Logo - Cultura

Cine Olido homenageia SP com filmes que contam a história da cidade

Seleção de filmes inclui curtas-metragens da série 'História dos Bairros de São Paulo', realizada com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura

Share/BookmarkCompartilhe

Em 25 de janeiro, a cidade de São Paulo celebra 457 anos, com uma extensa programação cultural espalhada pela cidade. O Cine Olido, localizado na Galeria Olido, apresenta, sob a curadoria de Alex Andrade, a mostra "Cidades de São Paulo", que traz uma seleção de filmes que se passam na capital paulista, entre eles São Paulo Sociedade Anônima, de Luiz Sergio Person, além de uma seleção de curtas-metragens da série “História dos Bairros de São Paulo”, produzida com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura.

Além dos curtas-metragens que enfocam especificamente um determinado bairro, serão exibidas outras produções também patrocinadas pela Secretaria Municipal de Cultura. Na série “Crônicas da Cidade”, o espectador confere o resultado de um edital homônimo que originou curtas-metragens de até 5 minutos que captam instantes representativos da cidade, como no caso do filme dirigido por Eliane Caffé, que retrata uma academia de boxe em funcionamento embaixo do viaduto Alcântara Machado.

Serviço: Mostra Cidades de São Paulo (curadoria: Alex Andrade). Galeria Olido – Cine Olido (236 lugares). De 25 a 30 de janeiro. Ingresso: R$ 1 (meia-entrada R$ 0,50). Classificação etária: 12 anos.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

SÃO PAULO SOCIEDADE ANÔNIMA
(São Paulo, 1965, pb, 107 min)
direção: Luiz Sérgio Person
elenco: Walmor Chagas, Darlene Glória, Eva Wilma, Ana Esmeralda
Grande painel sobre o impacto das transformações sociais e econômicas na cidade de São Paulo provocadas pelo surto da implantação da indústria automobilística no Brasil, sob a ótica de um indivíduo em ascensão. Após casar-se, ter amantes e progredir socialmente, unindo-se a um empresário do setor automobilístico, ele entra em crise e tenta abandonar sua carreira e sua vida conjugal.
Dia 25/1, às 15h


O HOMEM QUE VIROU SUCO
direção: João Batista de Andrade
elenco: José Dumont, Célia Maracajá, Ruth Escobar, Denoy de Oliveira
A história segue Deraldo, um poeta popular nordestino recém chegado a São Paulo, onde tenta sobreviver de sua poesia e folhetos. Confundido com o operário de uma multinacional que mata o patrão, é perseguido pela polícia e perde sua identidade e condição de cidadão.
Dia 25/1, às 17h


CIDADE OCULTA
(São Paulo, 1986, cor, 75 min)
direção: Chico Botelho
elenco: Arrigo Barnabé, Carla Camurati, Cláudio Mamberti, Celso Saiki
Cidade Oculta é uma aventura violentamente urbana, passada na noite paulistana e conta a história de um marginal Anjo, sua namorada Shirley Sombra, misto de estrela de shows e bandida, o velho companheiro Japa e finalmente o arquivilão, um policial corrupto conhecido como Ratão.
Dia 25/1, às 19h30

O PRISIONEIRO DA GRADE DE FERRO
(São Paulo, 2004, cor, 123 min)
direção: Paulo Sacramento
O sistema carcerário brasileiro visto de dentro: um ano antes da desativação da Casa de detenção do Carandiru, detentos aprendem a utilizar câmeras de vídeo e documentam o cotidiano do maior presídio da América Latina.
Dia 30/1, às 17h

SÉRIE “HISTÓRIAS DOS BAIRROS DE SÃO PAULO”

