relacoes internacionais

Escultura de León Ferrari é instalada na Biblioteca Alceu Amoroso Lima

Obra é uma homenagem a duas personalidades

O prefeito de São Paulo participou nesta sexta-feira, dia 25, da entrega da escultura do artistas plástico argentino León Ferrari em homenagem ao crítico literário, professor e escritor, Alceu de Amoroso Lima, conhecido por Tristão de Ataíde, membro da Academia Brasileira de Letras. A obra foi reconstruída e instalada na Biblioteca, que leva o nome do intelectual, no bairro de Pinheiros, Zona Oeste.

Acompanharam a cerimônia Alceu Amoroso Lima Filho, filho do homenageado; as netas do  escultor, Anna e Florencia Ferrari, e a bisneta Violeta; Teresita Silva Gonzales Dias, cônsul-geral da Argentina em São Paulo; o subprefeito de Pinheiros, Nevoral Bucheroni, e o secretário-adjunto de Relações Internacionais.

O prefeito disse que a cerimônia prestou uma homenagem a duas figuras que foram exemplares ao longo de suas vidas. "Hoje fazemos o encontro de Leon Ferrari com Alceu Amoroso Lima, personalidades esplêndidas que contribuíram para que tivéssemos um processo cultural muito expressivo em nosso país e na América com brilhantes realizações ao longo de suas vidas", completou.

A escultura foi originalmente instalada no cruzamento da Marginal do Rio Pinheiros com a avenida João Dias em 1983. Em 1990, a obra -  formada por 59 tubos metálicos de 6 metros de altura cada - precisou ser removida para a construção do Complexo Viário João Dias. A previsão era de que a instalação retornasse ao local de origem, mas por causa de problemas de armazenamento e da fragilidade do material, não pôde ser montada. 

Em 2006, quando a Biblioteca Alceu Amoroso Lima tornou-se temática em Poesia, a Secretaria Municipal de Cultura iniciou um processo de recuperação do projeto original para promover a reconstrução da obra, a fim de implantá-la no jardim da biblioteca, que é voltado para a avenida Henrique Schaumann, próximo à Praça Benedito Calixto.

A escultura foi criada pelo artista plástico argentino León Ferrari. O processo de reconstrução contou com a ajuda da neta Anna. Perseguido durante a ditadura militar argentina, Ferrari viveu com parte de sua família em São Paulo, entre 1976 e 1983. O custo total da obra foi de R$ 120 mil, investidos pela Secretaria Municipal de Cultura.

O secretário municipal da Cultura afirmou que esta foi umahomenagem a duas grandes personalidades envolvidas no processo de redemocratização do Brasil e da Argentina. "Este evento celebra o encontro de dois grandes artistas: Leon Ferrari, maior escultor argentino, e Alceu Amoroso Lima, maior intelectual brasileiro de sua geração. Este é o encontro da escultura com a  literatura e poesia, onde a cultura pode ser exercida em um ambiente agradável que celebra a natureza", falou.