Tratamento Supervisionado de Tuberculose Garante Maior Chances de Cura da Doença

O assunto foi o principal tema de evento em SP

VII Encontro de Tuberculose da Cidade de São PauloDia 24 de Março é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose e, em comemoração à data, o Programa de Controle da Tuberculose, da Coordenação de Vigilância em Saúde (COVISA) organizou no último dia 18, o VII Encontro de Tuberculose da Cidade de São Paulo.

Neste ano, o assunto principal foi sobre o tratamento supervisionado, estratégia recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa melhorar a adesão do paciente ao tratamento, aumentando as chances de cura e diminuindo o risco do aparecimento de casos resistentes aos medicamentos.

O evento, que teve a presença de aproximadamente 300 pessoas, discutiu a situação atual da tuberculose e divulgou as ações e avanços no controle da doença no município. Em 2009, na capital, foram descobertos 5.836 casos novos.

Ao final das palestras, foi realizada cerimônia para premiação das unidades de atendimento, de vigilância, laboratórios e unidades prisionais que conseguiram melhor desempenho nas atividades de controle. Com isso, a organização do evento visa incentivar o aprimoramento dos profissionais e unidades que trabalham com o programa.

 

Tuberculose 

É uma doença contagiosa causada pelo Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis), que ataca principalmente os pulmões e que, na quase totalidade dos casos, tem cura se o tratamento for feito de forma adequada pelo tempo mínimo de seis meses. Atualmente recomenda-se a ingestão diária do medicamento, de forma supervisionada, pelo profissional de saúde, na unidade de saúde ou no domicílio. A doença é grave, levando à morte os pacientes não tratados. Quando o tratamento não é completado, o paciente pode desenvolver a tuberculose com bacilos resistentes à medicação básica. Nesse caso, o tempo de tratamento é maior e maiores são as dificuldades para a cura, podendo levar à morte.

Transmitida pelo ar, a tuberculose causa tosse, acompanhada ou não de escarro. Pela característica da tosse ser prolongada, os programas de controle da doença estipulam que tosse há mais de três semanas pode ser tuberculose, facilitando assim a identificação do doente através do exame de escarro. Outros sintomas, como falta de apetite, emagrecimento, dor no peito, suores noturnos, cansaço e febre baixa (geralmente no fim da tarde), também podem estar presentes.

 

CONFIRA AS FOTOS DO EVENTO

 

VEJA TAMBÉM

 

  • Campanha Estadual de Tuberculose Premia Capital Paulista

O município de São Paulo foi premiado pelo seu desempenho durante a Campanha Estadual de Busca de Casos de Tuberculose (de 01 a 12 de março de 2010) por alcançar a meta de 87,2% de casos identificados. Durante esse período da campanha, foram interrogadas 564.804 pessoas, sendo identificadas 5.861 com sintomas respiratórios (1%) e examinadas 4.016 pessoas.

 

 Clique no link acima para ver a matéria na íntegra.