PROGRAMA 1 – CAPELA DO SOCORRO, CAPÃO REDONDO, JABAQUARA

Capela do Socorro - o balneário paulista
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Pedro Gorsky
A história da região é contada a partir da construção da represa de Guarapiranga, em 1906.
Jabaquara - terra dos contrastes
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Francisco César Filho
Por meio de depoimentos e material de arquivo, o documentário mostra a evolução do bairro do Jabaquara. Fica perceptível como a chegada do metrô transformou a localidade em um centro urbano repleto de contrastes.
Capão Redondo - sintonia da quebrada
(São Paulo, 2006, cor, 26’)
direção: Camilo Tavares
História do bairro que se transformou num dos mais populosos de São Paulo. Poesia, direitos humanos, ditadura militar, mutirão de moradia, quilombos, hip hop e cordel são os ingredientes deste filme. Música dos grupos: Samba da Vela e Z'Africa Brasil.
Exibições seguidas, dia 26/1, às 15h


PROGRAMA 2 – SÃO MIGUEL, ITAIM PAULISTA, VILA MATILDE, CIDADE TIRADENTES

Na trilha de São Miguel
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Carla Gallo
Três crianças buscam conhecer o bairro em que vivem. Por meio desse olhar poético é mostrado o tradicional bairro paulistano.
História da Pedra Pequena
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Valdir Boffetti
Documentário histórico sobre o bairro do Itaim Paulista, situado no extremo Leste da cidade de São Paulo. Periferia esquecida até os anos 1970, momento em que passa por um processo de reorganização popular.
Vila Matilde - Zona Leste somos nós
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Ricardo Elias
O diretor faz uma viagem sentimental ao seu bairro de origem. Nessa jornada, ele tem a oportunidade de reencontrar parentes e velhos amigos que relatam a sua experiência de vida na comunidade.
Uma cidade chamada Tiradentes
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Lilian Solá Santiago
A partir da década de 1970, o poder público começa a adquirir glebas de terra no extremo Leste da cidade de São Paulo, a 46km do Centro, numa área rural conhecida como Fazenda Santa Etelvina, exclusivamente para construção de casas populares.
Exibições Seguidas, dia 26/1, às 17h


PROGRAMA 3 – BRÁS, MOOCA, VILA PRUDENTE, LIBERDADE

Brás, sotaques e desmemórias
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Marta Nehring
Adaptação da obra homônima do jornalista Lourenço Diaféria, nascido e criado no Brás. O filme é desenvolvido a partir do ponto de vista de quem cresceu no bairro, somado a uma extensa pesquisa visual e de conteúdo.
Partido Mooca
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Jurandir Müller
Trajetória do bairro mais antigo de São Paulo, fundado em 1556, que também foi palco da primeira greve de trabalhadores no Brasil. Nos depoimentos se percebe o amor que os moradores têm pelas tradições da comunidade.
Vila Prudente
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Alexandre Carvalho
História da vila fundada por italianos. A forte presença de imigrantes do Leste europeu, seu início industrial e a decadência das últimas décadas. Por meio de antigas lendas é mostrado o cotidiano dos seus moradores.
Liberdade
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Mauricio Osaki e Mirian Ou
Num mesmo espaço convivem japoneses, coreanos e chineses, que aqui chegaram para construir ou reconstruir suas vidas.
Exibições seguidas, dia 26/1, às 19h30


PROGRAMA 4 – BOM RETIRO, CAMPOS ELÍSEOS, LUZ, HIGIENÓPOLIS


O Bom Retiro é o mundo
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: André Klotzel
Criado no final do século 19, o bairro foi um abrigo para estrangeiros que vieram se estabelecer em São Paulo. Transformando-se em um pólo econômico dos mais importantes, destaca-se na produção de artigos de vestuários, iniciada pelos imigrantes judeus.
Campos Elíseos
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Flavio Frederico
Utilizando-se de materiais como filmes de ficção, fotos, depoimentos de moradores e urbanistas, o filme recupera a história dessa comunidade que já passou por um período áureo e que hoje enfrenta um clima de decadência.
A cidade que nasce na Luz
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Vinicius Mainardi
O bairro da Luz como ponto de encontro de jovens que vêm da periferia para o centro da cidade.
Higienópolis - um recorte do mundo
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Aurélio Michiles
elenco: Fernando Henrique Cardoso, Denise Fraga, Marina Person, Silvia Poppovic
No final do século 19, dois imigrantes anglo-saxôes, Martinho Buchard e Victor Notham, formaram um grupo empresarial e criaram um dos primeiros bairros residenciais com projeto urbanístico e paisagístico da cidade de São Paulo.
Exibições seguidas, dia 27/1, às 15h
 

