Curso de Cinema na Mário: História do Cinema

com Marcelo Lyra

Curso em cinco aulas que visa estudar a evolução da linguagem cinematográfica por intermédio dos principais filmes, dos irmãos Lumiére e, principalmente, Méliès e Griffth a Coppola, Tarantino, passando por todos os movimentos cinematográficos importantes, do expressionismo alemão e neo realismo ao dogma 95, passando pelo Cinema Novo, até a era do cinema digital.

Curso teórico baseado em cenas importantes de cada um dos principais diretores do cinema mundial e seus filmes, de modo a propiciar ao aluno o entendimento de toda a evolução do cinema, desde Méliès, até diretores como Orson Welles, Charles Chaplin, Eisenstein, Fritz Lang, Hitchcock, Glauber Rocha, Vitorio de Sica, Antonioni, Ingmar Bergman, Federico Fellini, Akira Kurosawa, Stanley Kubrick, Francis Coppola, Steven Spielberg, Martin Scorsese, e Quentin Tarantino, entre outros. Também são analisados os principais movimentos cinematográficos, como o expressionismo Alemão, o Neorrealismo Italiano, a Nouvelle Vague e o Dogma 95, bem como os brasileiros Cinema Novo e Cinema Marginal. No final, aborda-se os novos rumos da era digital, com os super efeitos especiais de Exterminador do Futuro 2, Matrix e a interação com personagens digitais de Harry Potter, Senhor dos Anéis etc.

Marcelo Lyra
Formado em jornalismo pela PUC-SP, Marcelo Lyra cursou as disciplinas de roteiro, montagem, crítica de cinema e de história da crítica, na Escola de Comunicação e Artes da USP. Atua na área de cinema desde 1999. Foi crítico de cinema do jornal O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde, além de ministrar cursos de história do cinema, cinema brasileiro e outros, em espaços como Museu da Imagem e do Som (MIS), Espaço Itaú de Cinema e Cinesesc. É autor do livro “Cinema Como Razão de Viver”.

Aula 1) A era do cinema mudo e a montagem (1895-1928)
Os primeiros passos dos irmãos Lumiére e as descobertas de Meliés, o surgimento dos enquadramentos, da montagem. O desenvolvimento da arte de falar por imagens, Griffth, o criador da linguagem cinematográfica moderna. Charles Chaplin, Buster Keaton. A força visual do expressionismo alemão. O surgimento das técnicas de montagem, iluminação e enquadramento. O cinema soviético e o gênio de Eisenstein.

Aula 2) Surgem os gêneros: anos 30 e 40.
A chegada do som, o filme de gângster, os filmes de terror, diretores alemães do Expressionismo migram para Hollywood e ajudam a criar o film noir. A revolução de Cidadão Kane. O cinema europeu do pós guerra, a força do novo cinema italiano: Neo Realismo.

Aula 3) Anos 50: O filme B, Sci Fi e a expansão da tela.
O Filme B se firma e lança novos diretores. Surge como gênero a Ficção Científica, que reflete a paranoia da Guerra Fria. de manipulação do espectador. A expansão da tela com os formatos largos do Cinemascope e a novidade dos efeitos 3D. Grandes diretores como Fellini, Bergman, Kurosawa e Misoguchi.

Aula 4) Anos 60 (1): Novos movimentos sacodem a linguagem.
A Nouvelle Vague francesa Godard e Truffaut, bem como sua influência no mundo. No Brasil o Cinema Novo e Cinema Marginal fazem história.

Aula 5) Anos 70 até 2000: os independentes da Nova Hollywood e o blockbuster. A era digital
A evolução de Woody Allen. Independentes como Altman, Coppola, e Scorsese revolucionam a linguagem, enquanto a indústria se firma com blockbusters como Tubarão e Star Wars, que dominam o imaginário POP.

O cinema digital revoluciona a sétima arte. Nos dois extremos, o contraponto entre a simplicidade estética defendida pelo movimento Dogma 95 e a sofisticação técnica dos efeitos digitais, Matrix. Personagens digitais tornam-se atores, como em Harry Potter.

Datas do curso: Às terças 14, 21, 28 de agosto e 04 de setembro, às 19h

Local: Auditório- 1º andar

Não é necessário fazer inscrição.
Distribuição de senhas com 1h de antecedência.
Entrada Gratuita