PARQUES MUNICIPAIS



Fotos: Joca Duarte / SVMA


Os 106 Parques Municipais de São Paulo são um patrimônio da cidade e uma ferramenta para a preservação da biodiversidade. O parque também é um espaço de educação ambiental, oferecendo cursos e oficinas. Há outras opções para seus visitantes, como atividades de lazer, prática de esporte e apresentações culturais, mas sua vocação é ofertar espaços contemplativos, trilhas, lagos e paisagens naturais. Os parques podem ser:

Urbanos - estão situados dentro da cidade e se caracterizam por proteger trechos de mata dentro do perímetro urbano. Possuem um sistema próprio de administração, portaria, zeladoria e proteção física ao seu redor (ex.: gradis) e um Conselho Gestor, que é consultivo. Seu foco é a proteção da biodiversidade, mas é possivel usar suas dependências para o lazer.

Lineares - os parques lineares possuem uma função específica, que é proteger as margens de rios e córregos, e podem oferecer alguns recursos de lazer, de acordo com o espaço disponível. Outra característica é ser geralmente aberto (sem gradis) e com pouca ou nenhuma infraestrutura administrativa. 

Naturais - esses parques naturais são Unidades de Conservação (UCs), com o objetivo de proteger e preservar a flora e a fauna silvestre. As UCs podem ser classificadas como Áreas de Proteção Integral (elas ficam 100% fechadas para qualquer tipo de atividade) e as Áreas de Uso Sustentável (que permitem o convívio humano, desde que o manejo seja responsável).

Lixo e Meio Ambiente

Cada munícipe é responsável pela preservação dos parques. Seu uso consciente inclui:

  • Recolher todo o lixo produzido pelo homem para impedir que esses detritos comprometam a fauna;
  • Respeitar as normas de cada unidade;
  • Divulgar na comunidade dicas de conservação da natureza;
  • Ajudar a "zelar" pelo parque, participando de seus Conselhos Gestores;
  • Denunciar no portal 156 toda e qualquer irregularidade observada no parque;

Filmagens e fotos

É claro que o parque é de todos, mas há regras... por exemplo, as filmagens e fotos profissionais precisam ser autorizadas previamente e envolvem um custo, chamado "preço público". O valor arrecadado com essas atividades é enviado para o Fundo Especial de Meio Ambiente (FEMA), que os reverte em projetos ambientais para a cidade. Essas filmagens de cunho comercial e/ou acadêmico são tratados pela SPCine (clique aqui para saber mais).

Há um setor da SVMA que recepciona os pedidos de eventos ou fotos nos parques (clique aqui). Basta preencher o formulário eletrônico, que os responsáveis poderão informar se sua atividade é ou não cobrada.