Share

Circo Nerino

1. Fundo Circo Nerino

1.1 Identificação

1.1.1 Denominação: Arquivo Circo Nerino
1.1.2 Sigla: (CNE)
1.1.3 Natureza do Conjunto: Fundo
1.1.4 Data Limite Inicial: Final do Século XIX
1.1.5 Data Limite Final: 2004 (Circo Nerino até 1964, carreira Roger Avanzi até 2004)
1.1.6 Quantidade: 11 metros lineares

1.1.7 Descrição: 5.176 documentos Iconográficos, 1.772 documentos Textuais, 72 documentos audiovisuais e 152 Objetos Tridimensionais (Figurinos, utensílios e equipamentos...)

1.2 Biografia do Titular

O Circo Nerino foi fundado pelo casal Nerino e Armandine Avanzi, em Curitiba, no primeiro dia de 1913, e apresentou seu ultimo espetáculo em 13 de setembro de 1964, na cidade paulista de Cruzeiro. Durante quase 52 anos, percorreu todo o país por diversas vezes. Viajou de trem, navio, barcaça, jangada e, por fim, de caminhão, em estradas de terra que na época eram de terra mesmo. E numa época em que o circo era o maior quando não o único espetáculo das terras do Brasil.

Uma das mais completas expressões de um modo de produção circense que predominou no Brasil desde o final do século XIX até os anos 60 do século seguinte, o Circo Nerino era circo-teatro, pois apresentava circo na primeira parte do espetáculo e teatro na segunda. Era circo pau-fincado porque os paus de roda de sua tenda eram fincados no chão. Era circo-familia porque a família era seu principal esteio. E como autêntico representante desse modo de produção circense, tinha como principal estrela, o palhaço, no seu caso, o Picolino.

Criado por Nerino Avanzi, no início do século XX, o palhaço Picolino tornou-se conhecido em todo o país através exclusivamente do circo. Em 1954, seu filho, Roger Avanzi, o substituiu com o mesmo figurino, a mesma maquiagem, e o mesmo nome: Picolino. Pai e filho se desdobraram na personagem do palhaço por mais de um século, fazendo rir várias gerações de meninos, meninas e adultos do Brasil.

1.3 Histórico do Fundo

O arquivo Circo Nerino contou com a colaboração de três gerações das famílias Ribolá e Avanzi, e de várias gerações de fotógrafos, jornalistas, caricaturistas e outros profissionais de vários locais do país. Os documentos mais antigos são do início do século 20, e se referem à família da matriarca e fundadora do Circo Nerino, Armandine Avanzi.

Sobre as duas primeiras décadas do Circo Nerino restou pouca coisa, principalmente fotos. Só em 1937 o arquivo passou a ser constituído de forma mais sistemática, quando o então adolescente Roger Avanzi, filho de Nerino e Armandine e mais famoso como o palhaço Picolino II, assumiu o dever de preservar e registrar a história do circo do pai. Seu talento raro de memorialista, aliado ao crescente prestígio do Circo Nerino, resultou num dos mais importantes acervos brasileiros sobre o tema circo.

Quando o Circo Nerino baixou de vez sua lona, em 1964, Roger Avanzi levou consigo o arquivo, que ajudara a criar, do circo do pai. Em 1996, Roger transferiu o acervo para a pesquisadora Verônica Tamaoki. A partir das informações contidas no arquivo documental e na memória oral de seus dois guardiões, realizou-se pesquisa minuciosa em arquivos de imprensa da época, e coletaram-se depoimentos de pessoas que participaram diretamente e indiretamente da história, inclusive daquele sem o qual o circo nem existiria: o sempre respeitável público. Um ponto alto do processo foi a publicação, pelo selo Pindorama Circus e Editora Codex, do livro Circo Nerino, em 2004.

1.4 Âmbito e Conteúdo

O conjunto de documentos é formado por fotografias (PB), fotografias coloridas, negativos, cromos, slides, cartazes, filipetas, programas, desenhos, calendários, revistas, jornais, discursos, correspondências, contratos, recibos, convites, certificados, documentos pessoais (RG, Titulo de eleitor, certidões, carteira de motorista, carteira sindical), cartões, notas fiscais, declarações, anotações diversas, informativos, listas, crônicas, livros, relatórios, diplomas, peças de teatro (manuscritas, datilografadas e publicadas), partituras de música (manuscritas, datilografadas e publicadas), figurinos, vestuários, perucas, barbas postiças, bigodes postiços, calçados, moldes, clichês, material cênico, aparelhos de montagem e apresentação do circo, equipamentos eletromecânicos (filmadora, Rádio Amador, Lanterna, projetor de cinema, rebobinador de filmes), fitas de vídeo, rolos de fita de áudio (1/4”), rolos de filme em película.

1.5 Sistema de Arranjo

Parcialmente organizado. Em fase de descrição documental e arranjo funcional.

1.6 Condições de acesso

Apenas encontra-se disponível a documentação que já passou por tratamento técnico adequado (higienização e acondicionamento).

1.7 Instrumentos de pesquisa

Inventário parcial em planilha eletrônica.

1.8 Material de apoio

AVANZI, Roger / TAMAOKI, Verônica – Circo Nerino - São Paulo : Selo Pindorama Circus e Editora Codex, 2004.
AVANZI, Roger /TAMAOKI, Verônica – São Paulo: Sesc SP, 1997. (catálogo)
AVANZI, Roger /TAMAOKI, Verônica – Brasilia: Caixa Cultural, 2007. (catálogo)
AVANZI, Roger /TAMAOKI, Verônica – Salvador: Caixa Cultural, 2008. (catálogo)