Áreas de risco no município de São Paulo

O estudo apontou um forte contraste entre as áreas de risco geológico e as demais áreas do município, quer seja no modo de parcelamento e ocupação do solo, quer seja no padrão socioeconômico de seus moradores, mesmo na comparação com áreas próximas, indício relevante das iniquidades existentes na distribuição territorial da infraestrutura urbana paulistana.

 A Coordenadoria de Produção e Análise de Informação – GEOINFO acaba de lançar mais um número da série Informes Urbanos, agora apresentando uma caracterização das áreas de risco no Município. São Paulo possui uma área de aproximadamente 14,6 km² ocupada por populações submetidas a situações de risco geológico, conforme indicado em mapeamento de áreas de risco em encostas e margens de córregos realizado no ano de 2010 pela Prefeitura em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT.

O presente estudo traça um quadro conciso das principais características urbanísticas encontradas nas áreas de risco identificadas no mapeamento mencionado e as compara com dados provenientes do Censo Demográfico 2010 do IBGE, quanto às características urbanísticas do entorno dos domicílios recenseados.

As análises elaboradas neste estudo evidenciam forte contraste entre as áreas de risco geológico e as demais áreas do município, quer seja no modo de parcelamento e ocupação do solo, quer seja no padrão socioeconômico de seus moradores, mesmo na comparação com áreas próximas, indício relevante das iniquidades existentes na distribuição territorial da infraestrutura urbana paulistana.

Acesse o estudo na íntegra