legislação, um animal só pode entrar no país acompanhado de um passaporte, emitido por veterinário que ateste a vacinação, eventualmente revacinação, contra a raiva e laudo comprobatório de titulação de anticorpos neutralizantes ≥ 0,5 UI/mL, emitido por laboratório credenciado Lista de Laboratórios, com a coleta do sangue realizada pelo menos 30 dias após a vacinação e três meses antes da viagem.

Não é necessário renovar a titulação em animal submetido à revacinação nos prazos previstos pela OMS. O prazo de três meses não se aplica em caso de reintrodução de um animal de companhia cujo passaporte comprove titulação positiva (≥ 0,5 UI/mL) antes do animal ter deixado o território da Comunidade Européia.

Consulte a página do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (VIGIAGRO - Vigilância Agropecuária) para obter as exigências para a emissão do Certificado Zoosanitário Internacional aprovados e acordados com as autoridades dos países de destino dos animais.

 

 

ATENÇÃO! É OBRIGATÓRIA A IMPLANTAÇÃO DO MICROCHIP ANTES DA VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA.

 

  _____________________________________________________________________

 EXAME DE ANTICORPOS NEUTRALIZANTES CONTRA VÍRUS DA RAIVA

 

* POR FAVOR, LEIA ANTES DE SUBMETER AMOSTRAS PARA O TESTE

 

AMOSTRA: Deverá ser enviada amostra de soro, sem anticoagulantes ou aditivos. A amostra deve ser relativamente límpida; amostras que apresentarem hemólise ou lipemia acentuada não serão processadas por não serem viáveis para a realização do teste, necessitando de nova coleta.

COLETA: Devem ser coletados, por médico veterinário, 2 mL de sangue em tubo seco (sem anticoagulante), devendo ser centrifugado para a separação do soro preferencialmente no mesmo dia. A quantidade mínima de soro, para possibilitar a realização do exame, é de 0,5 mL. Um intervalo de 30 dias entre vacinação antirrábica e coleta de sangue e a implantação do Microchip de identificação antes da vacinação é exigência da Comunidade Européia.

CONSERVAÇÃO: Soro - Deverá ser conservado sob refrigeração (em geladeira) a 4 °C, por no máximo 5 dias. Após este período, o soro deverá ser congelado a -20 °C, por no máximo 10 dias, evitando congelamento e descongelamento, sendo informada essa ocorrência na requisição do exame, caso não tenha sido possível evitá-la.

IDENTIFICAÇÃO: O frasco contendo a amostra deverá ser identificado, de forma legível, com o nome e número do microchip do animal. O rótulo deve estar firmemente fixado ao tubo, de modo que não possa ser separado, apagado ou tornado ilegível em trânsito (Amostras encaminhadas em tubos sem rótulos não serão processadas).

A amostra deve ser acompanhada da "Requisição de avaliação de anticorpos antirrábicos em amostras de soros de animais" (LEIA AS INSTRUÇOES ABAIXO ANTES DE PREENCHER A REQUISIÇÃO PARA O TESTE).

TRANSPORTE: A amostra deverá ser enviada em frasco bem vedado, para evitar extravasamento, sendo acondicionada em caixa de isopor com gelo reciclável, mantendo temperatura entre 4º a 8ºC. O frasco contendo a amostra deverá ser protegido do contato com o gelo para evitar quebra e perda da identificação da amostra.

FORMA DE PAGAMENTO: Quando a amostra chegar ao Laboratório será emitida uma guia de recolhimento no valor do exame. Esta guia de recolhimento será enviada pelo endereço eletrônico ao solicitante para a realização do pagamento. Consultar a pagina de Preços Públicos para saber o custo do exame.

O laudo será emitido em 20 a 30 dias úteis, contados a partir da entrada da amostra no Laboratório, em português, francês e inglês. O laudo será encaminhado ao solicitante pelo correio. Os resultados são reportados em unidades internacionais por mililitro (UI / mL) e um título maior ou igual a 0,50 UI / ml é necessária para a viagem de animal de companhia a áreas livres de raiva.

