Barra de Impressão

Sistema Municipal de Bibliotecas


Secretarias / Cultura / bibliotecas / noticias


27/07/2017 15h22

Música nas bibliotecas

Música nas bibliotecas de bairro com Cantigas em Libras, Duo Siqueira Lima e destaque para a Sambateca com Casa Caiada: devagar também é pressa, Conversa de botequim: 10 anos em 100 anos de samba, Samba do Cafofo, Núbia Maciel, Choros de Villa-Lobos e os Divinos e Musicoterapia com o Coletivo Feminista Ela-Som e música imigrante.

Cantigas em Libras

Cantigas em Libras
Com O Grupo Êba!
A intervenção consiste em um encontro dividido em três momentos: o grupo inicia com uma história e com jogos de aquecimento corporal, relacionados às cantigas tradicionais. Em seguida, junto com os participantes, selecionam as cantigas que gostariam de trabalhar. A partir disso,  ensinam os sinais e destrinchar as possibilidades de tradução da letra para encontrar uma melhor forma de se brincar a cantiga em Língua de Sinais. O último momento da oficina é de brincadeiras práticas com as traduções que foram criadas.
Dia 5 de agosto às 14h - Biblioteca Narbal Fontes
Dia 12 de agosto às 11h - Biblioteca Viriato Correa
Dia 12 de agosto às 14h30 - Biblioteca Raul Bopp
Dia 19 de agosto às 11h - Biblioteca Cassiano Ricardo
Dia 19 de agosto às 14h30 - Biblioteca Adelpha Figueiredo
Dia 20 de agosto às 11h - Biblioteca Nuto Sant’ Anna
Dia 26 de agosto às 10h30 - Biblioteca Prestes Maia

Dia 2 de setembro às 11h - Biblioteca Marcos Rey


Duo Siqueira Lima

Duo Siqueira Lima
Ganhador do Prêmio “Profissionais da Música 2015”, no Brasil, e do “Brazilian International Press Award 2014”, nos Estados Unidos, o Duo Siqueira Lima, formado pelos violonistas Cecilia Siqueira e Fernando Lima, é reconhecido pelo virtuosismo técnico, perfeito entrosamento e por originais e inovadores arranjos para dois violões. Cecília, do Uruguai, e Fernando, do Brasil, se conheceram no II Concurso Internacional de Violão Pro-Música/SESC, em 2001, na cidade de Caxias do Sul (Brasil), quando dividiram o primeiro prêmio depois de uma concorrida disputa com virtuoses de vários países. Esse evento foi decisivo para a formação do duo e o início de uma promissora carreira internacional. Sucesso de público e de crítica, os violonistas combinam turnês no Brasil e nas principais capitais europeias, além de incursões pela Rússia e por países da América do Norte e África. São sempre bem recebidos nos principais centros musicais, teatros e salas de grande prestígio, como Lincoln Center (Nova Iorque), New World Center (Miami), Concertgebouw (Amsterdam) e Sala São Paulo (São Paulo). Cecília e Fernando também são requisitados para aulas e masterclasses em eminentes instituições como University of Florida (Gainesville, Flórida - EUA), SMU Meadows School of Arts (Fort Worth, Texas - EUA) e Conservatoire Royal de Liège (Bélgica) e Koblenz International Guitar Festival (Koblenz - Alemanha).
16 de setembro às 11h - Biblioteca Jovina Rocha


Casa Caiada: Devagar também é Pressa

SAMBATECA

Casa Caiada: Devagar também é Pressa
“Devagar também é Pressa” é o título do CD gravado pelo grupo Casa Caiada em 2015.
Além das composições do disco e os clássicos do samba que levantam o público, o show também conta com o momento das marchinhas, no qual são tocadas as que mais fizeram sucesso nas redes sociais deste ano e também um encerramento com uma batucada típica das escolas de samba.
Dia 26 de agosto às 11h - Biblioteca Pedro Nava
Dia 26 de agosto às 14h - Biblioteca Afonso Schmidt

