logo da secretaria da sade

Projetos


Família participante

Em 1984, foi implantado nas enfermarias do HIMJ o “Programa Mãe Participante” , que procura criar condições e incentivar a permanência contínua da mãe (ou outro adulto afetivamente significativo para a criança) ao lado do paciente internado, que antes só recebia visita em horário pré-estabelecido de uma hora por dia.

Em 1990, o programa foi implantado na Unidade de Terapia Intensiva do HIMJ - iniciativa pioneira para este tipo de atendimento no Brasil, tema do trabalho científico: “Implantação do Programa de Mãe Participante na UTI do HIMJ-PMSP” no IV Congresso Brasileiro de Terapia Intensiva Pediátrica, em Belo Horizonte - MG, de 28 de abril a 02 de maio de 1992, quando foi premiado como um dos três principais trabalhos apresentados no Congresso.

Em 12 de outubro de 1990 entra em vigor o Estatuto da Criança e do Adolescente, que em seu artigo Art. 12 estabelece: “Os estabelecimentos de atendimento à saúde deverão proporcionar condições para a permanência em tempo integral de um dos pais ou responsáveis, nos casos de internação de criança ou adolescente.”

Em 2003, foi iniciada parceria com a Fundação ABRINQ e com o Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba – PR, para aprimoramento e sistematização das ações realizadas com as famílias dos pacientes internados. O nome é mudado para “Programa Família Participante”.

Implantação
· Adequação do mobiliário para melhorar conforto do acompanhante junto ao leito hospitalar, inclusive banheiros para acompanhantes
· Adequação de vestiários e banheiros para acompanhantes
· Adequação de áreas de convivência para acolher acompanhantes e das oficinas de treinamento para melhorar as condições de treinamento, palestras e orientações de cuidados domiciliares para após a alta do paciente.

Necessidades de patrocínios e colaborações
· Projeto de reformas
· Material de construção
· Mão de obra para reforma
· Projeto de decoração humanizada
· Poltronas para acompanhante hospitalar
· Móveis para sala de reuniões + equipamento de ensino (quadro de avisos, lousa, armário, mesas, cadeiras, escrivaninha, computador com ligação p/ internet, TV, videocassete e/ou DVD para fins de treinamento e educação).
· Confecção do material didático, como impressos, CDs, “slides”, videos
· Equipamento de mídia, como projetores de multimídia, slides e transparências, televisão, videocassete, DVD e computador com acesso a Internet

INTEGRAR O ISOLAMENTO NA COMUNIDADE

Introdução

  • O Hospital Municipal Infantil Menino Jesus atende crianças e adolescentes até 19 anos de idade, procedentes das diversas regiões da cidade e até de outros municípios e estados (eventualmente até de países vizinhos), que vêm para São Paulo em busca de tratamento especializado. É referência para outras instituições de saúde para doenças complexas. Atende em seu Pronto Socorro e Ambulatório mais de 600 crianças por dia, portadoras das mais variadas doenças, muitas delas que requerendo tratamento clínico ou cirúrgico em regime de internação.
  • O prédio onde funciona o hospital foi tombado pelo Patrimônio Histórico da Prefeitura, porém o tempo acarretou conseqüências inexoráveis. O desgaste físico-estrutural é notório e é um dos entraves ao melhor funcionamento das atividades no hospital. Os problemas ocasionados por este desgaste, obrigam freqüentes interdições de setores do hospital, o que ocorre atualmente com sua enfermaria destinada a doenças contagiosas.
  • Este problema tem solução, mas requer criatividade competência, além de um custo elevado.

Objetivos

  1. Elaborar projeto executivo de engenharia e arquitetura para a reforma da Enfermaria de Isolamento.
  2. Reformar a área física destinada a este tipo de internação, que requer estrutura que permita o isolamento de pacientes portadores de doenças contagiosas, evitando o contágio de outros pacientes e, por vezes, de portadores de deficiências imunológicas, não permitindo que adquiram doenças infecciosas comuns que ocorrem na comunidade.

Localização

  • O Hospital Municipal Menino Jesus está localizado na rua dos Ingleses, 258 – Bela Vista – São Paulo – SP.

Público-Alvo

  • Serão beneficiados recém-nascidos, crianças e adolescentes até 19 anos de idade procedentes das diversas regiões da cidade e até de outros municípios e estados (eventualmente até de países vizinhos), que procuram ou são encaminhados para este Hospital em busca de tratamento especializado e que são portadoras de doenças que necessitam de isolamento.

Participação da Comunidade

  • Projeto arquitetônico e de engenharia,
  • Materiais de construção, mão de obra para reforma (pedreiros, encanadores, eletricistas, etc.), móveis hospitalares (camas, poltronas para acompanhantes, criados-mudos, etc.), instalação de gases medicinais, decoração humanizada.

Contrapartida da Prefeitura

  • Equipe multiprofissional (médicos, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais), todos profissionais especializados no atendimento a crianças e adolescentes.
  • Infraestrutura hospitalar completa (farmácia que fornece remédios e medicamentos, almoxarifado que fornece materiais médico-cirúrgicos, apoio diagnóstico através de laboratório clínico e de diagnóstico por imagem, serviço de hemoterapia, serviço de nutrição e dietética, apoio terapêutico com UTI e centro-cirúrgico).

Benefícios para a sociedade

  • Receber atendimento clínico especializado, para crianças e adolescentes, na área de infectologia, com profissionais gabaritados, com excelência de qualidade, resolubilidade, acolhimento e humanização.