Chuvas de Verão: Prefeitura lança aplicativo e compartilha dados com Defesa Civil do Estado

Objetivo do Plano Chuvas de Verão (PCV) é integração de órgãos para evitar os transtornos provocados pelas chuvas fortes, como alagamentos, escorregamentos e quedas de árvores

 

Foto: Heloisa Ballarini/Secom

A Prefeitura de São Paulo apresentou nesta quarta-feira (29) as ações do Plano Chuvas de Verão (PCV) e lançou o aplicativo SP + Segura, que servirá para trocas de informações entre a população e o governo municipal. Além disso, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) vai compartilhar dados com a Defesa Civil do Estado para informações por SMS, pelo telefone 40199.

"Estamos colocando à disposição da população uma ferramenta importante pra segurança pública, sobretudo nesse período de chuvas, pois vamos saber o que acontece, no momento e no horário em que acontece e, ao mesmo tempo, informando a população sobre as ocorrências e o que pode acontecer na área em que a pessoa mora", explicou o secretário de Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira.

O PCV integra 11 secretarias municipais e órgãos do Governo do Estado em ações para evitar os transtornos provocados pelas chuvas fortes, como alagamentos, escorregamentos e quedas de árvores. Todas as ações serão coordenadas conjuntamente durante 24 horas no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Luz.

A iniciativa conta com sete ações operacionais e outras estruturantes, como obras de drenagem e canalização. Dentro das ações operacionais, haverá o aumento de cinco para 14 das equipes de resposta que atuam junto ao Corpo de Bombeiros em ocorrências consideradas críticas e a mobilização 24 horas das equipes das Prefeituras Regionais.

O plano também contempla ações conjuntas envolvendo o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil Estadual, Polícia Militar, Polícia Civil, Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), Empresas Metropolitanas de Transportes Urbanos (EMTU), Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e AES Eletropaulo.

Para o verão de 2017/2018, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), órgão da Prefeitura que monitora as condições climáticas da cidade, prevê um verão com chuvas dentro da média histórica para cada mês. São esperados 193 milímetros de chuva em dezembro,256,5 mm em janeiro,219,2 mm em fevereiro e 177,2 mm em março.

A Prefeitura conta com a ajuda da população para minimizar os riscos trazidos pelos alagamentos, muitas vezes causados pelo descarte irregular de lixo na cidade. “Fica aqui o meu apelo para que a população não jogue lixo na rua e nem deposite nas calçadas restos de móveis, dejetos e itens que você queira descartar. Telefone para a Prefeitura Regional, existem áreas de descarte e de recolhimento em dias e horários marcados. Se você tratar a cidade com educação, teremos menos enchentes nas chuvas de verão”, disse o prefeito João Doria.

As sete medidas operacionais são:

1) Doação de duas bombas do DAEE

A Prefeitura Regional de São Miguel Paulista contará com duas bombas de água que foram doadas pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), órgão ligado ao Governo Estadual. Os equipamentos irão auxiliar o escoamento da água nos casos de alagamentos, principalmente no Jardim Helena e na Vila Itaim.

2) Aumento das Equipes de Respostas (ER), de 5 para 14

No último verão, a Prefeitura criou cinco equipes de respostas que atuam 24 horas por dia, 7 dias por semana, saindo junto com o Corpo de Bombeiros em direção aos locais de ocorrências críticas. Neste ano, serão 14 equipes, compostas cada uma por três profissionais treinados e um veículo.

As ERs irão atuar na linha de frente nos atendimentos que possam causar risco à integridade física, danos ao patrimônio e ao meio ambiente. Atuarão, por exemplo, em atividades de desobstrução de vias, ocasionadas por quedas de árvores, escorregamentos, enchentes/inundações e outras ocorrências que possam potencializar uma situação de criticidade.

Com a coordenação operacional feita na Vila Mariana, as Equipes de Respostas estarão em bases montadas nas regiões de Pirituba, Jaçanã, Santana, Jabaquara, Guarapiranga, Água de Haia, Catumbi, Penha, São Miguel Paulista, Guaianases, Consolação, Pinheiros, Butantã e Lapa, podendo se deslocar para os principais pontos de ocorrências na cidade.

3) Integração do telefone da Defesa Civil (199) com a Central 156

Com o objetivo de ampliar a capacidade de atendimento à população, o telefone da Defesa Civil foi integrado à Central 156, possibilitando que mais atendentes possam fazer o registro de ocorrências nas áreas responsáveis.

