Nova etapa do programa Asfalto Novo começa em 1º de março

Na Vila Mariana, serão beneficiadas as avenidas Lacerda Franco e Lins de Vasconcelos e as ruas Afonso Braz, Santa Cruz, Onze de Junho e Vergueiro

O prefeito João Doria anunciou nesta quinta-feira (8) uma nova etapa do programa Asfalto Novo, com investimento de R$ 200 milhões, sendo R$ 45 milhões do Tesouro Municipal, R$ 100 milhões do fundo de multas, R$ 25 milhões da SPTrans e R$ 30 milhões financiados pelo Santander. Nesta nova fase, que começa no dia 1º de março e tem previsão de término em 30 de junho, serão recapeadas mais de 60 vias, num total de 147 km, contemplando todas as Prefeituras Regionais.

"Algumas áreas recapeadas não viam asfalto novo há 35 anos. Esse é um compromisso da cidade de São Paulo e felizmente nós estamos cumprindo graças ao bom trabalho que vem sendo realizado", disse o prefeito.

Na Vila Mariana, serão beneficiadas seis vias: Av. Lacerda Franco (2.240m entre Av. Lins de Vasconcelos e Rua Cel. Diogo), Rua Afonso Braz (960 m entre avenidas República do Líbano e Santo Amaro), Rua Santa Cruz (2.480m entre Rua Domingos de Morais e Av. Ricardo Jafet), Rua Onze de Junho (1.500m entre Rua Domingos de Morais e Av. Rubem Berta), Av. Lins de Vasconcelos (2.240m entre ruas Cel. Diogo e Domingos de Morais), Rua Vergueiro (9.400m entre ruas do Paraíso e Jan Breughel).

Na primeira etapa, foram contempladas duas avenidas: Jabaquara e Ibirapuera. A conclusão da Av. Jabaquara está prevista para o final de fevereiro. Em seguida, começam as obras na Av. Ibirapuera. Todas as guias e sarjetas das vias contempladas também serão reformadas.

Numa exigência da licitação, o asfalto deve durar oito anos, ao contrário dos quatro exigidos anteriormente.

Todo o investimento da SPTrans será para obras de recuperação, manutenção e recapeamento de faixas e corredores exclusivos de ônibus na cidade. Os recursos vêm do Fundo Municipal de Desenvolvimento do Trânsito (FMDT).

Corredores de ônibus

A Prefeitura também está negociando um financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no valor de R$ 450 milhões. O processo de financiamento está em estágio avançado. As secretarias de Serviços e Obras e de Mobilidade e Transportes estão à frente dos entendimentos com o BNDES para liberação dos recursos.

O financiamento vai viabilizar a revitalização completa de sete eixos de corredores de ônibus, vias, faixas e passeios importantes da cidade, incluindo as obras do novo Rapidão, na Zona Sul. Em alguns corredores, o piso asfáltico será substituído pelo piso rígido (concreto).

O Rapidão previsto no projeto é o corredor de ônibus que será implantado na Estrada de Itapecerica, entre o Terminal João Dias e o Terminal Capelinha, na Zona Sul, numa extensão de3,4 km. Ele vai utilizar tecnologia de última geração, com equipamentos e mobiliário para cobrança desembarcada em estações de pré-embarque, onde será realizado o pagamento das passagens. Este modelo mais rápido de embarque e desembarque pode economizar até 20 minutos no tempo de percurso.

Os outros seis eixos viários incluídos no pacote do financiamento são os seguintes:

- Av. Imirim: da Av. Deputado Emídio Carlos até a Alameda Afonso Schmidt (4,6 km);

- Corredor João Dias: recomposição total e piso rígido desde o Terminal João Dias até a Av. Santo Amaro; e desde a Av. Santo Amaro até o cruzamento com a Av. dos Bandeirantes (7 km);

- Av. Interlagos: desde a Av. Washington Luiz até a Av. Atlântica (9 km)

- Estrada do M’Boi Mirim: Rua Ribeiralta e Rua Humberto Marçal, no Jd. Ângela (5 km)

- Av. Amador Bueno da Veiga (5 km)

- Av. Radial Leste: do Centro até o entroncamento com a Av. Aricanduva (7,9 km)

Obras em andamento

A etapa anterior do programa Asfalto Novo, que teve início em novembro de 2017, foi dividida em dois lotes e beneficia 76 vias. O primeiro lote tem investimento de R$ 200 milhões em 147 km de ruas e avenidas. Já o segundo, com investimento de R$ 150 milhões, contempla 110 km de vias. O fim dos trabalhos desta etapa está previsto para 30 de março.

Do total de R$ 350 milhões desta etapa, R$ 210 milhões são do Fundo de Multas, R$ 100 milhões do Tesouro Municipal e os outros R$ 40 milhões investidos pela SPTrans no recape de corredores de ônibus. Foi a primeira vez que se utilizou recursos de multas para obras de asfaltamento.

O Asfalto Novo traz como grande novidade a qualidade superior do asfalto utilizado, que garante o dobro de durabilidade ao recapeamento. Numa exigência da licitação, o asfalto deve durar oito anos, ao contrário dos quatro exigidos anteriormente.

O controle da qualidade já começa na visita às usinas que fornecerão a matéria-prima. Além dos ensaios tecnológicos e laudos fornecidos pelas próprias empresas, a Prefeitura também fará a verificação por meio de uma empresa independente. Mas a durabilidade do asfalto também depende da adequação das guias e sarjetas, que devem estar em boas condições. Para isso, as empresas responsáveis pelo recapeamento terão de fazer sua requalificação e conservação sempre que necessária.