História

O Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP) é um órgão subordinado à Secretaria Municipal de Esportes da Prefeitura de São Paulo. Sua missão é promover o desenvolvimento de atletas e equipes competitivas nas categorias de base, com apoio e suporte técnicos efetivos.

E é exatamente o que diferencia o trabalho desenvolvido no COTP das outras unidades da Prefeitura onde a população pode praticar esportes. Existem centenas de Clubes da Comunidade e Clubes Escola, equipamentos onde a prática de esporte tem como objetivo a recreação ou a prática de um exercício saudável, que conserve a saúde e a forma física.

O Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa foi criado em 03 de fevereiro de 1976 (decreto nº 12.593), intimamente ligado ao Programa Adote Um Atleta e trabalhando com quatro modalidades: atletismo, basquete, boxe e voleibol. No Adote Um Atleta, os atletas vinculados ao COTP eram indicados por clubes e adotados por empresas, treinando meio período em seus clubes e meio período no COTP. Eles participavam de treinamentos específicos de aperfeiçoamento. Nesse período inicial, passaram pelo COTP os seus principais nomes: Montanaro, Amauri, Hortência, Ricardo Prado e outros atletas que seriam nacionalmente famosos a partir do início dos anos 80.

Nessa primeira fase, o Centro Olímpico atendia a cerca de 100 atletas, indicados pelos clubes, e também recebia seleções de base. Mas ao mesmo tempo em que o COTP se desenvolvia, o perfil do esporte dito "amador" mudou radicalmente. As empresas passaram a enxergar o esporte como uma ferramenta de marketing e passaram a investir diretamente em clubes e atletas, enfraquecendo o Programa Adote Um Atleta e o Programa de Ação Desportiva (PAD), outro programa municipal.

Com a transição do amadorismo para o profissionalismo, os times, muitas vezes patrocinados pelas empresas, passaram a treinar em dois períodos e ter acesso a estruturas de apoio muito mais completas. Diante dessa nova realidade, o Adote Um Atleta e o PAD perderam espaço. As seleções de base passaram a ocupar outros espaços além do COTP, esvaziando o complexo.

Enquanto isso, novas modalidades foram agregadas ao Centro Olímpico. Em 06 de julho de 1976 (decreto nº 13.205) foi criada a seção técnica de futebol, que existiria até 1984. Em 23 de abril de 1978 (lei nº 8.712), houve uma reorganização da estrutura de cargos da Secretaria Municipal de Esportes, com o COTP sendo contemplado com quatro novas seções: beisebol, ginástica olímpica, judô e natação.

Em 02 de fevereiro de 1984, o decreto nº 19.461 criou a Escola de Futebol de São Paulo, no Parque da Aclimação e a Escola de Beisebol de São Paulo, no Estádio Mie Nishi. Através do mesmo decreto, os cargos e seções correspondentes foram, na prática, transferidos para as novas unidades, enquanto o COTP passou a contar com uma nova seção, a de handebol.

Com o esvaziamento do Centro Olímpico e dos programas a ele associados, em 1981 foi criado o Clube Desportivo Padote, viabilizando a participação dos atletas do COTP em competições organizadas por federações, confederações e ligas esportivas.

A partir do início dos anos 1990, o Centro Olímpico passou por um processo de estagnação que durou até 2001. Esse processo envolveu, além da deterioração da estrutura física do complexo, da paralisação das atividades do handebol por mais de 10 anos.

A partir de 2001, o Centro Olímpico foi reestimulado. O handebol foi retomado e às oito modalidades oficiais, somaram-se treinos de luta olímpica, futebol e futsal. O Clube Desportivo Padote trocou de nome para Associação Desportiva Centro Olímpico e várias ações ainda em curso trabalham para a modernização do complexo e sua adequação à nova realidade esportiva do Brasil.

Atualmente o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa é referência, não só na formação de atletas de ponta em suas 10 modalidades mas também por receber seleções nacionais e internacionais, ser a casa de treino da Equipe Pró-16 (César Cielo, Thiago Pereira...) e referência em medicina esportiva.

obs:(as fotos registram a evolução da estrutura)