PROGRAMA 5 – PERUS, BRASILÂNDIA, PIRITUBA, FREGUESIA DO Ó

Perus, o bairro que construiu o Brasil
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Fausto Fass
Mesmo para quem mora em São Paulo, Perus parece outra cidade. O bairro, protegido por morros e pela Mata Atlântica, é um lugar que tem vida própria e clima de interior.
Distrito Brasilândia e suas histórias
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Daniel Solá Santiago
A Vila Brasilândia nasceu em 1947 e passou a ser distrito em 1964. No princípio, eram chácaras ocupadas por japoneses, italianos, portugueses, espanhóis e húngaros. Com seus 247 mil habitantes, o distrito não possui banco nem hospital.
Terminal Pirituba
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Eduardo Kishimoto
A pedido de uma professora, três alunos saem em busca da história da região. Os jovens passam a freqüentar bibliotecas e a visitar acervos de fotos e documentos. Entretanto, é no contato com seus familiares que percebem que eles próprios fazem parte dessa história.
Freguesia do Ó, cenas de um bairro, histórias de uma cidade
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: André Costa
Crianças e jovens passeiam com câmeras fotográficas pelas ruas da Freguesia do Ó, um dos bairros mais antigos da cidade de São Paulo. Portando fotografias antigas dos lugares, eles se dão conta das transformações na paisagem.
Exibições seguidas, dia 27/1, às 17h


PROGRAMA 6 – JARDIM FELICIDADE, JARDIM SÃO PAULO, VILA MARIA

Felicidade em construção
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Alberto La Peña e Eduardo Ramos
Típico bairro paulistano periférico da Zona Norte, estruturado nos anos 1990, a partir de ocupação de terra por população empobrecida e demandas de serviços não prestados por parte do poder público.
Memórias de um bairro - Jardim São Paulo
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Luiz Adelmo
elenco: Cecília de Paul Safronov e Fausto Fuser
Um avô ajuda sua neta na pesquisa sobre a história do bairro do Jardim São Paulo, na Zona Norte da cidade, fundado em 1938.
Maria e Guilherme, histórias de duas vidas
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Kiko Goifman
Documentários dos habitantes da região, que relatam suas experiências de vida no local. A importância da influência do samba na comunidade é um dos destaques do filme.
Exibições seguidas, dia 27/1, às 19h30
 

PROGRAMA 7 – BARRA FUNDA, VILA MADALENA, PACAEMBU

Barra Funda pede passagem
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Rogério Soares
História do bairro que hoje está em processo de transformação, após um longo período de abandono, descaso e decadência.
Perdizes, as glórias da várzea
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Rudi Bohn
Uma viagem sentimental pelos locais onde a bola corria e uma herança que se perdeu no tempo. Hoje, o bairro é um pólo de concentração de setores da classe média urbana paulista.
Vila Madalena, uma história e seus atores
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Ana Luiza Penna
História do antigo bairro alternativo de São Paulo, hoje centro de entretenimento da cidade, que é contada de forma bem-humorada por meio de recursos de animação e documentário.
Pacaembu, terras alagadas
(São Paulo, 2006, cor, 26 min)
direção: Ari Candido Fernandes
Documentário sobre o bairro que teve sua urbanização e loteamento iniciados pela inglesa Cia. City no início dos anos 1920. Entrevistas, depoimentos e arquivos de personalidades que se envolveram com esse bairro.
Exibições seguidas, dia 28/1, às 15h


