Logo - Cultura

Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Mostra dos filmes finalistas e votação popular do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. De 17 a 30 de agosto de 2017 com entrada franca.

A Spcine – Empresa de Cinema e Audiovisual de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura, em parceria com a Academia Brasileira de Cinema, apresenta, entre os dias 17 e 30 de agosto, uma mostra de cinema reunindo os filmes brasileiros e estrangeiros que concorrem à 16ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Além de prestigiar o que de mais representativo o cinema brasileiro e internacional produziu em 2016, em sessões gratuitas, o público do Circuito Spcine ainda terá a oportunidade de participar da votação popular, escolhendo os melhores títulos nas categorias de melhor ficção brasileira de longa-metragem, melhor documentário brasileiro de longa-metragem e melhor filme estrangeiro, através da plataforma de Voto Popular disponível no endereço www.academiabrasileiradecinema.com.br
 
Veja a programação completa em circuitospcine.com.br



PROGRAMAÇÃO SPCINE ROBERTO SANTOS

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

Brasil, 2016, 145’ | Drama | 2D Original | Exibição em DCP
Com Sonia Braga, Maeve Jinkins, Irandhir Santos, Humberto Carrão
Não recomendado para menores de 16 anos
Clara tem 65 anos, é jornalista aposentada, viúva e mãe de três adultos. Ela mora em um apartamento localizado na Av. Boa Viagem, no Recife, onde criou seus filhos e viveu boa parte de sua vida. Interessada em construir um novo prédio no espaço, os responsáveis por uma construtora conseguiram adquirir quase todos os apartamentos do prédio, menos o dela. Por mais que tenha deixado bem claro que não pretende vendê-lo, Clara sofre todo tipo de assédio e ameaça para que mude de ideia.
17 de agosto às 19h15
 
Nise - O Coração da Loucura, de Roberto Berliner
Brasil, 2015, 108’ | Drama | 2D Original | Exibição em DCP
Com Glória Pires, Simone Mazzer, Julio Adrião, Flavio Bauraqui
Não recomendado para menores de 12 anos
Depois de sair da prisão, onde esteve encerrada pela ditadura Vargas, a doutora Nise da Silveira (interpretada por Glória Pires) volta a trabalhar num hospital psiquiátrico no subúrbio do Rio de Janeiro. Lá, ela propõe uma nova forma de tratamento aos pacientes que sofrem de esquizofrenia, eliminando o eletrochoque e a lobotomia. Seus colegas de trabalho discordam do seu meio de tratamento e a isolam, restando a ela assumir o abandonado Setor de Terapia Ocupacional, onde dá início a uma nova forma de lidar com os pacientes, através do amor e da arte.
18 de agosto às 19h15
26 de agosto às 19h15

Mãe só há uma, de Anna Muylaert
Brasil, 2016, 82’ | Drama | 2D Original | Exibição em DCP
Com Naomi Nero, Daniel Botelho, Dani Nefussi, Matheus Nachtergaele
Não recomendado para menores de 16 anos
A vida do adolescente Pierre vira de cabeça pra baixo quando ele recebe uma denúncia e é obrigado a fazer um teste de DNA. Após o resultado, ele descobre que sua mãe não é sua verdadeira mãe e é obrigado a trocar de família, de nome, de casa, de escola… e de gênero.
19 de agosto às  19h15

A garota dinamarquesa, de Tom Hooper
EUA/Reino Unido/Alemanha, 2015, 119’ | Drama | 2D Dublado | Exibição em DCP
Com Eddie Redmayne, Alicia Vikander, Ben Whishaw, Adrian Schiller
Não recomendado para menores de 14 anos
O pintor dinamarquês Einar Wegener e sua esposa Gerda, também pintora, vivem tranquilamente a rotina conjugal. Certo dia, Einar, vestido com uma roupa de mulher, posa para um quadro de Gerda. O desconcerto da situação faz com que ele descubra seu desejo de virar uma mulher.  Aos poucos, e diante da resistência moral da época, que o considera louco, Einar mergulha numa jornada íntima para consumar sua vontade, até realizar a primeira operação de mudança de sexo da história.
20 de agosto às 18h15

