Jardim Herculano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estrada da Riviera, 2282 – Jd. Herculano
Inaugurado em 26/08/2011
Subprefeitura de M’Boi Mirim
Área: 75.277 m²
Funcionamento: 6h às 18h (fecha às 19h durante horário de verão)
Telefone: (11) 5833-7351

INFRAESTRUTURA

Trilha para atividades monitoradas de educação ambiental, equipamentos de ginástica de baixo impacto, estares, sala para atividades de educação ambiental, paraciclo, playground e sanitários acessíveis. Acessibilidade nos banheiros, entrada do parque (deck de madeira) e áreas de circulação.

PARTICULARIDADES

O parque está inserido numa área de preservação de mananciais e conta com grande número de nascentes, fazendo parte do Sistema de Abastecimento da Represa Guarapiranga. Destinado ao lazer contemplativo, o projeto do parque tira partido da presença de mata remanescente e veios d’água para criar estares integrados, respeitando as áreas de proteção permanente, com equipamentos de lazer e atividades de educação ambiental.

Vegetação: áreas ajardinadas, remanescentes de pomar e de Mata Atlântica em estágio inicial de sucessão. Destaques da FLORA: bambu-chinês (Bambusa tuldoides), bambu-gigante (Dendrocalamus asper), cafezinho (Maytenus evonymoides), crindiúva (Trema micrantha), cuvitinga (Solanum granulosoleprosum), espatódea (Spathodea campanulata), falsa-seringueira (Ficus elastica), fruta-de-sabiá (Acnistus arborescens), guapuruvu (Schizolobium parahyba), helicônias (Heliconia farinosa e H. rostrata), jaboticabeira-de-sabará (Plinia cauliflora), jaqueira (Artocarpus heterophyllus), jerivá (Syagrus romanzoffiana), mangueira (Mangifera indica), paineira (Ceiba speciosa), pau-jacaré (Piptadenia gonoacantha), suinã (Erythrina speciosa), tapiá-guaçu (Alchornea sidifolia) e tarumã-branco (Citharexylum myrianthum).
Já foram registradas 106 espécies vasculares, das quais estão ameaçadas de extinção: palmito-jussara (Euterpe edulis) e o pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia). Inventário de flora 2018.

Foram registradas 66 espécies de FAUNA, composta principalmente por aves (64 espécies) e duas de anfíbios, incluindo o popular sapo-cururu e a rãzinha-piadeira, sendo esta endêmica da Mata Atlântica. Dentre as aves, o grupo dos beija-flores, pica-paus, papa-moscas e sanhaçus e saíras apresenta-se bastante diversificado. Há representantes endêmicos da Mata Atlântica como os exemplares iridescentes de beija-flor-de-fronte-violeta e tié-preto; o pequenino pica-pau-anão-de-coleira; e o estrepitoso capitão-de-saíra. Este último, “comanda” bandos mistos (agregação de diversas espécies de aves) integrada por pula-pula, tiés, saí-canário, saíra-viúva, pichororé, dentre outros.

O parque também é digno da presença de grandes frugívoros como O jacuaçu e o tucano-de-bico-verde, portanto, consistindo em bons dispersores de sementes. O joão-porca é um daqueles passarinhos encontrados somente na mata ciliar. Recentemente descobriu-se que o parque abriga um mamífero singular, o bicho-preguiça. Sua sutil movimentação torna ainda mais intrigante o desafio do observador encontrá-lo em meio às folhagens.

O BAIRRO
M´Boi Mirim, que na língua indígena significa rio das cobras pequenas, teve seu primeiro processo de ocupação em 1607. Nessa época, foram instalados, à beira do rio Pinheiros, próximo à aldeia indígena do M’Boi Mirim, o Engenho de Nossa Senhora da Assunção de Ibirapuera e a primeira extração de minério de ferro da América do Sul. Essa experiência durou cerca de 20 anos. Depois disso, a área da antiga aldeia dos guaianases ficou praticamente esquecida por 200 anos, servindo apenas como ponto de passagem para os viajantes em direção ao Embu e Itapecerica da Serra.

Foi só em 1829 que se deu o segundo processo de ocupação do M´Boi Mirim, com a chegada de um grupo de 129 imigrantes alemães, trazidos por D. Pedro I, para colonizar essas terras. Três anos depois. a região de Santo Amaro, que incluía a antiga aldeia do M´Boi Mirim, foi elevada à categoria de município. Grande parte do que se consumia em São Paulo da batata, marmelada, farinha de mandioca, milho e carne, assim como da madeira, eram produzidos no “novo município”. Foi o que levou à inauguração da primeira ligação de bondes a vapor, em 1886.

No início do século 20, a empresa The São Paulo Tramway, Light & Power decidiu represar o rio Guarapiranga, afluente do Pinheiros, para regularizar a vazão do Tietê nos meses de seca, gerando a construção da represa Guarapiranga. Durante o período de estiagem, as águas do Guarapiranga deveriam ser represadas e descarregadas no Rio Pinheiros para, assim, alimentar as turbinas da Usina de Parnaíba. A represa atraiu um tipo particular de moradores – notadamente italianos e alemães – em busca de refúgio nos fins de semana, para a caça e pesca. A atual área do Jardim Ângela era conhecida como a Riviera Paulista, devido à beleza das margens da represa.

A inauguração do Aeroporto de Congonhas, em 1934, marcou a integração do município de Santo Amaro à cidade de São Paulo. A partir da década de 50, porém, a região do M´Boi Mirim iniciou um processo de ocupação muito mais intenso, no qual antigos sítios e chácaras foram transformados em lotes, ocupados em sua maioria por operários que vinham ocupar postos nas fábricas paulistas. A grande explosão dessa ocupação aconteceu a partir do fim da década de 60, inclusive em áreas de preservação, como na região dos mananciais. Os parques criados na região procuraram compensar esse quadro.

CONSELHO GESTOR
Os Conselhos Gestores dos Parques Municipais foram criados em 2003 para garantir a participação popular no planejamento, gerenciamento e fiscalização das atividades que ocorrem nos parques. O objetivo é envolver a comunidade na discussão das políticas públicas de forma consultiva, com enfoque nas questões socioambientais. Os Conselhos são integrados por representantes da sociedade civil (em geral, três frequentadores e um representante de movimento social ou entidade local), um representante dos trabalhadores do parque e três representantes do Poder Executivo.
Saiba mais sobre os Conselhos Gestores no site da SVMA.

COMO CHEGAR
6028/10 - Riviera / Term. Sto. Amaro
N740/11 – Term. Jd. Ângela / Jd. Riviera
+ informações: www.sptrans.com.br