PROGRAMA 8 – ACLIMAÇÃO, ANHANGABAÚ, BELA VISTA, CENTRO SÉ


Os tempos da Aclimação
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Alethea Silvestre e Cecília Araújo
Moradores e frequentadores da Aclimação são convidados a interagir por diversos meios de expressão: esporte, escultura, desenho, fotografia, culinária. A artista plástica Mabsa explica as origens do bairro e relembra seu avô, Carlos Botelho, fundador do Jardim da Aclimação.
Vale do Anhangabaú – Sala de Visita de São Paulo
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Dudu Toledo e Sergio Gagliardi
Durante muito tempo o Vale do Anhangabaú foi limite e proteção para São Paulo, mas a partir do século 19 ultrapassá-lo tornou-se um desafio. Essa e muitas outras histórias são contadas e apresentadas em animações, que pontuam momentos marcantes da região.
Bixiga: a Bela Vista do palco brasileiro
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Inês Cardoso
Centro de resistência e vanguarda, as ruas do Bixiga abrigaram uma das paisagens cênicas mais significativas da cultura nacional. Este filme é uma homenagem ao teatro, seus artistas e suas obras. Apresenta depoimentos de Antunes Filho, Cleyde Yáconis, José Celso Martinez, Juca de Oliveira, Maria Alice Vergueiro, Maria Della Costa, Paulo César Peréio, entre outras ilustres personalidades do teatro paulistano.
25 de Março: Caixa Mágica
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Edu Rajabally e Eduardo Ppupo
Um retrato da imigração árabe na região do centro de São Paulo, precisamente nas imediações da rua 25 de março, conhecida por seu intenso comércio. Misturando linguagem documental à ficção, conta com a participação de atores, historiadores e representantes da comunidade árabe que ajudaram a construir a trajetória do bairro.
Exibições seguidas, dia 28/1, às 17h


PROGRAMA 9 – ERMELINO MATARAZZO, GUAIANASES, ITAQUERA, JARAGUÁ

Ermelino é luz
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Pedro Dantas
Ermelino Matarazzo, bairro localizado na Zona Leste de São Paulo, é aqui retratado como um local cuja história de autoconstrução e mobilizações populares contribuiu para o fortalecimento da luta pelo direito à moradia em todo o Brasil.
Guaianases – Expresso Ururaí – Lajeado
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Nereu Cerdeira
O bairro Guaianases decorre de uma estação de trem, numa região inicialmente habitada por índios Guaianás e que passou de paragem para viajantes a fornecedor de tijolos, madeiras, pedras e outras matérias-primas para a construção de São Paulo.
Itaquera em movimento
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Marcelo Caetano
Aborda as transformações ocorridas no bairro com a construção de dois grandes conjuntos habitacionais no início dos anos 80 que trouxeram quase 200 mil habitantes para a extrema Zona Leste. A partir dos depoimentos de cinco personagens, o filme traça o impacto das políticas de moradia e ocupação urbana e de que forma cada morador interfere nestas decisões políticas, reconstruindo o seu entorno a partir de opções individuais.
Jaraguá – Terra sem mal
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Marcelo Caetano
O documentário ressalta a presença de duas aldeias de índios da etnia Guarani ao lado do mais alto pico paulistano, conhecido símbolo da cidade. O filme foi criado a partir de entrevistas com moradores e frequentadores do bairro, alguns indígenas, que constroem a vida do Jaraguá, que foi rota marcada no caminho dos bandeirantes.
Exibições seguidas, dia 28/1, às 19h30


PROGRAMA 10 – LAPA, M’BOI MIRIM, MERCADO MUNICIPAL E PARQUE DOM PEDRO II, PARELHEIROS

Cinzas Eternas – Histórias de paixão pelo bairro da Lapa
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Silvia Wolfenson
Acompanhamos a história de Osmar Bueno de Carvalho, um dos criadores da bandeira da Lapa e participante ativo da vida social e política da comunidade desde 1927. Tendo falecido há nove anos, deixou por escrito seu desejo de que suas cinzas fossem espalhadas por algumas das ruas em que viveu.
M’Boi Mirim – Dos índios, das águas, dos sonhos
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Miriam Chnaiderman
M’Boi Mirim é um nome indígena que significa Cobra Grande. Apresentado por um grupo de índios que já morou na região, mostra as várias facetas do bairro, origem de importantes movimentos sociais na década de 1970 e notório em função da violência nos anos 1980. Rica região de mananciais, a contradição entre a moradia e a preservação dos recursos hídricos é vivida de modo contundente.
Voltas – Histórias do Parque Dom Pedro II e Mercado Municipal
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Rogério Nunes
Sete crônicas se entrelaçam numa narrativa poética sobre o local onde o sinuoso rio Tamanduateí descrevia sete voltas e que hoje compreende a região do Parque Dom Pedro II.
Parelheiros – Extremo Sul
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Wagner Morales
Um ensaio documental sobre o bairro localizado mais ao sul da cidade. Pouco povoado, repleto de personagens e histórias, Parelheiros é o bairro com maior área contínua da capital e é palco de uma sociabilidade rara.
Exibições seguidas, dia 29/1, às 15h


PROGRAMA 11 – PARI, POMPÉIA E VILA ROMANA, SANTA EFIGÊNIA, SANTANA

Doces Lembranças – Histórias saborosas do Pari
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Volmar Malgarin
O cheiro das antigas fábricas de doces que funcionaram durante décadas no bairro impregnou a memória de diversas gerações de famílias aí residentes. É justamente pelo olfato que o documentário Doces lembranças resgata as histórias do Pari, que, com mais de 400 anos de existência, tornou-se uma pequena babilônia portugueses, libaneses, bolivianos, armênios, sírios e italianos misturam-se nesse saboroso bairro.
Pompéia e Vila Romana – A geografia de caminhos diferentes
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Neusa Pereira
Uma viagem pelo tempo para contar a história de Vila Romana e Pompéia, dois bairros da zona oeste de São Paulo marcados pela imigração de italianos no início do século 20. A Pompéia, em acelerado desenvolvimento, com grandes prédios, avenidas, comércio, serviços, em contraste com a bucólica Vila Romana, com suas vilas, casas, varandas e quintais.
Santa Efigênia e seus pecados
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Thiago Mendonça
A história do bairro Santa Efigênia ou Boca do Lixo, o mais importante reduto popular do centro de São Paulo, é o ponto de partida para conhecermos os personagens e a cultura de uma região que está marcada para desaparecer, dando lugar a um grande empreendimento imobiliário.
Santana em Santana
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Ugo Giorgetti
Testemunho de quem nasceu e cresceu em uma Santana e, espantado, vê diante de si algo novo. Busca-se o que restou do antigo bairro e mostra-se, ainda, que é possível, observando com atenção, ver o que era tido como desaparecido. É a procura de Santana em Santana.
Exibições seguidas, dia 29/1, às 17h


PROGRAMA 12 – SANTO AMARO, TATUAPÉ, TUCURUVI, VILA MARIANA

Cititur pelo velho e novo Santo Amaro
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Marcelo Müller
Acompanhados por personagens históricos, representados por atores do grupo Parlapatões, as crianças de uma escola municipal de Santo Amaro passeiam pelos pontos turísticos mais interessantes de seu bairro as margens do rio Pinheiros, a estátua do Borba Gato, o agitado largo 13 de Maio, conhecem poesias de Paulo Eiró e se divertem enquanto aprendem sobre o lugar onde vivem.
Tatuapé, caminho do tatu
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Mario Masetti
Um professor que sabe tudo sobre Brás Cubas, padre Matheus Nunes de Siqueira e outros colonizadores do Tatuapé. Uma vendedora de cachorro quente que sabe tudo sobre Sílvio Romero. Um coveiro que sabe tudo sobre a Quarta Parada. Depoimentos de moradores que sabem tudo sobre seu bairro. E um torcedor de futebol que não sabe onde está. Esses são alguns dos personagens que contam a história de um dos bairros mais importantes da zona leste de São Paulo. O período das chácaras e sítios, os estaleiros, a construção da avenida Radial Leste, os campos de futebol de várzea, as fábricas e o boom imobiliário conduzem os personagens em uma ficção documental.
Tucuruvi: a casa dos ingleses
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Coletivo Gafanhoto Verde
O foco central do filme é a velha mansão no alto do bairro. Até o começo da década de 1980, o casarão ainda estava em pé, mas já apresentava decadência. Sua área foi desapropriada para a construção de uma grande avenida e para o prolongamento da linha norte-sul do Metrô. O velho casarão é hoje exemplo da sanha desenvolvimentista que devora e transforma a cidade.
Vila Mariana – De colônia à República da Vila
(São Paulo, 2008/9, cor, 26 min)
direção: Daniel Solá Santiago
Aborda pouco mais de dois séculos de existência da Vila Mariana, explorando sua fundação, desenvolvimento, instituições, estrutura arquitetônica e paisagística, seus movimentos artísticos e, principalmente, os esforços de preservação do bairro por parte de seus moradores.
Exibições seguidas, dia 29/1, às 19h30


SÉRIE CRÔNICAS DA CIDADE

Altiplano Pari (5 min)
direção: Mauro D’Addio
O curta acompanha as manifestações culturais e folclóricas bolivianas que ocorrem, aos domingos, na Feira de Kantuta, no bairro do Pari.
Cidade Limpa, A lei que pegou (5 min)
direção: Vinicius Mainardi
Enquanto o artista plástico Tony de Marco comenta os benefícios da lei Cidade Limpa, fotos tiradas por ele em abril de 2007 são utilizadas para ilustrar os resultados dessa implantação.
Fatia Paulista (5 min)
direção: Sylvain Barré
Estações do Metrô e o Masp são alguns dos pontos mostrados nesta animação que trata dos subterrâneos da cidade.
O Chapa (5 min)
direção: Tatiana Toffolli
O curta acompanha um dia na vida do ajudante de caminhoneiro que faz a entrega de uma encomenda na periferia.
Samparkour (5 min)
direção: Wiland Pinsdorf
O traceur Zico Corrêa percorre locais emblemáticos da cidade, como Viaduto Santa Ifigênia, Estação da Luz, Masp e Estádio do Pacaembu, praticando parkour (saltos acrobáticos urbanos).
São Paulo além das horas (5 min)
direção: Eliane Coster
Por meio das lembranças de um velho relojoeiro, o curta trata da passagem do tempo na cidade de São Paulo.
Sob o viaduto Alcântara Machado (5 min)
direção: Eliane Caffé
O curta mostra a recuperação dos baixos do viaduto Alcântara Machado, transformado em academia de boxe.
Sonho de Cidade (5 min)
direção: Ana Lúcia Guimarães
Imigrantes nordestinos comentam sobre suas expectativas quando chegaram em São Paulo.
Três Tabelas (5 min)
direção: Tatiana Azevedo
Durante partidas de sinuca, velhos moradores relembram o passado dos bairros da Lapa, Barra Funda e Pompéia.
Tias Baianas Paulistas (5 min)
direção: Gustavo Mello, Eduardo Piage e Luiz Ferraz
Senhoras integrantes das alas das baianas de escolas de samba paulistanas comentam a formação do grupo Tias Baianas Paulistas, que apresenta, mensalmente, na Vila Madalena, shows de samba ao ar livre, acompanhados de feijoada.
Exibições seguidas (duração total: 50 minutos), dia 30/1, às 15h