Tira-dúvidas sobre vacinação infantil contra Covid-19

Saiba mais sobre público elegível, o que levar ao posto de vacinação e contingente a ser vacinado

Nesta quarta-feira (20), com o início da vacinação de crianças na faixa etária dos 3 e 4 anos contra a Covid-19, a imunização infantil na capital entra em uma nova fase, que deve proteger uma população de 313 mil crianças. Veja a seguir um tira-dúvidas sobre a vacinação infantil na cidade de São Paulo.

Que públicos estão sendo vacinados dentro da faixa etária dos 3 e 4 anos?
Inicialmente, estão sendo vacinadas crianças com comorbidades, deficiência permanente (física, sensorial ou intelectual) e indígenas. Crianças de 3 e 4 anos sem comorbidades ou deficiência podem ser inscritas nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para recebimento de doses remanescentes. A inscrição deve ser feita na unidade próxima à residência ou escola da criança, e os responsáveis devem apresentar documentação com endereço e telefone para convocação.

O que são comobidades?
As comorbidades são um conjunto de causas que agravam uma doença e, dessa forma, podem piorar um quadro clínico de Covid-19.

LEIA TAMBÉM: O que são comorbidades e quais são elegíveis para a vacina da Covid-19

Quantas crianças estão aptas a tomar a vacina contra a Covid-19 na cidade?
Na faixa etária dos 5 aos 11 anos, a primeira a começar a ser vacinada (desde 17 de janeiro), o público elegível é de 1.083.159 pessoas. De acordo com o Boletim Vacinômetro, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), da última terça-feira (19), a cobertura vacinal nesta faixa etária é de 93,9% na primeira dose e 73,1% na segunda dose.

O que os pais ou responsáveis devem fazer para vacinar os filhos contra a Covid-19?
Devem se dirigir à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima e apresentar documento de identificação (preferencialmente com CPF) do menor, além da carteira de vacinação. Para comprovação das condições de saúde, em caso de comorbidade ou deficiências, é necessário apresentar comprovante da condição, como receitas ou relatórios físicos ou digitais, desde que haja identificação do paciente, CRM com carimbo do médico e na validade de dois anos de emissão. Para crianças com deficiência, também é válido o cartão de gratuidade no transporte público da capital.

Existem restrições ou prazos a serem observados para a vacinação das crianças contra outras doenças previstas no calendário infantil?
De acordo com determinação do Ministério da Saúde, não existe mais a necessidade de observar prazos entre a aplicação da vacina contra a Covid-19 e outras vacinas do calendário infantil, como poliomielite, tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, DTP (difteria, tétano e coqueluche), entre outras aplicadas nas UBSs. Sendo assim, a criança poderá atualizar sua carteirinha vacinal contra outras doenças, caso haja necessidade.

Para saber mais, acesse a página Vacina Sampa.