Malária

Veja informações aqui!

O que é?

 A Malária é uma doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por vetores. Conhecida popularmente como maleita, sezão, tremedeira, batedeira ou febre.

Qual a situação no Brasil e em outros países?

Desde 2015, tem sido observado um aumento de casos na região das Américas, especialmente na Colômbia, Equador, El Salvador, Guiana, Haiti, Honduras, Nicarágua, Panamá e República Bolivariana da Venezuela, e, desde 2017, também no Brasil e México.

No Brasil, a Região Amazônica brasileira (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Mato Grosso e do Maranhão) é considerada área endêmica. Entretanto, existe transmissão residual de malária no Piauí, no Paraná e em áreas de Mata Atlântica nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Fora da região amazônica, mais de 80% dos casos registrados são importados dos estados pertencentes à área endêmica brasileira, de outros países amazônicos, do Paraguai, e do Continente Africano.

No Estado de São Paulo, a transmissão de malária ocorre em áreas com Mata Atlântica. Durante o triênio 2016/2018, foi notificada a ocorrência de casos autóctones em: São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, Natividade da Serra, Peruíbe, Eldorado, Iporanga, Itariri e São José dos Campos.

Como é transmitida?

A transmissão ocorre pela picada de mosquitos do gênero Anopheles, popularmente conhecidos por “carapanã”, “muriçoca”, “sovela”, “mosquito-prego” e “bicuda”. Não há transmissão direta da doença de pessoa a pessoa.

Quais os sintomas?

O quadro clínico pode ser dividido em 3 fases:

a) Período de infecção: pode iniciar com mal-estar, cansaço e mialgia. Após alguns dias, inicia com calafrio, acompanhado de tremor generalizado, com duração de 15 minutos a uma hora, voltando a se repetir. A temperatura pode atingir 41°C, e ser acompanhada de cefaléia, náuseas e vômitos, e seguida de sudorese intensa.O baço e o fígado podem estar aumentados e dolorosos à palpação.

b) Período de remissão: apresenta declínio da temperatura e sensação de melhora. Novos episódios de febre podem acontecer no mesmo dia ou com intervalos variáveis, caracterizando um estado de febre intermitente.

c) Período toxêmico: caso o paciente não seja tratado de forma adequada e oportuna, pode evoluir para formas graves.