Habitação

Prefeitura entrega Conjunto Habitacional Jardim Edite II

O empreendimento beneficiará 68 famílias com moradia, creche, UBS e restaurante escola no entorno

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Habitação, entregou as obras de urbanização do Conjunto Habitacional Jardim Edite II, no bairro do Brooklin, na Zona Sul, nesta terça-feira (8). Os barracos instalados ao lado da Ponte Estaiada deram lugar a um conjunto referência na política habitacional, com área de lazer e equipamento público no entorno. Com esta entrega, a gestão conclui a urbanização do Jardim Edite.

O secretário municipal de Habitação, Fernando Chucre, reforçou durante o evento que as famílias estão sendo beneficiadas com obra do Conjunto Habitacional Jardim Edite II, que tem recursos originários da Operação Urbana Água Espraiada. “Além desse conjunto, nós trabalhamos para garantir os recursos das outras 970 unidades que estão em construção. Não podemos nos esquecer das famílias que aguardam uma oportunidade, como a que vocês estão recebendo aqui, de ter suas moradias de maneira digna, com equipamentos de qualidade”, finalizou.

Secretário Fernando Chucre lembra que mais famílias também precisam ser atendidas e que o trabalho por recursos deve continuar

O secretário adjunto de Habitação, Gilmar Souza Santos, destacou a importância do apoio e confiança dos moradores com o trabalho da secretaria. “Nós buscamos resgatar o orgulho que as pessoas têm de viver em São Paulo. Hoje são 68 famílias sendo atendidas, mas nós vamos continuar com o nosso trabalho para que a igualdade seja feita e ela só se realiza com oportunidades”, concluiu.

Durante seu pronunciamento, o prefeito anunciou algumas surpresas aos moradores. Em parceria com a construtora Kallas, a Prefeitura irá oferecer para todos os apartamentos a instalação de chuveiros elétricos, geladeira e fogão.

"Sempre com o apoio do Governo Federal, do Governo Estadual e o belo trabalho da Secretaria da Habitação da cidade de São Paulo, pretendemos dar sequência ao programa de habitação popular e, a partir de agora, com uma novidade: todos os apartamentos terão chuveiros elétricos instalados, fogão e geladeira novos", declarou.

Apartamentos foram entregues com chuveiro elétrico, geladeira e fogão.

A construção do Jardim Edite II faz parte de um acordo para a extinção de uma ação civil pública movida pela Defensoria Pública para abrigar 68 famílias remanescentes da favela Jardim Edite I, que optaram por morar no local e não foram atendidas na primeira etapa do empreendimento. Em 2012 e 2013 foi entregue o primeiro conjunto composto por 252 unidades habitacionais e equipamentos institucionais, que também atenderão as famílias do Edite II com Unidade Básica de Saúde (UBS), creche com vaga para 160 crianças e restaurante escola.

O edifício teve as obras iniciadas em outubro de 2015, é constituído por 68 apartamentos distribuídos no térreo e em mais 13 pavimentos. Os apartamentos têm área equivalente a 50m² compostos por sala, cozinha, área de serviço, banheiro e 2 dormitórios. Todos com ventilação cruzada e iluminação natural em suas fachadas. As unidades adaptadas apresentam auxílio à acessibilidade de acordo com a NBR 9050. O conjunto também conta com área de convívio coletivo composto por playground, mini quadra poliesportiva, salão de lazer coberto, áreas verdes com bancos de estar e espaço para bicicletas ou motos.

Definido como um projeto de interesse social, o Jardim Edite vai além da proposta de melhoria da condição de vida dos ex-moradores dos assentamentos precários que ocupavam o local. O projeto permitiu, também por meio de equipamentos públicos previstos no entorno, a integração social entre as habitações construídas e a rica vizinhança – o cruzamento das avenidas Engenheiro Luís Carlos Berrini e Jornalista Roberto Marinho.

A entrega atual irá resultar no atendimento definitivo de 320 famílias (252 uhs Edite I e 68 uhs Edite II). Somadas às demais famílias oriundas da favela Jardim Edite, atendidas em outros empreendimentos na região, o número total de beneficiados com as obras é 667 famílias. São 4.965,31 metros quadrados de área construída com investimento de R$ 9.054.713,34, sendo R$ 5.049.586,34 da Operação Urbana Água Espraiada e o restante com recursos municipais.

