A dimensão Educação do IDH-M na cidade de São Paulo

A dimensão educação foi a que mais cresceu entre 2000 e 2010, entretanto, persistem as baixas taxas de escolarização entre os jovens da periferia.

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento – SMUL, por meio da Coordenadoria de Produção e Análise de Informação – GEOINFO, publicou mais um Informe Urbano, dessa vez sobre o comportamento dos componentes da dimensão educação do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), em 2010, no município de São Paulo.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) é uma medida sintética do desenvolvimento humano em escala local, sendo composto por três dimensões: longevidade, educação e renda. O Informe Urbano anterior (nº. 29) já havia justificado a possibilidade de nova publicação, com um olhar mais detalhado para a dimensão educação.

Aquele estudo apontou que, apesar de mostrar um crescimento expressivo entre 2000 e 2010 a dimensão educação do IDH-M paulistano manteve-se em patamar inferior às demais dimensões na escala de valores do IDH-M. Este indicador reflete a desigualdade socioterritorial no acesso à educação existente no município, sendo que as menores taxas estavam distribuídas na periferia. O índice mais baixo foi obtido pela subprefeitura de Parelheiros, que alcançou 0,610. Já a subprefeitura de Pinheiros foi a que apresentou o maior valor, computando 0,885.

A dimensão educação do IDH-M é composta pela combinação entre o fluxo escolar da população jovem e a escolaridade da população adulta. O indicador de fluxo escolar da população jovem acompanha a população em idade escolar em quatro momentos: crianças de 5 a 6 anos frequentando a escola; jovens de 11 a 14 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental regular; jovens de 15 a 17 anos com ensino fundamental completo; jovens de 18 a 20 anos com ensino médio completo. A escolaridade da população adulta, por sua vez, é medida pelo percentual da população de 18 anos ou mais de idade com ensino fundamental completo.

Em 2010 os melhores resultados foram obtidos no grupo de crianças de 5 a 6 anos, sendo que 93% destas frequentavam a escola. O percentual de jovens de 11 a 14 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental regular era de 73,40%. O índice de jovens entre 15 a 17 anos com ensino fundamental completo era de 68,92%.

No município de São Paulo cerca de metade da população entre 18 e 20 anos não havia completado o ensino médio, e este é o indicador mais baixo entre todos os avaliados. Apenas Vila Mariana e Pinheiros possuíam índice superior a 70%. Na outra extremidade da tabela, nas subprefeituras de Parelheiros e Cidade Tiradentes, menos de 35% da população na citada faixa etária possuía ensino médio completo.

Quanto à escolaridade da população adulta, 68% possuía ensino fundamental completo. Destacou-se que quase 90% dos adultos residentes nas subprefeituras de Pinheiros e Vila Mariana possuíam ensino fundamental completo, enquanto em Parelheiros esse valor era inferior a 50%.

Acesse o estudo na íntegra