Animais noturnos, de Tom Ford
Nocturnal animals, EUA, 2016, 116’ | Drama/Suspense | 2D Legendado | Exibição em DCP
Com Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Micheal Shannon, Ellie Bamber
Não recomendado para menores de 16 anos
Negociante de arte sente-se cada vez mais isolada do parceiro. Um dia, ela recebe um manuscrito de autoria de seu primeiro marido. O trágico livro acompanha o personagem Tony Hastings, um homem que leva sua esposa e filha para tirar férias, mas o passeio toma um rumo violento ao cruzar o caminho de uma gangue. Durante a leitura, ela pensa sobre as razões de ter recebido o texto, descobre verdades dolorosas sobre si mesma e relembra traumas de seu relacionamento fracassado.
22 de agosto às 19h15

Elis, de Hugo Prata
Brasil, 2016, 110’ | Exibição em DCP | Drama/Biografia | 2D Nacional
Com Andreia Horta, Caco Ciocler, Gustavo Machado, Lúcio Mauro Filho
Não recomendado para menores de 14 anos
Cinebiografia sobre uma das maiores cantoras e intérpretes da Música Popular Brasileira – Elis Regina. Dona de uma voz inconfundível, Elis inicia sua carreira profissional no Rio de Janeiro, no começo dos anos 1960. O filme mostra sua rápida ascensão no meio musical, a conquista dos fãs e suas conturbadas relações amorosas. Estrela de TV, polêmica, intensa e briguenta, a “Pimentinha” não tarda a ser reconhecida como a maior voz do Brasil.
24 de agosto às 19h15
27 de agosto às 18h15

Marias, de Joana Mariani

Brasil, 2015, 73’ | Documentário | 2D Original | Exibição em DCP
Livre
Uma jornada pelo feminino através das festas Marianas da América Latina. A diretora Joana Mariani viajou pelo Brasil, Cuba, México, Peru e Nicarágua acompanhando as festas das padroeiras destes países, todas nossas senhoras, observando as semelhanças e diferenças entre suas culturas e buscando vozes com grandes histórias para contar. O resultado é um filme singular que demonstra que a figura de Maria está além do que qualquer religião possa oferecer.
25 de agosto às 19h15
29 de agosto às 19h15

---------
 
Promovido há mais de uma década pela Academia Brasileira de Cinema, o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é uma das maiores e mais tradicionais premiações do audiovisual no país. Criado no início dos anos 2000, é hoje uma das principais vitrines de consagração do cinema brasileiro, de seus filmes, autores, atores e técnicos. Além das categorias já citadas, inclui ainda premiações para melhor longa-metragem brasileiro de animação, melhor longa-metragem brasileiro infantil, melhor direção, ator e atriz, ator e atriz coadjuvante, fotografia, trilha sonora, montagem, roteiro, curta-metragem, entre outros. A votação é realizada via internet por um júri técnico formado por profissionais brasileiros da área do audiovisual e pelo voto popular. O anúncio dos premiados será realizado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no dia 05 de setembro.
 
Neste ano, a fim de expandir as plateias e difundir o hábito de frequentar o cinema, a mostra dos filmes finalistas acontece em sete estados brasileiros – Rio de Janeiro, São Paulo, Paraíba, Minas Gerais, Pernambuco, Maranhão – sempre com sessões gratuitas. O voto do público é nacional.  A programação que será apresentada no Circuito Spcine (nas salas Spcine Ceus, Roberto Santos, Cidade Tiradentes e Paulo Emilio, no Centro Cultural São Paulo) reúne obras como Elis, de Hugo Prata, a cinebiografia sobre o mito Elis Regina; Nise – O coração da loucura, de Roberto Berliner, drama estrelado por Glória Pires no papel da psiquiatra de vanguarda Nise da Silveira; Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, protagonizado por Sonia Braga e indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes de 2016; Boi Neon, de Gabriel Mascaro, premiado em mais de 20 festivais ao redor do mundo, e Mãe só há uma, de Anna Muylaert, premiado no Festival de Berlim do ano passado.
 
