Barra de Impressão

Prefeitura Regional Vila Mariana


Início - Secretarias - Regionais - Vila Mariana / Histórico


Histórico

Região nobre da cidade, composta também pelos bairros de Moema e Saúde, a Vila Mariana possui uma alta renda média, em torno de R$ 3,6 mil mensais, bem acima do índice do município, que é cerca de R$ 1,3 mil.

Quem está de passagem pela Vila Mariana e repara apenas no aspecto residencial da subprefeitura, pode não imaginar a quantidade de espaços dedicados a esportes, cultura, pesquisa, saúde e educação que existem por ali. Região nobre da cidade, composta também pelos bairros de Moema e Saúde, a Vila Mariana possui uma alta renda média, em torno de R$ 3,6 mil mensais, bem acima do índice do município, que é cerca de R$ 1,3 mil.

No bairro, os dados sobre educação são gritantes sobre seu desenvolvimento. Quase 80% dos moradores completaram o Ensino Fundamental, contra 49,9% do município. O Ensino Médio foi concluído por 71,34% da população, bem superior aos 33,68% da média municipal, e os anos de estudo chegam a 12,30. Em toda São Paulo, esse número pára em 7,67. Não à toa, a taxa de analfabetismo é reduzida, atingindo 1,10%, quatro vezes menor que os 4,88% da cidade.

Talvez o espírito empreendedor que marcou o florescimento do bairro possa explicar o grau de qualidade de vida e a quantidade de equipamentos à disposição de seus moradores. “Em 1887, começa a funcionar no bairro o Matadouro Municipal, que o faz progredir. A população aumenta, as oficinas de Ferro Carril se instalam na rua Domingos de Moraes, como também a fábrica de fósforos e a Escola Pública de Dona Maria Petit, inaugurada na Rua Vergueiro”, escreveu em artigo o barbeiro Francisco Villano, o Seu Chiquinho, uma das figuras mais tradicionais do bairro, com 88 anos, ele mesmo filho de italiano.

Prosperidade

“Com a chegada de muitos imigrantes, o movimento aumentou muito e famílias inteiras vieram habitar as ruas já existentes e outras ruas foram abertas. Fábricas de cerâmica, armazéns, açougues, padarias, floriculturas, quitandas e um hotel surgiram”, relata Seu Chiquinho.

Essa tradição de prosperidade revela-se, por exemplo, no Instituto Biológico, cuja construção começou em 1928 pelo governo do Estado e foi concluída em 1945. O advento do instituto se deu como resultado dos trabalhos desenvolvidos por uma comissão instituída para buscar o controle de uma praga que atingiu os cafezais na época. “A intenção era criar um instituto de biologia a exemplo do que foi o Instituto Oswaldo Cruz [no Rio de Janeiro] para a saúde do homem”, comenta o diretor da casa, Antônio Batista Filho.

Muitas pesquisas

Com o decorrer dos anos, o Instituto diversificou suas pesquisas também para o campo de pragas e doenças vegetais e animais. Dessa maneira, ressalta Batista Filho, o Instituto Biológico mantém-se em sintonia com o mundo moderno ao fornecer subsídios para uma das atividades mais lucrativas do país, o agronegócio. Também auxilia a Defesa Sanitária de São Paulo e o Ministério da Agricultura, produz antígenos para as campanhas contra a brucelose e tuberculose bovina, pesquisa o impacto de pesticidas e agrotóxicos no solo e alimentos transgênicos.

Outra importante linha de pesquisa, que diz respeito diretamente ao cotidiano das pessoas, é sobre as “pragas urbanas”, como cupins, baratas e ratos. O que leva à proliferação desses vetores, explica a pesquisadora Ana Eugênia Campos Farinha, é o trinômio “alimento, água e abrigo”. É o que acontece com os ratos, contra os quais a Prefeitura começa a desenvolver um programa de controle. A principal maneira para reduzir a incidência deles, diz Ana Eugênia, é com a retirada efetiva do lixo. A população também pode contribuir nesse controle, evitando deixar restos no chão, como rações para cachorro.