Dia 2 setembro às 11h - Biblioteca Brito Broca
Dia 2 setembro às 14h - Biblioteca Érico Veríssimo
Dia 9 setembro às 11h - Biblioteca Castro Alves
Dia 9 setembro às 14h - Biblioteca Roberto Santos
Dia 6 setembro às 11h - Biblioteca Raul Bopp
Dia 16 setembro às 14h - Biblioteca Viriato Corrêa
Dia 23 de setembro às 11h - Biblioteca Camila Cerqueira César
Dia 23 de setembro às 14h - Biblioteca Clarice Lispector


Conversa de Botequim: 10 anos em 100 anos de samba
O grupo Conversa de Botequim existe a 10 anos e uma homenagem aos centenário do gê O projeto “Numa Conversa de Botequim” é uma continuação do trabalho de pesquisa e resgate do grupo. Durante o show são apresentadas canções pouco conhecidas de Geraldo Pereira, Mauro Duarte, Eduardo Gudin, Nelson Cavaquinho, Noel Rosa e Moacyr Luz, mesclando com clássicos de Adoniran Barbosa, João Nogueira e Martinho da Vila.
Dia 12 de agosto às 11h - Biblioteca Jayme Cortez
Dia 12 de agosto às 14h - Biblioteca Sylvia Orthof
Dia 26 de agosto às 11h - Biblioteca Álvares de Azevedo
Dia 26 de agosto às 14h - Biblioteca José Mauro de Vasconcelos

Dia 2 de setembro às 11h - Biblioteca Adelpha Figueiredo
Dia 2 de setembro às 14h - Biblioteca Cassiano Ricardo
Dia 9 de setembro às 11h - Biblioteca Lenyra Fraccaroli
Dia 9 de setembro às 14h - Biblioteca Paulo Sergio Duarte Milliet
Dia 16 de setembro às 11h - Biblioteca Paulo Setúbal
Dia 16 setembro às 14h - Biblioteca José Paulo Paes


Núbia Maciel e os Divinos

Núbia Maciel e os Divinos
Núbia Maciel é vocalista do Samba de Rainha, grupo de samba paulistano formado por mulheres. Em 14 anos de carreira, o Samba de Rainha já fez milhares de shows em todo tipo de lugar e pra todo tipo de público. Elas já fizeram turnê em Portugal, já tocaram em Londres e já representaram o Brasil na sede da ONU em Genebra!!! Na TV, participaram de muitos programas como Jô Soares e Som Brasil. Tiveram uma música na trilha sonora da novela O Astro, onde fizeram uma participação. Elogiadas por vários críticos de música, como Patrícia Palumbo, Pedro Alexandre Sanches, Fabian Chacur e Robin Desenlow (The Guardian). Já fizeram o circuito dos CEUs, várias viradas culturais, circuito municipal de cultura. Sempre com grande público e o maior sucesso! A referência vem das antigas rádios AM, mas com molho paulistano, cosmopolita, contemporâneo e moderno. As letras essencialmente românticas remetem ao que Núbia ouvia na vitrola de seus pais em sua infância na cidade de Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro. Processadas com roupagem atual, Núbia traz novidades e escreve seu nome imprimindo personalidade em um trabalho bastante autoral. O disco tem cores variadas, flertando com um bolero em Às vezes não ou com ritmos nordestinos em Mexe mexe sem perder a levada. A faixa título entrega esse lado passional: “Me leva pra onde quiser / Hoje quero ser uma qualquer nos seus braços”. A letra pode lembrar o repertório de sucesso de Núbia Lafayette. O que não é por acaso, afinal Núbia Maciel foi batizada com esse nome como uma homenagem para a antiga cantora de boleros. O destino – e o talento, e a força de vontade, e a criatividade latente... – quis que essa Núbia também se tornasse cantora. O disco traz a assinatura de Gustavo Ruiz, produtor que vem colocando seu nome em trabalhos muito especiais desde o sucesso da dobradinha com sua irmã Tulipa Ruiz. A ficha revela ainda a participação de três colegas do Samba de Rainha: Thais Musachi (banjo em Alvo errado), Sandra Gamon (cuíca também em Alvo errado e Medo de olhar para si) e Aidée Cristina (coro em Medo de olhar para si). Sandra também está presente em composições assinadas por Oui Madame, duo paulistano do qual ela participa. Sem tirar o pé do samba (e o samba no pé), Nubia Maciel revela outras caras. Aqui um trabalho mais pessoal, buscando suas lembranças e trazendo referências musicais processadas por uma mulher contemporânea pop. No fim deixa a certeza de que ela não é uma qualquer.
Dia 5 de agosto às 11h - Biblioteca Ricardo Ramos
Dia 5 de agosto às 14h30 - Biblioteca Jovina Rocha Álvares Pessoa
Dia 6 de agosto às 11h - Biblioteca Milton Santos
Dia 12 de agosto às 11h - Biblioteca Clarice Lispector
Dia 12 de agosto às 14h -  Biblioteca Alceu Amoroso Lima
Dia 19 de agosto às 11h -  Biblioteca Lenyra Fraccaroli
Dia 19 de agosto às 14h -  Biblioteca Raul Bopp
Dia 20 de agosto às 11h -  Biblioteca Rubens Borba
Dia 26 de agosto às 11h - Biblioteca Vicente de Carvalho
Dia 26 de agosto às 14h - Biblioteca Vicente Paulo Guimarães


