11/05/2017 12h17

Share

Adesão ao monitoramento eletrônico de caçambas aumenta 3.000 % no mês resultando em maior quantidade de resíduos nos aterros

Em abril, foram 146.500 toneladas de resíduos nos aterros, contra apenas 16.072 de março, 18.801 em fevereiro e 13.621 em janeiro

Desde que passou a vigorar, em 15 de abril, a emissão diária de guias pelo Controle de Transporte de Resíduos (CTR) Eletrônico saltou de 50 para a média de 1.600. Em um único dia, o sistema já chegou a registrar 1.829 guias emitidas – aumento de mais de 3.000%. Entre os dias 1 e 30 de abril, foram emitidas 19.889 CTRs.

Como resultado positivo imediato do uso do sistema eletrônico pode-se verificar que o volume de resíduos descartados nos aterros também foi significativamente maior. Somente em abril foram 146.500 toneladas, ante 16.072 de toneladas em março, 18.801 em fevereiro e 13.621 em janeiro.

No entanto, esse volume ainda está aquém da capacidade instalada das áreas de transbordo e triagem (ATTs) e dos aterros que, juntos, podem receber até 2.044.104 toneladas de resíduos de construção civil gerados em toda a cidade.

“Podemos assumir que parte desses resíduos estavam indo parar em algum lugar que não eram os aterros, como nas ruas da cidade, por exemplo. Por isso, o monitoramento eletrônico é tão importante para deixar nossa cidade mais bonita. Não queremos mais entulho por toda parte, temos que acabar com isso”, afirmou o vice-prefeito e Secretário de Prefeituras Regionais, Bruno Covas.

Por se tratar de um processo completamente digital, através do CTR-e é possível identificar – após a emissão da guia – o local onde a caçamba está estacionada, o período e o destino final do entulho coletado, tudo por georreferenciamento – um cruzamento de informações de coordenadas cartográficas com referências geográficas de fácil identificação, como ruas, avenidas, rios ou qualquer outro lugar que facilite a geração de um ponto exato de localização.

“Dessa forma, conseguimos fiscalizar quem está gerando e para onde está indo. Evitando, assim, os descartes irregulares que existem em diversos pontos da cidade”, destaca Evaldo Azevedo, diretor de Gestão de Serviços (DGS) da AMLURB.
Em 2016, foram identificados cerca de 3.700 pontos de descarte irregular na cidade. Além do CTR Eletrônico, os munícipes podem utilizar um dos 98 Ecopontos em operação em São Paulo para descartar entulhos provenientes de pequenas reformas (até 1 metro cúbico por dia).

Vale ressaltar que é de extrema importância que o munícipe que for realizar uma obra ou reforma contrate apenas caçambas regulamentadas e cadastradas na Amlurb para ajudar a ter uma cidade mais limpa.