Observação: Não realizamos este exame para outros países da América Latina.

Endereço para envio da Amostra:
Laboratório de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores / CCZ
Setor de Diagnóstico de Raiva
Rua Santa Eulália, 86 Santana/ São Paulo – SP - CEP: 02031-020

 

_____________________________________________________________________

INSTRUÇOES PARA O PREENCHIMENTO DA REQUISIÇÃO

 

O médico veterinário é responsável pelas informações inseridas no formulário de requisição de exame, pois estas serão utilizadas para emissão do Laudo.

Um formulário completo é necessário para cada amostra submetida, o qual deve estar devidamente preenchido e assinado pelo médico veterinário, com carimbo e CRMV legível. A data de coleta do soro deve ser composta por dd/mm/aaaa

Os profissionais do Laboratório não têm permissão para adicionar ou alterar informações no formulário de requisição. Uma vez que as informações forem digitadas no banco de dados nenhuma alteração na informação contida no formulário poderá ser feita pela clínica veterinária.

Sempre que possível o FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE deve ser preenchido “online” antes da impressão ou em letra de forma. Informação manuscrita está sujeita a interpretação. Devido ao grande volume de amostras recebidas e a necessidade de manter o nosso tempo de resposta baixo, o laboratório não entrará em contato com a clínica ou com o veterinário para confirmação de informação manuscrita. Se um erro no número do microchip ou ortografia do nome ocorrer devido à má interpretação da escrita, a clínica ou o veterinário deverá encaminhar nova amostra e conseqüentemente pagar por um novo teste.

Verifique, cuidadosamente, a ortografia, o número de microchip e data de coleta antes de enviar.

Se ocorrer um erro de escrita ou ausência da informação considerada importante para as autoridades de destino, os resultados podem ser inválidos (exemplo: no caso de um número de microchip incorreto, falta do número do CRMV) o que acarretará a necessidade de reenviar outra amostra para um novo teste. Esta situação é completamente evitável!

Ao assinar o FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE, o veterinário reconhece que o número de identificação de microchip pertence a determinado animal, e todas as outras informações foram verificadas e registradas com precisão. Por esta razão, os resultados não serão emitidos sem o carimbo, a assinatura e o número do CRMV do veterinário.

ATENÇÃO: NÃO SERÃO ACEITOS FORMULÁRIOS DIFERENTES DO MODELO QUE CONSTA DA PAGINA DO SITE DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

 

_____________________________________________________________________

EVITE CANCELAMENTOS E ATRASOS

 

TESTES SERÃO CANCELADOS SE:

  1. O TUBO DE AMOSTRA NÃO ESTIVER ROTULADO - (mesmo que este seja o único tubo na embalagem); Tubos de amostra devem ser rotulados com o nome e o número do microchip do animal. Devido às normas para o Trânsito Internacional de Animais de Companhia, nenhuma amostra será testada se chegar em tubo não rotulado. O Formulário de Solicitação do Teste não é considerado um rótulo para o tubo de amostra. A etiqueta deve ser escrita ou presa ao tubo de tal maneira que não possam ser separados, apagados ou tornado ilegível em trânsito. É permitida a colocação dos pequenos tubos de amostras em sacos tipo Ziploc separados, que podem ser rotulados de forma adequada.
     
  2. A AMOSTRA CHEGAR SEM NÚMERO DE MICROCHIP – a amostra precisa chegar com o número de microchip. Não é permitido adicionar o número de microchip depois que a amostra chegar ao Laboratório.
     