O prefeito João Dória foi recebido pelo secrtário municipal de Habitação, Fernando Chucre, e pelo secretário adjunto, Gilmar Souza Santos

Legado de luta
A quadra poliesportiva recebeu o nome de “Gerôncio Henrique Neto” em homenagem à luta na comunidade pelo morador.

Gerôncio Henrique Neto, pedreiro e líder comunitário, nasceu no dia 08 de maio de 1942, na cidade de Santana do Ipanema, no Estado do Alagoas. Estudou até a 3ª série do ensino fundamental e se tornou leitor ávido de leis, regulamentos e livros, principalmente sobre as cidades e o direito à moradia, debatendo com vereadores, urbanistas, estudantes de arquitetura, lideranças comunitárias, entre tantos outros.

Após deixar a seca do sertão alagoano, na década de 1960, mudou-se para a cidade de São Paulo, indo morar na comunidade do Jardim Edith no Bairro do Brooklin, que não era regularizada.

A região que chegou a ser um brejo, com o passar dos anos se tornou nobre, aumentando a especulação imobiliária e a pressão para que a comunidade deixasse o local.

As primeiras remoções dos moradores da comunidade começaram nos anos 1970, mas sempre firme, Sr. Gerônimo foi o principal protagonista para que não houvesse mais remoções de moradores na comunidade. Após muita resistência, consegui incluir em 2002 a área como ZEIS – Zona Especial de Interesse Social, na Lei da Operação Urbana Água Espraiada, a primeira a utilizar o Estatuto da Cidade, e posteriormente no Plano Diretor do município de São Paulo.

Em abril de 2008, combinando determinação, articulação política e muita mobilidade popular, garantiu através de um acordo na Justiça a suspensão das remoções e a construção de 274 apartamentos para famílias carentes em uma das esquinas mais caras da capital paulista: o entroncamento das avenidas Engenheiro Luís Carlos Berrini e Jornalista Roberto Marinho.

Sr. Gerôncio em visita ao terreno onde seriam iniciadas as obras do Conjunto Habitacional Jardim Edite I

O acordo Judicial incluía, além das moradias, equipamentos sociais como a construção de uma UBS - Unidade Básica de Saúde, uma Creche e um Restaurante Escola.

Vítima de um atropelamento, quando retornava de em encontro para arrecadar brinquedos para crianças carentes em 2015, chegou a ser hospitalizado, mas não resistiu. Sr. Gerônimo faleceu aos 73 anos, no dia 16 de Setembro de 2015. Deixou esposa, seis filhos e nove netos.

Em seus últimos dias, lutava pela construção de outros 68 apartamentos para famílias da baixa renda, o atual Conjunto Habitacional Jardim Edite II, entregue nesta terça-feira (8).
A luta se tornou referência para outras comunidades que ainda hoje em suas reuniões levam cartazes com a frase: “Seu Gerôncio presente”.

Visita às obras já em andamento, onde Sr. Gerôncio esteve sempre presente

Sempre buscando o melhor para a cidade de São Paulo, Sr. Gerôncio atuou como Conselheiro da Habitação e Saúde no Orçamento Participativo, foi representante Titular no Grupo Gestor da Operação Urbana Água Espraiada, entre outros.

A comunidade do Jardim Edith, com suas moradias e seus equipamentos sociais, se tornou um exemplo na capital e é referência para estudantes de engenharia, arquitetura e urbanismo de várias cidades do Brasil e do Exterior.

Durante a cerimônia de entrega do Conjunto Habitacional Jardim Edite II, os familiares do senhor Gerôncio subiram ao palco para receber a homenagem durante a cerimônia. Os moradores presentes comemoraram a recordação e agradeceram a iniciativa. Segundo a companheira e esposa, Coralina da Silva Neto, “ele lutou por toda a comunidade até o final de sua vida e essa data de entrega do Conjunto Habitacional Jardim Edite II seria um motivo de muito orgulho”, afirmou.

Gerôncio Henrique Neto deixou um legado de luta para sua família e toda comunidade

 

VEJA O ÁLBUM DE FOTOS COMPLETO: acesse

Fotos: Secom