Danças Circulares Sagradas

Atividade permanente - DEA/UMAPAZ

topo

 

 A Dança Circular tem como objetivo resgatar passos tradicionais dos povos, somados aos passos trazidos pela contemporaneidade para reconectar os indivíduos com eles mesmos, com os outros e com o meio ambiente. Trabalha a convivência harmoniosa, atenção plena no presente, percepção corporal, cooperação, respeito, diversidade, acolhimento, além de sensibilizar para as questões socioambientais. Na UMAPAZ temos dois círculos abertos de Dança Circular, um pela manhã e outro à tarde para a prática permanente desta atividade que faz parte do Programa de Metodologias Integrativas da UMAPAZ Formação.

 

Focalização:

Quartas-feiras:
Estela Gomes

Quintas-feiras:
Angelina Eberlein
Eva Ferri
Maria Lucia P. Sousa

Coordenação:
Débora Pontalti
Estela Gomes

Público: Aberto

MANHÃ
Dias: Todas as quartas-feiras
Horário: das 9h às 11h

TARDE
Dias: Todas as quintas-feiras
Horário: das 15h às 17h

Local: Sede da UMAPAZ - Parque Ibirapuera - Av. Quarto Centenário, 1268
Pedestres: Portão 7A
Estacionamento: Portão 7 da Av. República do Líbano (Zona Azul)

Não é necessário realizar inscrição. Atividade gratuita

 

 

 

Tema : As Estações da Paz


“Nenhum líder vai nos dar paz, nenhum governo, nenhum exército, nenhum país. O que nos vai dar paz é a transformação interior que nos conduzirá à ação exterior. A transformação interior não é isolamento, desistência da ação exterior. Ao contrário, só pode haver a ação correta quando há o pensamento correto, e não existe pensamento correto quando não existe autoconhecimento. Sem conhecer a si mesmo, não existe paz.”
Krishnamurti

No decorrer de 2018 trabalhamos o tema das ESTAÇÕES DO ANO compreendendo que o que ocorre na natureza externa repercute em nosso mundo interno, mobilizando pensamentos, sentimentos e ações. Fizemos tantas reflexões interessantes nos grupos de práticas corporais coordenados por Suely e por mim que escolhemos seguir com o tema das estações, mas ampliando sua relação com o tema da PAZ.

Falar e vivenciar a PAZ é um desafio cotidiano da atualidade, principalmente vivendo nos espaços urbanos. Paz interior, paz nas relações pessoais, paz na relação com os outros seres, paz com o meio que nos cerca, paz num almoço de família, paz ao escutar opiniões que divergem da nossa, paz no trânsito, paz num show de música, paz num debate, paz ao assistir TV, paz ao escutar uma entrevista de rádio, paz na política, paz com a chuva, paz com o calor, paz em tudo ao nosso redor…

Trabalhar na construção da Cultura de Paz tem sido um dos pilares da UMAPAZ que entende que a atuação pela sustentabilidade está diretamente vinculada à atuação pautada nos valores do respeito, inclusão, diversidade, ética, solidariedade, amor, convivência harmoniosa dentre outros.

Lia Diskin da Associação Palas Athena, uma das parcerias da UMAPAZ, diz que “a Cultura de Paz se insere em um marco de respeito aos direitos humanos e constitui terreno fértil para que se possam assegurar os valores fundamentais da vida democrática, como a igualdade e a justiça social. Essa evolução exige a participação de cada um de nós para que seja possível dar aos jovens e às gerações futuras, valores que os ajudem a forjar um mundo mais digno e harmonioso, um mundo de igualdade, solidariedade, liberdade e prosperidade.”

O mestre zen e vietnamita Thich Nhât Hanh conta na introdução de seu livro Para viver em paz que os refugiados sobreviventes disseram que “quando um barco é surpreendido por uma tempestade, é mais provável que afunde, se os passageiros entrarem em pânico. Mas se uma só pessoa permanecer calma, lúcida e consciente, ela sozinha poderá ajudar os outros, e todos poderão sobreviver ao perigo.” Compara a terra com um pequeno barco em meio à perigosa tempestade e nos convida a sermos o melhor que pudermos ser.

