Barra de Impressão

Secretaria Municipal da Saúde


Início - Secretarias - Saúde / Vigilância em Saúde


Tuberculose: MOBILIZE!

.

 

Para a redução e controle da tuberculose no Município, a COVISA – Coordenação de Vigilância em Saúde, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, participa anualmente, da celebração do Dia Mundial de Combate a Tuberculose – 24 de março - com o objetivo de informar a população sobre a doença.

O enfoque está direcionado à tosse, o principal sintoma da tuberculose pulmonar, incentivando pessoas com tosse há mais de três semanas (sintomático respiratório) a procurar um posto de saúde para fazer o exame do escarro.

 

Com a identificação e investigação do sintomático respiratório, espera-se um aumento na detecção dos casos de tuberculose. O tratamento de maior número de doentes, precocemente diagnosticados, contribui para a redução do contágio e dos índices de mortalidade da doença.

 

A previsão é de que essa mobilização estimule o comparecimento da população às unidades de saúde.

 

Veja a programação do município:

  • CAFÉ.COM. TB

Objetiva implementar a adesão ao tratamento supervisionado entre os pacientes de tuberculose, fortalecendo os vínculos do paciente com os profissionais de saúde e familiares. O CAFÉ.COM. TB será realizado em algumas unidades de saúde.

  • UBS Pari
  • UBS Brás
  • UBS Boracea
  • UBS Se

 

  • Encontro de parceria com a Pastoral da Criança e o Programa de Controle da Tuberculose e Hanseníase da Cidade de São Paulo. Evento realizado na Igreja Sagrada Família – Ipiranga, em 12 de março.
    Objetiva fortalecer a parceria com as lideranças da Pastoral da Criança da Arquidiocese de São Paulo, Diocese de Campo Limpo, Diocese de Santo Amaro e Diocese de São Miguel Paulista com as interlocuções dos respectivos programas, coordenadorias e supervisões de vigilância regionais para agilização da descoberta, diminuição do estigma e apoio ao tratamento.
  • Parceria do Programa de Controle da Tuberculose e Área Técnica de Infecção Hospitalar / CCD/ COVISA: Encontro de atualização com os profissionais dos CCIHs dos hospitais municipais, interlocutores de SUVIS, e interlocutores do CCD/COVISA, em 16 de março.
  • Divulgação de vídeo sobre a Tuberculose em todas as TVs das Unidades de Saúde e TVs corporativas.
  • Exposição: SUS para valer! Tuberculose tem cura!  Participação na Exposição itinerante, produzido pela parceria Projeto Fundo Global. De 21 a 25/março: no espaço Cultural CPTM – Estação Brás
  • Momento Saúde: 21/março/2011 Canal Cidadão, canal interno, funciona nas salas de espera das unidades de saúde e transmite conteúdo educativo de promoção à saúde Dra. Naomi Komatsu, coordenadora do Programa de Controle da Tuberculose, estará esclarecendo a população em geral sobre a doença.

 

Assista aqui Vídeo do Fundo Global. ( clique)

Material educativo. Cole em blogs, sites e redes sociais. Divulgue!

 

 

 

 

SAIBA MAIS SOBRE A TUBERCULOSE (TB)


1- Qual o principal sintoma da TB?
 

O principal sintoma é a tosse prolongada por mais de três semanas, com ou sem secreção, que ocorre em quase todos os doentes com tuberculose pulmonar. A confirmação é feita através do exame do escarro, que detecta a presença do bacilo da TB.

 

2- Existe diagnóstico precoce para a TB, a exemplo do auto-exame do câncer de mama?

 

Existe, toda pessoa com tosse prolongada por mais de três semanas deve procurar a unidade básica de saúde e realizar o exame de escarro.

 

3- E quando o resultado do exame for positivo?

 

O paciente é convocado a comparecer à unidade básica de saúde para iniciar imediatamente o tratamento da tuberculose, que é gratuito, dentro do Sistema Único de Saúde - SUS. Após o diagnóstico a medicação deve ser tomada diariamente por seis meses, de forma supervisionada. A consulta médica deve ser pelo menos mensal, com a realização dos exames de escarro todos os meses e outros exames quando necessário.

 

4- E quando a pessoa demora a fazer o exame e o diagnóstico é tardio, corre o risco de morrer de TB?

 

Sim, porque quando o diagnóstico é tardio, a doença se agrava tornando o tratamento mais difícil e deixando seqüelas irreversíveis. Quanto maior for a gravidade e as seqüelas, maior o risco de morte. Mais de dois milhões de doentes morrem de tuberculose por ano em todo o mundo.

 

5- O que acontece, se nesse período de três semanas a pessoa tomar remédio, como xarope para a tosse, por exemplo?

 

Essa pessoa estará perdendo a oportunidade do diagnóstico precoce, e de iniciar o tratamento. A doença quando é tratada a cura ocorre em quase 100% dos casos. Quando o tratamento é feito na fase inicial, os riscos de apresentar seqüelas são menores.

 

6- O que é Tratamento Supervisionado ou (TDO Tratamento Diretamente Observado)

 

É uma estratégia recomendada pela OMS – Organização Mundial de Saúde e adotada pela Secretaria Municipal de Saúde podendo ser feito na UBS ou no domicilio do paciente para aumentar a adesão e, portanto a cura do doente. Consiste na observação da tomada do medicamento por um profissional de saúde, todos os dias por um período mínimo de seis meses, como forma de garantir um tratamento correto e contínuo.

 

Para que o doente não abandone o tratamento, ele recebe alguns incentivos, como auxílio transporte, para facilitar sua ida à unidade de saúde, e a entrega de 1 cesta básica mensal para melhorar sua nutrição durante o tratamento supervisionado.

 

 

7- Por que as pessoas abandonam o tratamento?
 

Um dos principais motivos é que após iniciar o tratamento, o doente melhora dos sintomas e acredita estar curado, interrompendo a medicação e o acompanhamento médico. Outras vezes porque tem dificuldade em tomar a medicação sem a supervisão do profissional de saúde. Por isso no tratamento supervisionado a equipe de saúde pode esclarecer as dúvidas em relação ao tratamento, à doença e apóia–lo nas dificuldades encontradas.

 

8- O que acontece quando o tratamento é abandonado?

 

Ocorre que nos primeiros meses de tratamento somente os bacilos sensíveis são eliminados. Os bacilos resistentes, que não foram eliminados pelos medicamentos, continuam a se multiplicar no organismo e, então, não responder mais aos medicamentos tradicionais.

 

O tratamento da tuberculose resistente exige uma bateria de medicamentos mais agressivos e por um tempo maior de duração, em torno de 18 meses, com índices de cura muito inferiores ao esquema tradicional em doentes tratados pela primeira vez.

 

9- Como se dá o contágio?

 

Da pessoa doente de tuberculose pulmonar para outra pessoa, através das gotículas expelidas pela tosse, fala e espirro. Pessoas que convivem com o doente de TB no local de trabalho, no domicílio ou na escola, especialmente em ambientes fechados, sem ventilação, são as que têm maior chance de contágio.

 

Links:

Fundo Global

Página da Tuberculose do site da COVISA.

 

 


  • Copyright
  • SAC