  3. A AMOSTRA CHEGAR COM QUANTIDADE NÃO SUFICIENTE (QNS) - Amostras provenientes de outras cidades ou estados têm maior risco de estarem em QNS. Para evitar o vazamento de sua amostra em trânsito, o tubo deve ter uma tampa hermética, selada com parafilme ou esparadrapo. Lembre-se que as amostras que chegam por via aérea estão sujeitas às variações de pressão durante o vôo, e a deslocamentos consideráveis. Cuidados extras ao enviar uma amostra irão evitar o transtorno e o custo de ter que coletar e reenviar uma nova amostra.
     
  4. A AMOSTRA CHEGAR LIPÊMICA OU EXCESSIVAMENTE HEMOLISADA - Lipídios (gorduras) no soro irão afetar o resultado da titulação da raiva, e, portanto, amostras lipêmicas não serão aceitas. Se a amostra estiver lipêmica, recomendamos que seu animal fique em jejum de 8 a 12 horas e nova coleta seja realizada. Para evitar a hemolização excessiva da amostra, nós recomendamos separar o soro do restante do sangue imediatamente e armazenar em refrigeração antes do embarque.

 

  _____________________________________________________________________

RESULTADOS DO TESTE PODEM ATRASAR SE:

 

1. FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE MANUSCRITO

O formulário de solicitação do teste deve ser preenchido online antes da impressão ou em letra de forma. Informação manuscrita está sujeita a interpretação.

 

2. INFORMAÇÕES NO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE DIGITADO INCORRETAMENTE E O TESTE TENHA SIDO FINALIZADO

Os profissionais do Laboratório não têm permissão para adicionar ou alterar informações no formulário de requisição. Uma vez que as informações forem digitadas no banco de dados nenhuma alteração na informação contida no formulário poderá ser feita pela clínica veterinária. Verifique a ortografia, os números e datas de microchips cuidadosamente antes de enviar.

 

3. O VETERINÁRIO NAO ASSINOU E DATOU O FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE

Ao assinar o FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO TESTE, o veterinário reconhece que o número de identificação de microchip pertence o animal, e todas as outras informações foram verificadas e registradas com precisão no formulário. O exame não será realizado caso o veterinário não assine o formulário.

 

  _____________________________________________________________________

ALGUNS FATORES AFETAM O TEMPO DE RESPOSTAS E ESTÃO ALÉM DO CONTROLE DO LABORATÓRIO

 

  1. Número de amostras a serem testadas - se mais amostras chegam ao mesmo tempo o tempo de resposta será mais longo, porque existe um limite quanto ao número de amostras que podem ser testadas em um dia.
     
  2. Disponibilidade e viabilidade das células de cultura de tecidos - As células são vivas e podem ser afetadas por pequenas mudanças no ambiente que resultam em falhas de conjunto (amostras terão de ser analisadas novamente) - células são o componente mais importante do sistema de ensaio. Além disso, se o numero de amostras recebidas for superior ao esperado, pode levar algum tempo para preparar o número de células necessárias para o teste.
     
  3. Crescimento de vírus - similares às células, o crescimento do vírus pode ser afetado por pequenas mudanças no ambiente (temperatura, umidade, pH, etc.) Se o vírus cresce demais ou não o suficiente, o conjunto de testes não passará critérios de aceitação (falha) e as amostras terão que ser testadas novamente.
     
  4. Outras condições inesperadas - problemas com equipamentos e ou falta de energia.

 

 _____________________________________________________________________

PERGUNTAS FREQUENTES:

 

1 - Porque a dosagem de anticorpos contra o vírus da raiva (teste de soroneutralização) é necessário para o transporte do meu animal de estimação?
O teste de soroneutralização é exigido por muitos países livres de raiva. Sempre verifique com as autoridades do destino os requisitos do Trânsito de Animais de Estimação.

2 - Quando começa a contagem regressiva de 90 dias?
O dia da coleta da amostra inicia a contagem regressiva. Esta data aparecerá no Laudo ou resultado do exame. Atenção: o soro deverá ser conservado sob refrigeração (em geladeira) a 4 °C, por no máximo 5 dias. Acima desse período o soro deverá ser congelado a -20 °C, por no máximo 10 dias, evitando congelamento e descongelamento.

