Buenos Aires

 Centro-Oeste            

Um retângulo com quatro fotografias dentro, separadas por uma fina linha branca. A primeira foto uma escultura de uma mulher segurando um bebê, a segunda foto uma trilha com folhas secas na lateral, a terceira foto escultura de um casal dançando tango, a quarta foto arbustos com flores amarelas e árvores ao fundo. 

 Avenida Angélica, 1.500 – Higienópolis
Inaugurado em 24/09/1913
Subprefeitura da Sé
Área: 18.755 m²
Funcionamento: 6h às 19h
Telefone: (11) 3666-8032

 

INFRAESTRUTURA
Área para apresentações culturais (Praça das Mães), gramado para piquenique, playground, espelho d’água, aparelhos de ginástica (barras e pranchas) e cercado para cães (cachorródromo). Espaço para contemplação, caminhadas e relaxamento, passeio, estares e sanitários. Acessibilidade nos equipamentos de ginástica, sanitários, entrada do parque e áreas de circulação.

 

 

PARTICULARIDADES
Tombado pelo CONPRESP em 1992, o Parque Buenos Aires foi considerado “praça” até 1987 e foi projetada pelo arquiteto paisagista francês Bouvard para preservar a vista sobre o Vale do Anhangabaú. Sua concepção original previa uma elevação central com mirante, onde foi instalado um telescópio e espelho d’água. As esculturas pontuam no espaço, como “Veado Atacado” e “Leão Atacado”, vindas da França e esculpidas em bronze, e “Mãe” de Caetano Fraccaroli, esculpida num só bloco de mármore (1964). “O Tango”, de Roberto Vivas, em bronze e granito (1996), e uma cópia em bronze da escultura “Emigrantes”, de Lasar Segall, também integram seu acervo.

 

Uma vegetação de bosque heterogêneo, áreas ajardinadas, alamedas e gramados define sua FLORA, cujos destaques são: alecrim-de-campinas (Holocalyx balansae), andá-açu (Joannesia princeps), canelinha-cheirosa (Nectandra megapotamica), canjerana (Cabralea canjerana subsp. canjerana), embaúba-branca (Cecropia pachystachya), falsa-seringueira (Ficus elastica), ipê-amarelo (Handroanthus chrysotrichus), pitósporo-do-taiti (Pittosporum undulatum), pitangueira (Eugenia uniflora) e seafórtia (Archontophoenix cunninghamiana). Já foram registradas 80 espécies vasculares, das quais estão ameaçadas de extinção: palmito-jussara (Euterpe edulis), jequitibá-rosa (Cariniana legalis), pau-brasil (Paubrasilia echinata) e pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia). Inventário de flora 2018.

Em sua FAUNA, foram registradas 57 espécies, das quais 50 são de aves, duas são de mamíferos, uma de molusco, duas de insetos e outras duas de aranhas. Com facilidade pode-se avistar aves como tico-tico, sabiá-laranjeira, sanhaço-cinzento, sanhaço-do-coqueiro, periquito-rico, rolinha e pardal. Esse último prefere ambientes urbanos e, com frequência, é visto reproduzindo-se em semáforos das ruas e avenidas vicinais. Na copa das árvores é possível observar a rabilonga alma-de-gato, o belo pica-pau-de-cabeça-amarela ou joão-velho e a algazarra de casais de bentevizinho-de-penacho-vermelho. Espécies migratórias, como araponga, bem-te-vi-rajado, tesourinha e juruviara, podem ser vistos de setembro a março. Também ocorrem gambás-de-orelha-preta e saguis.

