28/01/2014 17h26

Share

Em audiência pública, Prefeitura de São Paulo apresenta projeto do Hospital de Parelheiros

Mais de 100 pessoas participaram da atividade de apresentação do projeto do futuro hospital, demanda histórica da comunidade

Por Tatiana Ferreira
Fotos: Edson Hatakeyama


“A zona sul é a região da cidade que tem a menor oferta de leitos públicos. Se a cidade de São Paulo oferece cerca de dois leitos para mil habitantes, a zona sul só oferece 0,7”, explicou Filippi Jr

Na noite de ontem (27/01), o teatro Leopoldo Fróes, em Santo Amaro, foi palco da Audiência Pública do Hospital de Parelheiros. Mais de 100 pessoas, entre sociedade civil e governo, participaram da atividade, que reuniu também o secretário municipal de saúde, José de Filippi Jr, os subprefeitos de Parelheiros e Santo Amaro, Adailson de Oliveira e Adevilson Maia, respectivamente, da Coordenadora Regional de Saúde Sul, Tania Zogbi Sahyoun, entre outras autoridades.

Filippi Jr fez uma prestação de contas para os presentes. Apresentou projetos e propostas que estão em andamento nas redes Hospitalar, Emergencial, Atenção Básica e Especializada. O secretário também apontou as melhorias na rede de Atenção à pessoa com deficiência, na saúde mental e na saúde bucal, lembrando inclusive da inauguração do milésimo Centro de Especialidades Odontológicas, ocorrida no último dia 23, no Alto da Boa Vista, em Santo Amaro.

Na sequência foi apresentado um vídeo, elaborado pela Coordenação Especial de Comunicação da Secretaria da Saúde, que explicou como será o futuro Hospital de Parelheiros. Depoimentos da comunidade e imagens do abraço simbólico ao terreno também fizeram parte da apresentação.


Obra é uma conquista histórica dos moradores. Hospital de Parelheiros se soma aos hospitais Santa Marina (Zona Sul), Vila Matilde (Zona Leste) e Brasilândia (Zona Norte) no plano de expansão do número de leitos públicos

Com recursos exclusivos do Governo Federal, o Hospital será construído entre as ruas Euzébio Goghi e Cacual, a um custo estimado de R$ 200 milhões. Localizado em um terreno de mais de 70 mil m², o prédio vai ter 31 mil metros quadrados de área construída. No total, o hospital terá 255 leitos. Serão 41 leitos de obstetrícia e 30 de UTI, além de leitos psiquiátricos.

Serão 10 salas cirúrgicas. O hospital contará ainda com Pronto-Socorro, maternidade, hospital dia, hospital escola, centro de apoio de diagnóstico. Serão contempladas especialidades como clínica geral, pediatria, cirurgia, ortopedia, ginecologia, radiologia, neonatologia, anestesia, entre outros. Filippi confirmou que o hospital oferecerá exames de ressonância magnética.

O prédio também vai contar com total acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida. A preocupação com o meio ambiente é outra premissa do projeto, que vai utilizar o sistema de reuso da água. O hospital também terá estacionamento, bicicletário e um heliponto. As obras devem ter início em julho deste ano. A previsão é entregá-lo à população no primeiro semestre de 2016.

O secretário lembrou ainda que o Hospital de Parelheiros se soma aos hospitais Santa Marina (Zona Sul), Vila Matilde (Zona Leste) e Brasilândia (Zona Norte) no plano de expansão do número de leitos públicos. “A zona sul é a região da cidade que tem a menor oferta de leitos públicos. Se a cidade de São Paulo oferece cerca de dois leitos para mil habitantes, a zona sul só oferece 0,7”, explicou Filippi Jr.

O subprefeito de Parelheiros, Adailson de Oliveira, emocionou os presentes quando em sua fala lembrou os mais de 20 anos de luta para conquistar um hospital para a região.