Nabuco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rua Frederico Albuquerque, 120 - Jardim Itacolomi
Prefeitura Regional do Jabaquara
Área: 31.300 m²
Funcionamento: 6h às 18h
Fone: (11) 5678-6002 / 8493

INFRAESTRUTURA

Área de estar, churrasqueiras, comedouro para pássaros, pista de Cooper, playgrounds, quadra poliesportiva, sanitários, trilhas, quadra de campo, aquário e viveiro de mudas. Possui um bosque bem formado com aparelhos de alongamento, pranchas de abdominal e barras. Há ainda trilhas ecológicas com marcação das árvores.
Possui rede wi-fi, acessibilidade na entrada do parque, nos equipamentos de ginástica, banheiros e áreas de circulação; são permitidos cães, desde que conduzidos em coleira e guia.

PARTICULARIDADES

O parque foi criado para preservar a vegetação existente no local e oferecer um espaço de lazer numa região carente de equipamentos públicos de recreação, é utilizado intensamente pelos moradores do entorno.
Sua vegetação é remanescente de Mata Atlântica, com bosques heterogêneos, áreas ajardinadas e gramados. Destaques da FLORA: aroeira-mansa (Schinus terebinthifolia), bambu-chinês (Bambusa tuldoides), camboatá (Cupania vernalis), carobinha (Jacaranda puberula), copaíba (Copaifera langsdorffii), embaúba-branca (Cecropia pachystachya), faveira (Peltophorum dubium), guaçatonga (Casearia sylvestris), jatobá (Hymenaea courbaril), leiteira (Sapium glandulosum), mirindiba-rosa (Lafoensia glyptocarpa), pau-ferro (Libidibia ferrea var. leiostachya), nespereira (Eriobotrya japonica), pau-jacaré (Piptadenia gonoacantha) e tapiá-guaçu (Alchornea sidifolia). Já foram registradas 132 espécies vasculares, das quais está ameaçada de extinção: pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia). Também já foram registradas 25 espécies de briófitas.

Inventário de flora 2018.

Constam 59 espécies de FAUNA, sendo 29 de aves, a exemplo: coruja-orelhuda, beija-flor-tesoura, joão-teneném, sabiás (poca, barranco e laranjeira). Também podem ser observados pássaros vistosos como fim-fim, saíra-amarela e saí-canário. O suiriri e a juruviara são pássaros migratórios que de setembro a março interrompem o silêncio com suas intermitentes vocalizações. Mamíferos como gambá-de-orelha-preta e morcego-de-cauda-livre-aveludada também fazem parte da fauna do parque, além de algumas espécies de borboletas, com destaque para a borboleta-azul-metálica, pelo azul em tons de safira das suas asas. Como espécies endêmicas de Mata Atlântica presentes no parque podemos citar a perereca-verde-de-coxas-laranjas, periquito-rico e tiê-preto.


O BAIRRO
A denominação Jabaquara vem do tupi-guarani YAB-A-QUAR-A, que significa rocha e buraco e também Mata dos Negros Fujões. No tempo da escravidão, a região era uma mata deserta que servia de abrigo aos escravos fugidos. O local pertencia a uma das inúmeras sesmarias do Padre José de Anchieta, da Companhia de Jesus.
A construção do Sítio da Ressaca data do século XVII. O local foi tombado em 1972, restaurado em 1978 e retomado em 1986, após um incêndio. No mesmo local está o Acervo da Memória e do Viver Afro-Brasileiro Caio Egydio de Souza Aranha, que reúne objetos referentes à presença dos negros em São Paulo.
A região era usada pelos viajantes que se dirigiam a Santo Amaro e à Borda do Campo, até o início do século XVII. No fim do século XIX, a região se popularizou e a prefeitura instalou um logradouro público, o Parque do Jabaquara, para passeios e piqueniques. Entre 1886 e 1913, circularam os trens a vapor de uma pequena ferrovia que ligava Vila Mariana a Santo Amaro, com trilhos implantados sobre uma via do antigo “Caminho do Carro”.
O primeiro loteamento aconteceu na Vila Santa Catarina por volta de 1920/1921; até o final da década de 1920, o bairro mantinha características rurais, tendo como eixo o “Caminho do Carro”. A região ganhou mais ocupação urbana a partir da inauguração do Aeroporto de Congonhas, em 1936. Especificamente o Jardim Cupecê (do tupi, “língua partida”), ou “roça partida”, era um oásis em meio ao universo cimentado de Cidade Ademar.
Quem foi o Nabuco homenageado?
É equivocado atribuir o nome do parque a Joaquim Nabuco (1849-1910), jurista pernambucano e um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Em verdade, o “Nabuco” homenageado foi residente do bairro e maior responsável pela atual área do parque – era ali que ele residia. Portanto, o nome é uma homenagem a Fernando Nabuco de Abreu.


CONSELHO GESTOR
Os Conselhos Gestores dos Parques Municipais foram criados em 2003 para garantir a participação popular no planejamento, gerenciamento e fiscalização das atividades que ocorrem nos parques. O objetivo é envolver a comunidade na discussão das políticas públicas de forma consultiva, com enfoque nas questões socioambientais. Os Conselhos são integrados por representantes da sociedade civil (em geral, três frequentadores e um representante de movimento social ou entidade local), um representante dos trabalhadores do parque e três representantes do Poder Executivo.
Saiba mais sobre os Conselhos Gestores no site da SVMA.

COMO CHEGAR?
577T/10 – Terminal Ana Rosa / Jardim Miriam

+ informações: www.sptrans.com.br