SMPED

Acessibilidade no mundo digital e a construção de um ciberespaço inclusivo

Especialista em acessibilidade na web fala sobre os avanços no campo digital e como podemos construir um mundo mais inclusivo

Três pessoas estão dentro de uma sala de informática. Duas delas, apesar de serem cegas, navegam pelo ciberespaço com tranquilidade e rapidez. A terceira faz mestrado em Ciência da Computação e enxerga perfeitamente, mas não consegue acompanhar a velocidade com que seus companheiros interagem no portal digital. A discrepância se dá pelo uso do sintetizador de voz, uma tecnologia assistiva utilizada por pessoas com deficiência visual que reproduz textos e imagens através de uma imitação da voz humana.

Vivenciar esta experiência fez Virgínia Chalegre decidir trabalhar em prol da inclusão digital. Ela uniu-se a Christiane e Tarciana – ambas profissionais da área de tecnologia e com experiência – para fundar, em 2011, a T-access, uma empresa especializada em testes e acessibilidade de softwares, que visa melhorar a qualidade de tais produtos e assim, contribuir para a construção de um mundo cibernético inclusivo: “A bandeira que defendemos é a da acessibilidade para todos. Portanto, se as diretrizes de acessibilidade forem seguidas desde o início dos projetos e os usuários com e "sem" deficiências forem envolvidos nos testes, a plataforma será agradável e fácil de utilizar para todas as pessoas”, destaca Virgínia.

A Organização das Nações Unidas (ONU) considera que desconectar as pessoas da internet é um crime e uma grave violação dos direitos humanos. Isso significa que muitos cidadãos são impedidos de exercer um direito fundamental: o acesso à informação. A falta de conscientização é uma das barreiras para a mudança desta realidade. Além disso, a acessibilidade digital ainda é um assunto invisível - não existe estudos sobre as vantagens para as empresas no fornecimento de informações para os usuários e no âmbito financeiro das instituições. “Evangelizar” ambos sobre a relevância da acessibilidade e da inclusão é a saída apontada por Chalegre: “Muitos clientes estão sendo perdidos pela falta de acessibilidade. Só no Brasil, são em torno de 45 milhões de pessoas com deficiência”, ressalta.

Dentre as ações realizadas pela T-access para construir um mundo mais inclusivo estão: a criação de um guia de acessibilidade; avaliação da acessibilidade do Site Vem Livre Acesso, que é um documento que dá direito a pessoas com deficiência física, visual, auditiva e intelectual a utilizarem o Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife; criação do Caderno de Tecnologias Assistivas e Inclusão para a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco (Seduc) e formação de professores da rede em uma disciplina sobre o tema, e análise de acessibilidade dos materiais disponibilizados no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA).


Conheça o site: http://www.taccess.com.br/