3 - Quanto tempo devo esperar depois que o meu animal de estimação foi vacinado antes de coletar a amostra?
Aconselhamos esperar 30 dias entre a vacinação e coleta da amostra de sangue de seu animal de estimação. No entanto, alguns países têm exigências diferentes. Por exemplo, a Suécia requer um período de espera de 120 dias entre a vacinação e data de coleta da amostra. Portanto, recomendamos contatar diretamente as autoridades do país de seu destino ou verificar as informações no site: http://www.agricultura.gov.br/animal/animais-de-companhia/transporte-internacional

4 - Meu animal de estimação tem dois números de microchip, qual eu devo colocar no formulário?
Se um animal tem dois chips, o primeiro número indicado no formulário de submissão é o único que vai estar no Laudo oficial. A maioria dos destinos requer que o microchip seja implantado antes da coleta de amostra de sangue. Alguns destinos têm scanners que só lêem certas marcas de microchips. Escolha qual microchip utilizar baseado nos critérios que o destino poça ter.

5 - Minha amostra é muito hemolisada (avermelhada) ou lipêmica (gordurosa). Será que vai afetar o teste?
Sim, pode afetar o teste, e pode fazer com que o teste seja inválido. Para reduzir a possibilidade de hemólise, deve-se separar o soro do coágulo. Para evitar a lipemia, é recomendada uma amostra de jejum.

6 - O Título sorológico do animal falhou (é inferior a 0,50 UI / ml). O que devo fazer agora?
Consulte o veterinário sobre a possibilidade de uma vacinação anti-rábica adicional e a coleta de outra amostra de sangue. É melhor esperar 2-3 semanas após a re-vacinação para tirar a amostra de sangue para que o animal de estimação tenha tempo de desenvolver uma maior resposta de anticorpos.

7 - Posso coletar a amostra em um tubo separador de soro?
Sim, a amostra pode ser coletada em um tubo separador de soro. No entanto, se um tubo separador de soro for utilizado, é melhor separar o soro e colocá-lo em outro, e enviar apenas a parte de soro da amostra.

8 - Por quanto tempo o soro está bom?
Recomendamos o armazenamento do soro não mais de uma semana em refrigeração antes do embarque. Para um armazenamento mais longo, você pode congelar o soro a -20 ° C, por no máximo 10 dias, evitando congelamento e descongelamento.

9 - Que tipo de gelo que devo usar para enviar minhas amostras?
Uma quantidade suficiente de gelo reciclável ou bolsas de gelo devem ser colocadas na embalagem. Não congele sua amostra a menos que estritamente necessário.

10 - O laboratório aceita entrega no final de semana?
Estamos abertos de segunda a sexta-feira de 8:00 - 17:00h.

11 - Eu preciso anexar etiqueta de perigo biológico na embalagem de transporte?
A amostra de soro é considerada "exemplar de animais isentos", no entanto, cada empresa de transporte tem suas próprias regras, por favor, verifique com eles antes de enviar sua amostra.

12 - Qual a validade do teste de soroneutralização?
Pelo Regulamento (CE) nº. 998/2003 da Comunidade Européia, um animal de companhia só pode entrar nos países membros acompanhado de um comprovante, emitido pela autoridade sanitária oficial que ateste a vacinação, eventualmente revacinação, contra a raiva e laudo comprobatório de titulação de anticorpos neutralizantes ≥ 0,5 UI/mL, emitido por laboratório credenciado (com a coleta do sangue realizada pelo menos 30 dias após a vacinação e três meses antes da viagem). E que não é necessário renovar a titulação em animal submetido à revacinação nos prazos previstos pela OMS. Entretanto, solicitamos que verifique diretamente com os países de destino quanto ao tempo de validade do teste.