Para desenvolver esses estudos, o Instituto Biológico conta com 131 pesquisadores, dos quais 85 na Vila Mariana e o restante distribuído nas unidades de Descalvado e Bastos – ambas no interior do Estado -, e mais 200 estagiários, boa parte deles voluntários. Há também um museu, que mostra aos visitantes diversos aspectos das pragas animais e vegetais. Está lá, por exemplo, a reprodução de uma folha de árvore em tamanho gigante na qual se simula a ação de ácaros.

Ciência no teatro

A busca de conhecimento na Vila Mariana pode continuar pelo Teatro João Caetano, um patrimônio cultural com 52 anos de idade, que exibe um cardápio de cinco peças com temática científica, com destaque para a Dança do Universo, em cartaz aos sábados, às 21h00. As peças, que incluem o espetáculo Einstein, estão a cargo da Companhia Arte e Ciência no Palco.

Neste ano, os espetáculos têm significado ainda mais especial, pois se comemora o Ano Mundial da Física, em razão dos 100 anos da Teoria da Relatividade, desenvolvida por Albert Einstein.

O João Caetano é um simpático teatro, em tonalidades marrom e verde, cuja simplicidade parece aproximar-se da proposta dos teatros ingleses em sua origem, ou seja, de levarem cultura diretamente ao povo. Tem 438 lugares, palco italiano de oito metros por 12, sala para ensaio e curso de teatro. No jardim dos fundos, se encontra uma frondosa árvore da espécie Pau Ferro, plantada na época da construção, que é tratada como uma espécie de xodó pelos coordenadores do teatro.

”Os moradores freqüentam muito o teatro. E as companhias também adoram representar aqui por causa do espaço para ensaio e porque o acesso é muito fácil ao público devido ao Metrô”, comenta a coordenadora do João Caetano, Ciça Barbosa, lembrando que no inverno deste ano também foi promovida uma Campanha do Agasalho, na qual foram recolhidas 500 peças de roupa de boa qualidade, incluindo blasers e blusas de cashmere.

Clube e hospitais

Para quem gosta de esporte, uma ótima pedida é o Centro Esportivo Ibirapuera Mané Garrincha, na rua Pedro de Toledo, próximo à Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) e ao prédio do Tribunal de Contas do Município. O clube possui quatro salas com equipamentos de ginástica, piscinas, quadras de tênis e um ginásio poliesportivo, em que jogos de vôlei, futsal e basquete se alternam ao longo do dia. Também conta com um ateliê para aulas de pintura, inglês e espanhol e um parquinho para crianças feito em parceria com o Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), outra referência no bairro. O Mané Garrincha é aberto à população e encaminha os adolescentes mais aptos para o Centro Olímpico, instalado ao lado, que trabalha na formação de atletas profissionais.

O Hospital do Servidor Público Estadual, administrado pelo Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual (Iamspe), é um megacomplexo hospitalar, responsável pelo atendimento de pelo menos 40% dos três milhões de servidores públicos estaduais, prestando 80 mil consultas ao mês e mais de mil cirurgias ao mês.

A maior parte dos pacientes do Iamspe é formada por idosos, que chegam a 70% do contingente atendido. Dessa maneira, a instituição desenvolve ações como o Programa de Atendimento ao Idoso (PAI), em que se procura proporcionar bem estar físico e mental aos idosos com atividades que incluem uso de uma mini-panificadora e aulas de inglês, dança, alongamento e pintura. O espaço deixa os idosos tão à vontade que eles preparam até um sopão, como forma de colocar seus dotes culinários em prática.

Outro foco é o público adolescente, que recebe atendimento de prevenção por meio do Grupo Especializado em Adolescência (GEA), voltado a prevenir o uso de drogas, a gravidez precoce e a obesidade, e dar informações a respeito do mercado de trabalho. O Iamspe desenvolve ainda o Programa Prevenir, em que uma equipe de profissionais da saúde vai até o local de trabalho dos funcionários públicos para encaminhá-los a exames preventivos, como já ocorreu na Febem e no Instituto Butantã. Também há programas para preparação do parto, de controle da diabetes, da hipertensão arterial, asma grave, alergia e diversas outras ocorrências.