O BAIRRO
O histórico do bairro que abriga o parque começa em 1893, quando os empresários alemães Martinho Bouchard e Victor Nothmann decidiram erguer em uma chácara próxima ao centro um loteamento planejado de alto padrão para atrair a nova elite paulistana, lançado em 1895 como Boulevard Bouchard. O empreendimento só receberia o nome de Higienópolis por ter sido o primeiro bairro da cidade a priorizar o saneamento e a higiene doméstica, contando com encanamento de esgoto e fornecimento de água. Uma das providências iniciais dos pioneiros foi rasgar o traçado da Avenida Angélica, que até hoje é sua via principal. O que mudou foram apenas o volume e o tipo de trânsito. Em vez dos bondes do início do século 20, hoje passam por seus 2,7 quilômetros uma média de 2.100 carros por hora nos horários de pico do trânsito.

Com o Mackenzie, o bairro virou um dos principais polos esportivos do Brasil. Na quadra do colégio, foi disputada em 1896 a primeira partida no país de bola ao cesto, como o basquete era conhecido. Os professores presbiterianos responsáveis pela instituição também incentivaram a prática de outras modalidades até então pouco conhecidas por aqui, como a ginástica olímpica e o futebol. O time da escola participou do jogo de estreia do início da história do Campeonato Paulista, em 1902, batendo por 2 a 1 os rivais do Germânia (atual Pinheiros). Transformado em universidade em 1952, o Mackenzie mantém até hoje sua tradição de formar atletas.

Algumas das principais ruas prestam homenagem a nomes de destaque da elite paulistana dos primeiros tempos de Higienópolis. Maria Angélica de Sousa Queirós, filha do barão de Sousa Queirós, inspirou o nome da Avenida Angélica. Maria Antônia da Silva Ramos, descendente do barão de Antonina, foi homenageada com a Rua Maria Antônia. Já Veridiana da Silva Prado, filha do barão de Iguape, teve sua imagem lembrada com a Rua Dona Veridiana. O bairro preserva ícones dos “pontos mais conhecidos”, como a Igreja de Santa Terezinha (até hoje no mesmo endereço) e a Praça Vilaboim.

Na linha do tempo, as datas mais importantes são o nascimento do loteamento que deu origem ao bairro (1893), a inauguração do Hospital Samaritano (1894), a primeira viagem da linha de bondes elétricos pela rua Maranhão (1900), oinício das atividades do Colégio Nossa Senhora de Sion (1901), a construção do parque Buenos Aires (1913), a abertura da Praça Vilaboim (1937), o nascimento da FAAP (1947), a transformação do Colégio Mackenzie em universidade (1952), o confronto entre alunos dessa universidade com os alunos de filosofia da USP, conhecido como Batalha da Maria Antonia (1968), a criação da sinagoga Beit Yaacov na Rua Doutor Veiga Filho (1993), a inauguração do Shopping Higienópolis (1999) e a decisão de construir duas linhas de metrô no bairro (2008).

CONSELHO GESTOR
Os Conselhos Gestores dos Parques Municipais foram criados em 2003 para garantir a participação popular no planejamento, gerenciamento e fiscalização das atividades que ocorrem nos parques. O objetivo é envolver a comunidade na discussão das políticas públicas de forma consultiva, com enfoque nas questões socioambientais. Os Conselhos são integrados por representantes da sociedade civil (em geral, três frequentadores e um representante de movimento social ou entidade local), um representante dos trabalhadores do parque e três representantes do Poder Executivo. Saiba mais sobre os Conselhos Gestores no site da SVMA.

COMO CHEGAR:
Metrô: Estação Higienópolis Mackenzie (Linha 4-Amarela).
Ônibus:
805L-10 - Terminal Princesa Isabel / Aclimação
177H-10 - Metrô Santana / Cidade Universitária
719R-10 - Rio Pequeno / Metrô Barra Funda
877T-10 - Vila Anastácio / Metrô Paraíso
719P-10 - Terminal Pinheiros / Terminal Princesa Isabel
719R-10 - Rio Pequeno / Metrô Barra Funda
874T-10 - Ipiranga / Lapa
N841-11 - Terminal Vila Mariana / Santa Cecília