O emprego industrial na cidade de São Paulo no decênio 2006-2016

Entre 2010 e 2016 a indústria paulistana perdeu mais de 130 mil postos de trabalho e diminuiu sua participação no total de empregos

O Informe Urbano n. 36, elaborado pela Coordenadoria de Produção e Análise de Informação (Geoinfo), da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL), estuda o emprego na indústria de transformação na cidade de São Paulo, no período 2006-2016, com base nos dados das Relações Anuais de Informações Sociais (RAIS) do Ministério do Trabalho. No período, no país e na cidade, foi interrompida a trajetória crescente do nível de emprego formal em todas as atividades econômicas, sendo o setor secundário o mais atingido pela crise.
Na cidade de São Paulo, o nível de emprego na indústria de transformação cresceu até o ano de 2010, quando iniciou a queda vertiginosa de 500 mil para 370 mil empregos, menor patamar de todo o período. Além da queda em números absolutos, o emprego industrial perdeu participação no total do emprego da cidade, caindo de 15,3%, em 2010, para 9,7%, em 2016; também perdeu participação no emprego industrial do Brasil, saindo de 7,5%, em 2006, para chegar a 5,5%, em 2016. Dentre todos os ramos da indústria de transformação, apenas o farmacêutico, altamente concentrado, formado por grandes empresas multinacionais, com tendência mundial de crescimento, conseguiu manter o nível do emprego formal no decênio 2006-2016.

Acesse o estudo na íntegra