Outro hospital referência na Vila Mariana é o Dante Pazzanese, especializado em cardiologia, instalado num moderno prédio na área do Ibirapuera. Na esfera da solidariedade, o bairro sedia a Casa Hope, uma ONG dedicada à criança com câncer. Próximos à Casa Hope, estendendo-se pelos corredores das ruas Rio Grande, Álvaro Alvim e Joaquim Távora, encontram-se uma série de barzinhos, a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e a Escola de Belas Artes, que dão uma atmosfera universitária e jovial àquela parte do bairro.

Transformações

Dividindo-se entre o histórico e o moderno, as casas de vila e os prédios verticais de luxo, os antigos e contemporâneos institutos de educação, a Vila Mariana ainda preserva algumas curiosidades, como o marco centenário situado na esquina das ruas França Pinto com Domingos de Moraes, e que aponta a distância para Pinheiros e Santo Amaro. Descendo um pouco mais a França Pinto, chega-se à barbearia do Seu Chiquinho, aquele que acompanhou boa parte das transformações da Vila Mariana ao longo do século XX. “Na década de 20, quando passava um carro, a gente corria na janela pra ver, porque o resto eram charretes”, relembra Seu Chiquinho, que pegou ainda a fase em que os tropeiros atravessavam a rua Vergueiro em direção ao Porto de Santos.

O barbeiro só corta o cabelo dos seus clientes ao som de música erudita. Seu Chiquinho contabiliza que, ao longo de 77 anos de profissão, foram 600 mil cortes de cabelo. “Pretendo trabalhar até os 100 anos, com saúde”, diz ele.

Defronte à barbearia, no outro lado da calçada, está plantada há 100 anos uma árvore, da espécie Nogueira Canadense, para a qual Seu Chiquinho aponta com orgulho. Afinal, na rua, só ela tem mais tempo de história do que ele.

História essa que exala até o antigo Matadouro Municipal, que funcionou de 1854 a 1927, e onde há 12 anos está instalada a Cinemateca Brasileira, numa área cedida pela Prefeitura. Dois dos três galpões foram reformados mantendo o estilo original do matadouro. Em um deles funciona a área de documentação, que inclui materiais privados, como os do cineasta Glauber Rocha, e uma biblioteca rica em títulos da área cinematográfica.

O outro galpão foi aproveitado como sala de exibição, que preza por filmes e debates que estejam à margem do cinema comercial, mas que nem por isso radicalizem o aspecto alternativo. “É uma boa seleção de filmes, mas que não chega a ser filme búlgaro dos anos 40, o que traz uma boa freqüência”, explica o diretor-adjunto da Cinemateca, Lauro Ávila Pereira, calculando que de 2003 para 2004 a freqüência aumentou 40%. Para melhor atender ao público, o terceiro galpão está sendo restaurado, numa parceria com a Petrobras e o BNDES, para ser transformado em uma nova sala de cinema.

Preservação

São impressionantes o trabalho e os equipamentos para restauração e preservação dos filmes nacionais, que representa a principal tarefa da cinemateca. Assim, quatro depósitos climatizados armazenam 200 mil estojos de filmes. No setor de restauração, técnicos especializados manuseiam equipamentos de última geração, como uma Máquina Dixi, utilizada para digitalização de filme de películas. Numa das salas, está sendo restaurada toda a obra do cineasta Joaquim Pedro de Andrade, diretor de filmes como O Padre e a Moça, Macunaíma e Garrincha, Alegria do Povo.

Tendo à frente o diretor-executivo Carlos Wendell de Magalhães, a cinemateca foi aprovada por profissionais da Alemanha para sediar, em abril do ano que vem, o Congresso da Federação Internacional de Arquivos de Filme, o primeiro a ser realizado no Brasil. Participa, ainda, do circuito da Mostra Internacional de São Paulo, e desenvolverá projetos direcionados a estudantes e professores – por meio do Cinema Escola – com capacidade para atender a 27 mil alunos.

Não bastassem todos esses equipamentos, a Vila Mariana ainda tem o privilégio de sediar no seu território o Parque do Ibirapuera, passagem obrigatória de todo paulistano ou não que deseje desfrutar de lazer natural no meio da vida urbana da cidade. Aí, já é uma nova história...


  • Copyright
  • SAC