Share

Medicinas Tradicionais

Atenção Básica

Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas Integrativas em Saúde na SMS

Agosto - 2010

A SMS do Município de São Paulo possui atualmente um dos maiores programas públicos de incorporação das Medicinas Tradicionais nos serviços de saúde do Ocidente, que vem servindo de modelo para incorporação de tais práticas em vários Municípios no Brasil.

Tais iniciativas vêem ocorrendo em sincronia com um movimento mundial e brasileiro, sendo baseado em iniciativas da OMS, particularmente à partir de 1978 ano da realização da Conferência de Alma- Ata (URSS) com resoluções sobre a atenção primária. No Brasil, iniciativas municipais e estaduais vêem ocorrendo, visando a incorporação das Medicinas Tradicionais, Homeopatia e Práticas de Integrativas e Complementares no SUS. O Ministério da Saúde vem procurando acompanhar tais iniciativas, estruturando vários grupos de trabalho, culminando com a edição da Portaria 971/2006 do Ministério da Saúde-MS.

Nas práticas integrativas e complementares que constam da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) regulamentadas, a partir da referida Portaria 971, estão incluídas, até o momento, a Medicina Tradicional Chinesa, Homeopatia, Fitoterapia, Termalismo Social/Crenoterapia e Medicina Antroposófica.

As abordagens integrativas e complementares em saúde reúnem concepções diferenciadas das ciências biomédicas ou medicina ocidental, com uma grande ênfase no que chamamos de Integralidade da abordagem, onde o corpo, a mente e o meio em que vivemos formam uma entidade complexa e não estão separados como pode parecer a princípio. Isto implica, entre outras coisas, na atuação sobre os fatores causais das enfermidades, além da atuação sobre suas manifestações, como também no resgate da responsabilidade dos indivíduos sobre seu processo de cura.

As Medicinas Tradicionais - MTs constituem um campo de conhecimento na área da saúde, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde –OMS, que vem realizando várias iniciativas visando difundir seus conhecimentos e facilitara sua incorporação nas políticas públicas de saúde de seus países membros, como a edição do documento “Estratégia da OMS sobre Medicina Tradicional 2002-2005” e a realização, em 2008, do I Congresso da OMS para as Medicinas Tradicionais, em Beijing.

Nas medicinas tradicionais estão incluídas, por exemplo a medicina tradicional chinesa, a ayurveda hindú, a medicina unani árabe e as diversas formas de medicina indígena. As terapias das MTs incluem terapias sem medicação como a acupuntura e terapias manuais e terapias com medicações, com ênfase no uso de terapias herbais. Porém a principal característica das medicinas tradicionais é sua elaboração no interior de cosmovisões naturistas e holisticas, com abordagens integrais do processo de determinação das enfermidades.

Existem Medicinas Tradicionais estruturadas, cujos conhecimentos foram recolhidos, estudados e difundidos como instrumento dês de promoção e recuperação da saúde para grandes populações como é ocaso das citadas medicina tradicional chinesa, ayurveda e medicina unani e existem, em diversos países, Medicinas Tradicionais com grande potencialidade de também estruturarem e cumprirem importante papel nas políticas públicas de saúde como, acreditamos, é o caso do Brasil.

 

Medicina tradicional chinesa
 

No campo das Medinas Tradicionais, a Medicina Tradicional Chinesa – MTC possui uma particularidade que a distingue de outras práticas similares: Sua utilização, enquanto política pública de saúde, promovida por um estado nacional de forma organizada e maciça, que possibilitou a recuperação, organização e transmissão de uma série de conhecimentos e o acesso de toda uma população aos seus recursos, e também a realização de uma serie de pesquisas com validação de seus instrumentos e ampliação das possibilidades de sua aplicação. Com isto a MTC é hoje a prática de medicina tradicional que desfruta de maior prestígio no mundo e acaba funcionando como referência, inclusive no Brasil.

Os pressupostos da Medicina Tradicional Chinesa para a Manutenção da saúde são:

 

A Saúde Pública vai à busca de instrumentos que favoreçam a produção da saúde e a humanização nas relações sociais. A incorporação das medicinas tradicionais e práticas complementares ou integrativas em saúde na SMS/SUS-SP é um importante instrumento neste caminho. O Ministério da Saúde apresenta a Política Nacional Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC – que atende, sobretudo, à necessidade de se conhecer, apoiar e incorporar experiências que já vêem sendo desenvolvidas na rede pública de muitos municípios e estados, entre as quais destacam-se aquelas no âmbito da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) / Acupuntura, da Homeopatia, da Fitoterapia e da Medicina Antroposófica.

A Secretaria Municipal de Saúde conta com um grande número de unidades de saúde no município, com serviços em algumas modalidades destas especialidades, tais como práticas corporais, meditação, acupuntura e homeopatia, plantas medicinais e alimentação saudável das práticas integrativas em saúde.

 


 

Leia também:

 


 

Grupos Educativos Integrados de Promoção da Saúde

Aprimoramento do programa de Ações de Promoção de Saúde do Município de São Paulo com ênfase na implementação, nas unidades de saúde, de Grupos Educativos Integrados de Promoção da Saúde (com abordagem de Práticas Corporais e Meditativas das Medicinas Tradicionais, Caminhadas, Alimentação Saudável e tecnologias da Cultura de Paz) ampliando a abordagem dos grupos específicos de práticas corporais ou outras modalidades, que hoje predominam em nossos serviços de saúde.


 

Mais informações: tel: 3397-2223
e-mail: medicinastradicionais@prefeitura.sp.gov.br