Visitas monitoradas

Saiba como funcionam e venha participar



Os viveiros são abertos à visitação pública e mantêm serviços de monitoria para grupos, mediante agendamento prévio. As visitas têm como objetivo propiciar, através dos aspectos envolvidos na produção de plantas, um contato com a natureza em sua diversidade de formas, cores e cheiros. As trilhas são conduzidas de forma a tornar o passeio bastante instrutivo e agradável. São abordados conceitos ecológicos e diversidade da flora e fauna local.

Informações sobre as visitas monitoradas

Viveiro Manequinho Lopes
Tel: 5572-1004 (UmaPaz – Aventura Ambiental)

Viveiro Arthur Etzel
tel: 2742 8833

DICAS DE VISITA NO  VIVEIRO MANEQUINHO LOPES

ESTUFA 03 (clique e veja fotos da estufa)

A Estufa 3 passou por um processo de revitalização no final do ano de 2009 e foi aberta ao público em janeiro de 2010 como parte dos festejos do aniversario de 456 anos da cidade de São Paulo.

De formas clássicas e estrutura diferenciada das demais estufas do Viveiro Manequinho Lopes, essa estufa foi pensada para ser uma ferramenta histórico-educativa, compondo o roteiro de visita monitorada do viveiro.

Visando contemplar a historia do próprio viveiro, foi criado um cenário representando a forma produtiva do final do século XIX e início do século XX, com o envasamento das espécies utilizadas para os jardins públicos e praças, como azaléias, buxinhos, roseiras, entre outras e também representando esse período vê-se a utilização dos vasos de cerâmica, que de forma mais artesanal poluíam menos não utilizando o plástico e também reutilizando os mesmos para um novo plantio.

Foi pensando nas questões ambientais atuais que se criou a exposição de espécies da Mata Atlântica, que representa um dos biomas mais degradados do país, que por sua vez tem uma grande importância para a manutenção da grande biodiversidade brasileira.

Ela possui grande variedade de espécies e estratos, podendo ser observada a serra pilheira (folhas secas na cobertura do solo), sub-bosque com plantas herbáceas e epífitas (bromélias e orquídeas) e as árvores em sua forma de pequeno bosque, onde se destacam as pioneiras (embaúba e guapuruvu) e as secundárias como o pau-brasil e o palmito Jussara.

Vale a pena observar durante a visita a estufa os detalhes que a fazem tão significativa histórica e ambientalmente, como por exemplo, a caldeira que era utilizada para aquecimento da estufa durante o período de inverno, pois a cidade tinha um inverno mais rigoroso e também o material utilizado para regar as plantas, como regadores antigos, que compõem a cena do local de trabalho ali representado.