4) Mobilização 24 horas das equipes das Prefeituras Regionais, principalmente em áreas mais vulneráveis

As equipes técnicas das Prefeituras Regionais estarão à disposição da população 24 horas por dia. Elas serão responsáveis pela interlocução entre a Defesa Civil e a central do Centro de Controle Operacional Integrado (CCOI), que monitora 24 horas por dia as ocorrências da cidade, tanto por meio de informações registradas pelas Prefeituras Regionais, quanto as que são repassadas por outros órgãos, como o Corpo de Bombeiros, Companhia de Engenharia e Tráfego (CET), São Paulo Transportes (SPTRANS), Guarda Civil Metropolitana (GCM), Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), Defesa Civil, entre outros.

Além disso, as 32 Coordenadorias Distritais da Defesa Civil (CODDEC), localizadas nas Prefeituras Regionais, também irão apoiar a ação. A região da Vila Itaim também contará com um posto avançado da Defesa Civil para emergências.

5) Disponibilização do serviço de informação, por SMS, pelo telefone 40199, compartilhado entre Estado e Município

Uma parceria com a Defesa Civil do Estado permitirá que o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) compartilhe com o órgão informações sobre alagamentos, escorregamentos e alertas emitidos a respeito das chuvas na cidade. Como o sistema não utiliza a tecnologia de smartphones, pessoas com celulares mais simples poderão ser abastecida de informações sobre as regiões que frequentam. O SMS funciona com base no CEP informado pelo morador no cadastramento.

6) Aplicativo SP + Segura

O lançamento do aplicativo “SP+Segura” visa ajudar a população da cidade de São Paulo no período das chuvas de verão para informar e receber notificações de ocorrências referentes às chuvas. O aplicativo funciona por geolocalização do usuário e informa a situação no local em que ele está.

O aplicativo também permitirá que demais acontecimentos na cidade, como pichação, maus-tratos aos animais e vandalismo, sejam informados. Em tempo real, o usuário cadastrado poderá enviar texto, foto ou vídeo para relatar qualquer tipo de ocorrência. A novidade ainda conta com a opção de ligar e acionar o órgão público, como a GCM e a Defesa Civil. Este é o primeiro aplicativo com foco na segurança e prevenção à criminalidade.

7) Integração da Cruz Vermelha ao Plano Chuvas de Verão

A filial de São Paulo da Organização Não Governamental Cruz Vermelha Brasileira será o ponto central de voluntariado desta ação, com a responsabilidade de captar e gerir voluntários e as doações materiais, em casos de emergência. Mais de 500 voluntários poderão ser mobilizados, caso seja necessário.

Trânsito

A partir do estado de atenção, acionado pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), os agentes da CET são realocados para pontos estratégicos do sistema viário para realizar ações de canalização do tráfego, bloqueios de vias, monitoramento dos desvios implantados e remoção de veículos de situação de risco. Ao todo, a operação contará com 689 agentes de trânsito e 251 veículos nos horários de pico.

Ao ser informada sobre os alagamentos, a CET faz os ajustes nas programações semafóricas e os agentes de trânsito são direcionados para locais estratégicos para monitorar e efetuar os bloqueios necessários das vias.

Semáforos

O monitoramento dos semáforos será feito pela central Bela Cintra, pela central semafórica, pelas equipes de campo e por meio da parceria do Waze, onde os usuários podem alertar sobre os problemas encontrados.

Quando existe a informação de falhas nos semáforos, é feito o acionamento da equipe de manutenção para fazer a correção do problema. Para agilizar os trabalhos foi criado neste ano o programa “Semáforo Expresso”, que conta com eletricistas em motos para solucionar os casos mais simples nos cruzamentos da capital. Ao todo, são cinco motos da equipe de sinalização e 20 motocicletas da equipe de Operação Estratégica. Eles entram em operação para solucionar também falhas mais simples nos semáforos. E, em grandes corredores com falhas semafóricas, elas atuarão nos cruzamentos na orientação do trânsito até a conclusão da manutenção do semáforo.

Plano Chuvas de Verão

Com vigência de 1º de dezembro de 2017 a 31 de março de 2018, podendo ser prorrogado conforme as condições climáticas, o plano está dentro das diretrizes da nova Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº 12.608/2012) e vai fortalecer a cultura permanente do gerenciamento destes riscos, que é essencial para que a população tenha melhores condições para enfrentar o período de chuvas deste próximo verão.

Para a organização deste PCV, desde setembro um Grupo Técnico Operacional foi formado para estudar e alinhar as principais ações do PCV, sempre com o objetivo de aprimorar a capacidade de resposta das equipes e estimular novos canais para a comunicação com o cidadão.

Esse grupo também tem a função de apoiar e dar suporte técnico-operacional à Coordenação Geral no processo de gestão do plano, além de acompanhar aos demais envolvidos no processo de operacionalização. Conforme o andamento do PCV, outros órgãos poderão ser envolvidos.

Faça o download da apresentação do secretário José Roberto (SegurançaUrbana): https://we.tl/H14bXU807X

 

Fonte: Secom