Na UMAPAZ as práticas corporais da Dança Circular, Tai Chi Pai Lin e Meditação têm se apresentado como ferramentas muito interessantes para cultivarmos a paz tanto interna quanto com nosso entorno já que promovem o autoconhecimento e a transformação pessoal inspiradas na natureza e nas diversas culturas do planeta.

Passos de paz, gestos assertivos, ritmos diferentes vivenciados em grupo que a cada instante nos convidam à presença, à atenção plena, à observação e ao reconhecimento de si e do que está ao nosso redor.

Seja na prática das respirações, posturas e dobras do Tai Chi, no exercício das Danças Circulares com suas coreografias que parecem mântricas ou no silêncio da Meditação, que possamos caminhar a PAZ em 2019 ampliando as redes de convivência pacífica e produzindo bons frutos na educação para a sustentabilidade.

 

  

 


Inverno – Água

 
Cada estação nutre nosso corpo com as experiências que lhe são necessárias, tem influência sobre nossa condição humana e energética. Segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o Inverno apresenta o fator climático de característica mais Yin na superfície e o Yang fraco. Nas árvores o fluxo de energia se inicia na raiz e vai até a copa através do tronco; no inverno enquanto o aspecto yang estará agindo e se concentrando mais internamente na raiz, o yin agirá sobre a copa e galhos. Prevalece a força Yin: tempo de descanso, quietude, energia poupada, recolhida, condensada, armazenada que indica grande potencial.
A energia do Metal (da estação anterior) transforma-se em Água e rege o Inverno. Todas as vidas tem origem na água, primeira energia criada pelo Céu, é nossa vitalidade. Como característica da Água, a energia é fluida, latente, inercial. Como a semente que durante o inverno aguarda quieta o momento de brotar. Energia pesada que cai, escorre, flui e não tem forma própria.
No nosso corpo funciona da mesma forma. A natureza está mais lenta e nosso corpo segue esse fluxo energético e climático, fica mais lento sem os cuidados adequados.
No homem a água está na essência. Os rins reservam a essência da água. A energia deve estar circulando, fortalecendo nossa nascente. Retornar à raiz, região relacionada com as águas do corpo, a água verdadeira, nossa mãe, nossa raiz.
Na sabedoria chinesa nesta estação, a representação em nosso corpo são os Rins e a Bexiga. Os Rins regulam a quantidade de água no organismo e o equilíbrio de diversos processos metabólicos, ativação de vitaminas, purificação do sangue, regulação dos líquidos do corpo, fluidos essenciais, entre outros processos. A bexiga armazena e elimina o excesso, toxinas líquidas.
Alguns aspectos e cuidados para o Inverno – como um tempo de descanso e quietude, acompanhar o ritmo da natureza: dormir melhor, atividades menos intensas, agasalhar-se, evitar exposição excessiva ao frio, vento e umidade; tomar água pura; descanso suficiente: proteção ao yang dos rins; reduzir o estresse. Atividade física e Meditação são recomendadas.
Outono é o tempo de iniciar o recolhimento, colher e armazenar sementes para o inverno – voltar a nossa energia para dentro: repensar, refletir novos projetos e caminhos. Na passagem do outono para o inverno, a mensagem da natureza é seguir recolhendo. Como a árvore que recolhe sua energia do tronco para a raiz, o ser humano também deve privilegiar a serenidade ao movimento.
A prática da serenidade recupera a energia. Na Natureza, no inverno, as plantas reservam a energia na raiz para brotar na primavera, para o início de um novo ciclo, uma nova primavera de vida.

 

 

 

 

Referência bibliográfica:
Hirsch, S. Manual do herói

 

Como chegar na UMAPAZ

 

 

 

 Confira nossas redes sociais!