03/04/2017 10h54

Share

Ações de zeladoria são o foco dos primeiros 100 dias da nova administração regional

Balanço deste início de gestão mostra concentração na realização de serviços

Se você costuma circular por Perdizes, Vila Leopoldina, Lapa, Jaguaré, Vila Jaguara ou Barra Funda já deve ter percebido que as ruas estão com menos buracos, os bueiros estão mais limpos e grande parte das árvores que atrapalhavam a fiação elétrica foi podada. A Prefeitura Regional da Lapa, responsável pela administração pública desses seis distritos - que, juntos, abrangem uma área de 40 km2 onde vive uma população de cerca de 300 mil pessoas - focou o trabalho, neste início de gestão, em ações mais emergenciais e que preocupavam os moradores. "Havia, por exemplo, muitas árvores com risco de cair, como o enorme eucalipto da Praça Irmãos Karmann, no Sumaré, ou que estavam danificando a rede elétrica", relata o prefeito regional Carlos Eduardo Batista Fernandes. "Essas árvores precisavam ser podadas ou retiradas rapidamente e priorizamos nossas equipes para realizar esse tipo de trabalho".

Fernandes ressalta que tem circulado pela região e conversado com os moradores para identificar onde essas ações emergenciais de zeladoria são mais necessárias. "A ideia é fazer parcerias com entidades e com a iniciativa privada e dialogar muito com a população, fazendo uma gestão compartilhada e democrática", explica. "Tenho explicado a todos que nossa proposta é aproveitar o conhecimento de cada morador para mapear os problemas e os pontos fortes da cada bairro e proporcionar soluções eficientes e inovadoras, mesmo com poucos recursos financeiros e de efetivo".

O resultado desse esforço conjunto pode ser verificado em algumas das ações já realizadas:

- Primeira grande ação da Prefeitura Regional da Lapa, o mutirão de combate à dengue e ao zica na Vila Leopoldina, realizado dia 4/2, foi uma parceria entre o poder público e a sociedade civil, com o apoio da Associação Viva Leopoldina. Em conjunto com a COVISA - Coordenação de Vigilância em Saúde da prefeitura, agentes comunitários abordaram os moradores e distribuíram à população material para orientação na prevenção dessas doenças. Além da operação contra dengue, foi realizado um mutirão de saúde, limpeza, zeladoria e cata bagulho na região. Na área próxima ao Ceagesp, onde há grande concentração de população de rua, foi feita ação em parceria com a Secretaria de Assistência Social, que abordou os moradores oferecendo alternativas de acomodação e auxiliando na limpeza dos canteiros e praças atualmente usados por eles. No quadrilátero entre as avenidas Mofarrej e Queiróz Filho, rua Carlos Weber e parte da City Lapa foram realizados serviços de zeladoria - como pintura de guias e sarjetas, tapa buracos e corte de grama - e limpeza.
A população também pôde deixar objetos para descarte em frente às suas casas, que foram recolhidos pelos caminhões da operação cata bagulho.

- Logo nas primeiras semanas da nova gestão, a Avenida Sumaré, um dos principais corredores da Zona Oeste, recebeu uma "faxina completa" como parte da Operação Cidade Linda, da prefeitura. A Regional Lapa realizou, em sistema de mutirão, operação tapa buraco, conserto de bueiros, varrição e limpeza da avenida e pintura das guias, além de poda de árvores no canteiro central. O serviço teve início no cruzamento com a Avenida Antártica e foi até o final da Sumaré.

- Em 11/3, a Regional realizou o evento Lapa em Ação - Saúde Adorada, em conjunto com o Rotary Lapa, Doktors e os apoiadores Drogasil, SPSIGN, ACM Lapa, Jornal da Gente e ASFARLA - Associação das Famílias de Rotarianos da Lapa. O Lapa em Ação realizou 900 testes de diabetes, 534 de hepatite "C" (com seis resultados positivos já encaminhados para tratatamento), 500 medições de pressão arterial, 460 testes de IMC - Índice de Massa Corpórea e 26 de papanicolau. No total, mais de 2.400 pessoas foram atendidas.

- Duas grandes árvores com risco de cair foram removidas na região: o grande eucalipto da Praça Irmãos Karmann, no Sumaré, e o ficus no Cemitério da Lapa, que há mais de 15 anos estava condenado.