Dermatose Ocupacional

DVISAT - COVISA

Definição
Toda alteração das mucosas, pele e seus anexos que seja direta ou indiretamente causada, condicionada, mantida ou agravada por agentes presentes na atividade ocupacional ou ambiente de trabalho (ALI, 2001).

 

Causas

  • Causas indiretas ou fatores predisponentes;
  • Causa diretas: são constituídas por agentes biológicos (bactérias, fungos, leveduras, vírus e insetos), físicos (radiações não-ionizantes, calor, frio, eletricidade), químicos (1. Irritantes → cimento, solventes, óleos de corte, detergentes, ácidos e álcalis). 2. Alérgenos → aditivos da borracha, níquel, cromo e cobalto como contaminantes do cimento, resinas, tó- picos usados no tratamento de dermatoses); existentes no meio ambiente e que atuariam diretamente sobre o tegumento, quer causando, quer agravando dermatose preexixtente (BIRMIN-GHAM,1998).


Diagnóstico

Quadro clínico: História de exposição ocupacional, observando-se concordância entre o início do quadro e o início da exposição, bem como a localização das lesões em áreas de contato com os agentes suspeitos.

Melhora com afastamento e piora com o retorno ao trabalho.

A identificação das substâncias alérgenas (para fins de diagnóstico e para prevenção de novos contatos e reexposição) pode ser auxiliada pelos testes epicutâneos ou patch tests.

A inspeção do local de trabalho pode nos fornecer dados importantes sobre as condições em que o trabalho é executado.

Agentes potencialmente irritantes ou alergênicos poderão ser identificados e o modo como estes entram em contato com o trabalhador.

Avaliação da necessidade de afastamento (temporário ou permanente) do trabalhador da exposição, do setor de trabalho ou do trabalho como um todo. Esse procedimento poderá ser necessário mesmo antes da confirmação do diagnóstico, diante de uma forte suspeita.

 

 Principais dermatites ocupacionais

  • DermatiTes de contato por irritantes (DCI)
  • Dermatites Alérgicas de contato forte (DAC)
  • Dermatites de Contato com Fotossensibilização
  • Ulcerações
  • Urticária de Contato
  • Erupçõesacneiformes
  • Discromias
  • Distrofias Ungueais
  • Câncer Cutâneo Ocupacional

 

Prevenção/Investigação

  • Todos os casos suspeitos devem passar por inspeção nos ambientes de trabalho para correção e/ou eliminação da fonte geradora de riscos à saúde dos trabalhadores.
  • Realizar ações de vigilância epidemiológica, visando à identificação de outros casos, por meio de busca ativa na mesma empresa ou no ambiente de trabalho ou em outras empresas do mesmo ramo de atividade na área geográfica.
  • Indentificar os problemas ou danos potenciais para a saúde, decorrentes da exposição aos fatores de riscos identificados.
  • Orientar e informar os trabalhadores e empregadores
  • Adotar medidas para eliminação ou redução da exposição aos fatores de risco e de promoção e proteção da saúde do trabalhador.
  • Adotar sistemas de trabalho e operacionais seguros, por meio da classificação e rotulagem das substâncias químicas segundo propriedades toxicológicas e toxicidade;
  • Implantação e manutenção de sistemas de ventilação local exaustora adequados e eficientes, capelas de exaustão, controle de vazamentos e incidentes por meio de manutenção preventiva e corretiva de máquinas e equipamentos e monitoramento sistemático dos agentes agressores;
  • Utilização de EPI, especialmente óculos e máscaras adequadas a cada tipo de exposição, de modo complementar às medidas de proteção coletiva.

 

Notificação

Os casos diagnosticados devem ser notificados:

  • Ao SUS, na Ficha de Notificação do SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação);
  • À Previdência Social, por meio da CAT (Comunicação da Previdência Social);


Fonte

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolos de Complexidade Diferenciada: Dermatoses Ocupacionais, nº 9. Brasília, 2006

 

Clique para abrir os documentos: