13/12/2013 11h15

Share

Cineasta discute o mercado audiovisual francês

Prisci La Guedes ministra workshop no dia 14, na Galeria Olido


Prisci La Guedes durante filmagem, em 2013, do documentário "Abrivado",
de Marie Balmelle, na região de Camarga (sul da França)


Por Gabriel Fabri


Exibido recentemente nos cinemas, “Camille Claudel 1915”, de Bruno Dumont, traz a atriz Juliette Binoche no papel da famosa escultora confinada em um hospício. A cineasta brasileira Prisci La Guedes, que foi assistente de iluminação desse filme, irá ministrar um workshop sobre o mercado audiovisual francês, com ênfase nas semelhanças e diferenças com o brasileiro. A aula acontece dia 14, às 17h, no Cine Olido.

Realizada no formato de videoconferência, a oficina focará em questões como as várias etapas e profissões da cadeia produtiva do cinema francês contemporâneo, a tecnologia da imagem na França, a escolha dos equipamentos, as novas tecnologias e as formas diversas do jeito francês de fazer cinema em contraponto com o brasileiro.

Questionada sobre qual seria a principal diferença entre os mercados do audiovisual em ambos países, a cineasta respondeu que essa é uma pergunta complexa e por isso criou o workshop. “Para debater a questão de maneira mais participativa, equilibrando as categorias de ficção, documentário, curtas e longas-metragens, telefilmes, entre outras.”

Prisci afirma que, na França, o cinema tem assumido cada dia mais a era digital e os novos veículos que chegam com ela, ganhando espaço com as novas formas de difusão. “Os franceses têm interesse no modo como o cinema é feito no Brasil, um país visto como em crescimento criativo e com um cinema efervescente”. Admiradora de cineastas contemporâneos, como Claire Denis e Leos Carax, La Guedes vê uma crise estética no cinema francês, mas acredita que a imigração de pessoas para o país pode resultar em uma promissora e engajada mistura de estilos cinematográficos.

A brasileira é formada em cinema pela École Supérieure de Cinéma et Audiovisuel AIS Marseille e já dirigiu ficções e documentários. Dois de seus curtas serão exibidos durante o curso, “Comestível” (2011), “Presença” (2012), além do trailer de “Putain d’Amour” (2013), o primeiro de sete títulos da série “Contos da Coceira”, inspirada em Nelson Rodrigues.

Serviço: Galeria Olido – Cine Olido. Av. São João, 473. Centro.| tel. 3331-8399 e 3397-0171. Dia 14, 17h. R$ 1