Quantitativos

Resíduos coletados no município

COLETA DOMICILIAR COMUM E SELETIVA

A coleta domiciliar comum se manteve estável nos últimos cinco anos. Já a coleta seletiva, em 2020 atingiu o maior número de residuos coletados já registrados, com aumento de 17,4% em relação ao ano anterior. 

Em análise dos dados no período da quarentena em 2020 – de março a dezembro, os resíduos provenientes da coleta seletiva aumentaram em 20%, quando comparados ao mesmo período de 2019. Ao todo, no mesmo período em 2019, foram coletadas 61.4 mil toneladas de resíduos na coleta seletiva, já em 2020, foram coletadas 73.3 mil toneladas – uma variação de 11.8 mil toneladas a mais.

Estima-se que esses números podem estar ligados a uma maior adesão dos paulistanos à reciclagem durante o período de pandemia, levando em consideração uma possível maior geração de embalagens e de refeições realizadas em casa. A autarquia também entende que a maior adesão dos paulistanos à reciclagem está ligada as iniciativas da Prefeitura em educação ambiental.

No começo da pandemia, as pessoas estavam em casa, houve a expansão das compras on-line, delivery de alimentos, e isso gerou um grande aumento de recicláveis. Com a volta da rotina de atividade externas para muitas pessoas, esse volume de recicláveis coletados diminuiu. Ao mesmo tempo, aumentou o número daqueles que comercializam estes materiais, pois muitos com o seu próprio carrinho entram na rota da coleta seletiva e recolhem o material para poder vender, por isso observamos uma grande redução os dois últimos anos 2021 e 2022.

 

 

 

RESÍDUOS DE SAÚDE

Nos últimos quatro anos, a média de resíduos de saúde (RSS) coletados em grandes geradores - locais que geram mais de 20kg por dia, foi de 33.6 mil toneladas/ano. Já em 2020, houve um crescimento de 10% em relação ao período anterior.

Os pequenos geradores de resíduos de saúde (RSS) são caracterizados por estabelecimentos que geram até 20kg de resíduos por dia. Trata-se de clínicas de saúde, veterinária, odontológicas, estúdios de tatuagem, estética, entre outros. Em 2019 foram coletadas 9.1 mil toneladas de resíduos - cerca de 23% a mais que em 2016. Já no último ano de 2020, houve uma diminuição de 174 toneladas, cerca de 1,9% a menos.



 

 

 ECOPONTOS

Os Ecopontos são locais de entrega voluntária de pequenos volumes de entulho (até 1 m³), grandes objetos (móveis, poda de árvores, etc.) e resíduos recicláveis.

Comparado os últimos quatro anos, de 2016 a 2019, foram registrados um aumento de 56% de resíduos. Já no último ano de 2020, foram coletadas 373.2 mil toneladas de resíduos. Em 2020 também foram inaugurados 11 novos ecopontos.

A adesão aos ecopontos reflete significativamente na diminuição de pontos viciados de descarte irregular. 
   

 

BOCA DE LOBO 

Nos anos de 2016 e 2017 a quantidade de resíduos retirados bocas de lobo permaneceram estáveis, registrando 12.4 mil toneladas. Já em 2018, foram coletadas cerca de 9 mil toneladas de resíduos. Em outubro de 2018 a Prefeitura trabalhou na sétima edição do Plano Chuvas de Verão que aconteceu entre o dia 15 de outubro de 2018 e o dia 31 de março de 2019 na cidade de São Paulo. Neste período foram recolhidos cerca de 5.624 mil toneladas de resíduos de boca de lobo e foram realizadas 1.231.659 operações de limpeza de Bocas de Lobo/ Bueiros.

Em 2019, a Prefeitura intensificou os serviços de zeladoria na capital e com isso, foram coletadas mais que o dobro de resíduos do ano anterior. No último ano de 2020, foram 15.4 mil toneladas de resíduos – uma variação de -1.3%