Chuvisco

 Sul                              

Mosaico com quatro fotografias sendo a primeira de árvores com os troncos cobertos por folhas em tom de verde claro, a segunda de árvores com troncos largos e uma quadra ao fundo, a terceira da pista de skate com rampas e degraus em tons de branco e laranja, e a quarta de árvores altas com troncos finos e folhas em tons de verde e amarelo.

Rua Ipiranga, 792 - Jardim Aeroporto, São Paulo - SP - CEP: 03178-200
Não possui telefone
Inaugurado em 01/04/2017
Subprefeitura de Santo Amaro
Área: 37.050,97m²

Aberto diariamente das 7h às 19h


INFRAESTRUTURA

Acessibilidade na entrada, áreas de circulação, equipamentos de ginástica e sanitários. O parque está dividido em um Núcleo de Vivência (600 m²), com recepção, sala de jogos, sanitários masculino/feminino, despensa, cozinha e área para café (térreo). O Galpão Multiuso (1.180m²) reúne: brinquedoteca, exposição, área de estar, auditório/sala de projeção, lanche, cozinha, fraldário, sanitário p/deficiente, sanitários masculino/feminino, sanitários para funcionários masculino/feminino, área de serviço, depósito e terraço (térreo); refeitório, varanda, administração, recepção, oficina de manutenção, deposito, vestiário para funcionários masculino/feminino, fraldário, sanitário para deficiente e sanitários (subsolo).

As áreas externas possuem quadra de bocha, quiosques com mesa e bancos, três quadras poliesportivas, bebedouros (três de concreto e quatro de aço), quatro áreas com equipamentos para ginástica, dois setores para brinquedos (incluindo arborismo) e pisca de caminhada (761m). Uma ciclovia (706 m), área de projeção e palco encerram a infraestrutura.

PARTICULARIDADES

Implantado pela SP-Obras por fazer parte das obrigações de Licença Ambiental Previa (LAP) da Operação Urbana da Água Espraiada, o parque se encontra na sub bacia do Córrego da Água Espraiada e está próximo também ao monotrilho (Linha Ouro).

Sua vegetação é constituída por bosque heterogêneo e áreas ajardinadas. Destaques da FLORA: abacateiro (Persea americana), aroeira-mansa (Schinus terebinthifolia), cinamomo (Melia azedarach), dedaleira (Lafoensia pacari), embiruçu (Pseudobombax grandiflorum), espatódea (Spathodea campanulata), eucalipto (Eucalyptus sp.), figueira-benjamim (Ficus benjamina), goiabeira (Psidium guajava), guanandi (Calophyllum brasiliense), ingá-macarrão (Inga edulis), ipê-rosa (Handroanthus heptaphyllus), jaboticabeira (Plinia sp.), jambeiro (Syzygium jambos), jerivá (Syagrus romanzoffiana), nespereira (Eriobotrya japonica), pau-ferro (Libidibia ferrea var. leiostachya), tipuana (Tipuana tipu) e washingtônia-do-sul (Washingtonia robusta).Inventário de flora 2021.

 O BAIRRO

A origem do nome Jabaquara vem do tupi-guarani yab a quar a (rocha e buraco, numa tradução livre). Embora seja um bairro relativamente “novo”, sua ocupação data do século XVIII, com o Sítio da Ressaca, construção de estilo bandeirista datada de 1719 implantada no caminho entre a Borda do Campo (o ABC paulista) e Santo Amaro. O imóvel, tombado pelo patrimônio, recebeu o nome do córrego da região, mas só se popularizou no final do século XIX, com a implantação do Parque Jabaquara.

O primeiro loteamento do bairro, na Vila Santa Catarina, aconteceu em meados de 1920. Dois elementos urbanos contribuíram para fazer o bairro crescer: a “autoestrada” Washington Luís (criada no fim dessa década) e o aeroporto de Congonhas (inaugurado em 1936). Um parque particular, o Jabaquara, também contribuiu para dar visibilidade à região. O aeroporto de Congonhas e a doação de terrenos para entidades beneficentes reduziram a área de bosque desse parque, que tinha 2,5 km². Por isso, seu proprietário, Antonio Cantarella, iniciou processo de loteamento, fazendo surgir os bairros de Vila Guarani, Parque Jabaquara, Jardim Aeroporto e Cidade Vargas. Em 1940, foi construída a Paróquia São Judas Tadeu, o que abriu mais loteamentos, como Vila Mascote.

CHUVISCO
O adensamento urbano trouxe também novas vias, e uma delas foi a Jornalista Roberto Marinho (antiga Água Espraiada). Sua implantação foi feita pela Operação Urbana Consorciada Água Espraiada (OUCAE), dando origem a um Termo de Compromisso Ambiental (TAC). Esse TAC foi cumprido sob a forma de adequação e obras do Clube Chuvisco – usado pelos funcionários da extinta Varig. O espaço recebeu diversas benfeitorias e foi entregue à população em 2017.

CONSELHO GESTOR
Os Conselhos Gestores dos Parques Municipais foram criados em 2003 para garantir a participação popular no planejamento, gerenciamento e fiscalização das atividades que ocorrem nos parques. O objetivo é envolver a comunidade na discussão das políticas públicas de forma consultiva, com enfoque nas questões socioambientais. Os Conselhos são integrados por representantes da sociedade civil (em geral, três frequentadores e um representante de movimento social ou entidade local), um representante dos trabalhadores do parque e três representantes do Poder Executivo.
Saiba mais sobre os Conselhos Gestores no site da SVMA.

COMO CHEGAR:
857C-10 – Terminal Campo Limpo / Metrô Conceição
175T-10 – Metrô Santana / Metrô Jabaquara