A programação de filmes documentários reúne obras como Menino 23 – Infâncias perdidas no Brasil, de Belisário França, um registro sobre a cultura do nazismo numa fazenda do interior do Brasil; Cinema Novo, de Erick Rocha, retrato de um dos principais movimentos do cinema brasileiro de vanguarda, o Cinema Novo; e ainda Eu sou Carlos Imperial, de Renato Terra e Ricardo Calil; Cícero Dias, o compadre de Picasso, de Vladimir Carvalho, Curumim, de Marcos Prado; Marias, de Joana Mariani, e Quanto tempo o tempo tem, de Adriana L. Dutra.
 

Sobre o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro
  • Uma das maiores e mais tradicionais premiações do cinema brasileiro, o Grande Prêmio foi criado no nos anos 2000 pela Academia Brasileira de Cinema (fundada em 20 de maio de 2002, e hoje com mais de 300 sócios). Ao longo de mais dez anos, tornou-se uma das principais vitrines de consagração do cinema brasileiro, de seus filmes, autores, atores e técnicos. A cada edição, o prêmio também rende homenagens a diferentes personalidades do mundo do cinema. Dentre suas categorias, encontram-se Melhor longa-metragem brasileiro de ficção, Melhor longa-metragem documentário, Melhor longa-metragem brasileiro de animação, melhor longa-metragem brasileiro infantil, melhor direção, ator e atriz, ator e atriz coadjuvante, fotografia, trilha sonora, montagem, roteiro, melhor filme estrangeiro, curta-metragem, entre outros. A votação é realizada via internet por um júri técnico formado por profissionais brasileiros da área do audiovisual e pelo voto popular. O anúncio dos premiados é realizado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no dia 05 de setembro. Por meio dessa celebração, o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro contribui para a promoção do cinema brasileiro junto à população e ao público do país, reconhecendo a qualidade técnica e artística de seus filmes e profissionais. O Prêmio é realizado pela Academia Brasileira de Cinema e conta com o Patrocínio Master da TV Globo e Patrocínio do Canal Brasil através da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.
Sobre a Academia Brasileira de Cinema
  • A Academia Brasileira de Cinema foi fundada em 20 de maio de 2002. Sua principal missão institucional é promover, preservar e divulgar o cinema brasileiro, além de ser espaço de convivência e troca de experiências entre profissionais da área. A criação de um prêmio, o Troféu Grande Otelo, para celebrar a produção anual de filmes, marcou o início de um projeto que aproximou mais de 300 sócios, entre realizadores, distribuidores, produtores, exibidores, técnicos, atores e outros profissionais do cinema e audiovisual. Desde sua criação, foram realizadas 15 edições do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, com grande repercussão pela imprensa e entre a classe cinematográfica brasileira. A associação tem por finalidade desenvolver e aprimorar a cultura e a educação das artes; contribuir e promover o progresso técnico-científico da cinematografia; incentivar e divulgar obras fonográficas e audiovisuais; editar, publicar e divulgar material informativo e educativo sobre filmes e cinemas; organizar eventos nas áreas de interesse de sua especialidade; congregar pessoas participantes das áreas de sua especialidade; promover encontros, palestras, reuniões, seminários, cursos, congressos e qualquer meio de intercâmbio a respeito de assuntos vinculados às áreas de sua especialidade; organizar, anualmente, evento destinado a outorga de prêmios para destaques das atividades de sua especialidade e conexas; incentivar e auxiliar entes públicos ou privados interessados; e velar, orientar e preservar a recuperação de materiais históricos cinematográficos.