19/12/2011 11h00

Share

Cidade de São Paulo passa a ter novos serviços de limpeza pública

Novo modelo proporciona mais dinamismo e intensifica a fiscalização dos serviços

A partir do próximo dia 16, São Paulo vai ganhar um novo modelo de limpeza pública que marcará um conceito inovador na prestação desse serviço na capital, em que o objetivo é manter a cidade cada vez mais limpa. São Paulo passará a ser dividida em duas áreas, sudeste e noroeste. A divisão é idêntica à adotada na contratação do serviço de coleta de lixo domiciliar.

Além da varrição, que passará a ser feita também aos domingos em locais de grande fluxo, e da remoção de entulho ou grandes objetos, os serviços de fornecimento e manutenção de lixeiras, a operação, manutenção e remoção dos resíduos dos Ecopontos e a limpeza e desobstrução de bueiros e bocas de lobo, passarão a ser feitas por dois consórcios que venceram a licitação promovida pela Secretaria de Serviços e atuarão em áreas distintas.

O novo modelo também inclui os serviços complementares de lavagem e conservação de logradouros e monumentos, capinação e pintura de guias. As empresas serão ainda responsáveis pelas Operações Cata-Bagulho, que percorrem os bairros recolhendo grandes objetos. Os 46 Ecopontos em funcionamento atualmente, que são locais para entrega de entulho e inservíveis, ficarão abertos de segunda à sábado, das 6h às 22h, e aos domingos das 6h às 18h.

As prestadoras deste serviço deverão disponibilizar à população 150 mil novas lixeiras, todas confeccionadas com material reciclável e equipadas com cinzeiro. Cada uma delas será identificada com chip ou código de barras que facilite sua identificação, através de leitura ótica, que possibilitará a fiscalização por parte da Prefeitura da sua manutenção e higienização. Serão três tipos diferentes de lixeiras de acordo com o padrão urbanístico do seu local de instalação.

Em locais de grande movimento serão empregadas máquinas varredeiras, que aspiram a sujeira. Também serão instalados 1.500 novos pontos de entrega voluntária de materiais recicláveis (PEV´s) em áreas e prédios públicos e outros locais de grande circulação. De imediato serão 10.800 pessoas e cerca de 660 veículos para a realização dos serviços indivisíveis de limpeza urbana em cerca de 7.800 quilômetros de vias por dia em São Paulo. As empresas também terão a liberdade de implantar novas tecnologias e métodos de ação que otimizem os serviços, mantendo a cidade limpa.

Outra novidade será o uniforme dos colaboradores que contará com proteção à raios solares UV em 50% de sua composição. Todas as vestimentas terão a cor verde cítrica na parte superior (até a altura do tórax), além de contar com faixas reflexivas, proporcionando segurança. Na parte inferior (abaixo do tórax) dos uniformes os varredores e as equipes dos serviços complementares usarão a cor verde bandeira, em substituição ao laranja. Já as equipes de limpeza de bueiros, também conhecidos como bueiristas, utilizarão a cor cinza, enquanto os motoristas estarão vestidos com a cor azul também na parte inferior.

Uma das primeiras ações dos novos contratos será um mutirão de limpeza de bueiros e bocas de lobo nas áreas baixas da cidade com maior incidência de alagamento, visando se antecipar ao período crítico de chuvas. Serão mais de 180 pontos nas regiões baixas e próximos à bacia hidrográfica da capital.

Com todos esses serviços agregados em um contrato, será possível fiscalizar e punir com mais facilidade empresas que não realizem a limpeza com a qualidade necessária. A fiscalização continuará sob responsabilidade das 31 subprefeituras e a avaliação dos munícipes poderá influenciar na remuneração das empresas de limpeza. Em casos de maus serviços, o contrato poderá inclusive ser cancelado. A avaliação mensal dos serviços, feita pelas subprefeituras, será disponibilizada no site da Prefeitura para conhecimento de toda população quanto ao desempenho das empresas.

A região do agrupamento Noroeste, que contempla 13 subprefeituras, será atendida pelo consórcio São Paulo Ambiental e a região do agrupamento Sudeste, que contempla 18 subprefeituras, será atendida pelo consórcio SOMA – Soluções e Meio Ambiente.

São Paulo Ambiental atuará nas subprefeituras: Butantã; Casa Verde; Freguesia do Ó; Jaçanâ/Tremembé; Lapa; Mooca; Penha; Perus; Pinheiros; Pirituba/Jaraguá; Santana/Tucuruvi; Vila Maria/Vila Guilherme e Sé.

SOMA – Soluções e Meio Ambiente atuará nas subprefeituras: Aricanduva/Formosa; Campo Limpo; Capela do Socorro; Cidade Ademar; Cidade Tiradentes; Ermelino Matarazzo; Guaianases; Ipiranga; Itaim Paulista; Itaquera; Jabaquara; M’Boi Mirim; Parelheiros; Santo Amaro; São Mateus; São Miguel; Vila Mariana e Vila Prudente.

Como funcionava

Desde novembro de 2006 o serviço é realizado por cinco empresas (Sustentare, Construfert, Unileste, Paulitec e Delta) divididas em cinco áreas diferentes da cidade. São contemplados serviços de varrição de vias públicas (praças, sarjetas, calçadões, calçadas com grande fluxo e vias com feiras livres), serviços complementares (lavagem de vias e feiras livres, limpeza de monumentos, limpeza de descartes inapropriados, entre outros), além da capinação de sarjetas e pintura de guias. Já a instalação de lixeiras, limpeza de bocas de lobo, operação cata-bagulho e administração dos Ecopontos ficava sob a responsabilidade das 31 subprefeituras.