Samba do Cafofo

Samba do Cafofo
Criada em 2002, essa roda de samba tem como objetivo ser a rota de fuga, uma alternativa para quem gosta e ama um bom samba. Acreditamos no samba como um dos principais meios de inclusão sócio cultural, por isso, procura-se manter o samba na maior autenticidade com um repertório que resgata as grandes obras de mestres do passado e ao mesmo tempo valoriza a continuidade com obras de novos compositores anônimos, inclusive da própria comunidade. Procuramos passar alegria, igualdade e respeito. Isso é cultura, isso é cidadania, assim é o SAMBA CAFOFO, uma das mais consagradas rodas de samba de São Paulo, que a cada dia que passa, vem ganhando destaque, ao lado do Samba da Vela, Samba da Laje, Samba do Baú e etc. Estas rodas de samba fazem uma reverência ao samba e em função dele se formam. São rodas da Periferia de São Paulo e que têm uma ligação orgânica com a localidade. Essas rodas acentuam uma característica, que é o engajamento social. Sua existência produz um movimento de cidadania que visa a melhoria das condições de vida da população local. Seja com ações beneficentes, seja com trabalhos de formação e defesa de direitos, essas rodas de samba cumprem uma função social das mais relevantes. Não é por acaso que as próprias rodas vêm adquirindo uma dimensão institucional. Algumas delas se tornaram ONGS ou em torno delas, atuam ONGS que organizam o trabalho social. Quinzenalmente, a comunidade do Samba do Cafofo, conduz o público a participar de uma viagem musical ao universo do Samba.  A ideia do projeto é difundir e resgatar a autenticidade dos compositores da comunidade local.  Mas novos compositores também estão convidados a participar do projeto.  A cada edição, um convidado especial.  O público tem a chance ainda de esbarrar, por exemplo, com o Madureira, violinista do grupo fundo de Quintal, ou às vezes com o mestre Osvaldinho da Cuíca, entre outras personalidades do mundo do samba.
Dia 26 de agosto às 11h - Biblioteca Affonso Taunay

Dia 2 de setembro às 11h - Biblioteca Afonso Schmidt
Dia 3 de setembro às 11h - Biblioteca Amadeu Amaral
Dia 9 de setembro às 11h - Biblioteca Mário Schenberg
Dia 10 de setembro às 11h - Biblioteca Adelpha Figueiredo
Dia 16 de setembro às 11h - Biblioteca Milton Santos
Dia 17 de setembro às 11h - Biblioteca Jayme Cortez
Dia 23 de setembro às 11h - Biblioteca Helena Silveira
Dia 24 de setembro às 11h - Biblioteca Marcos Rey
Dia 30 de setembro às 11h- Biblioteca Camila Cerqueira César


Choros de Villa-Lobos na Flauta e Viola Caipira
Por Enrique Menezes
Choros de Villa-Lobos executados ao vivo por Flauta, Pífano e Viola Caipira procurando expor algumas das características marcantes do compositor e suas relações tênues entre o popular e o erudito. Como Villa-Lobos utilizou as formas do choro urbano em sua série de composições? Quais foram as explicações dadas pelo próprio compositor para batizar assim sua série?
Dia 5 de agosto às 11h - Biblioteca Sylvia Orthof
Dia 5 de agosto às 14h - Biblioteca Pedro Nava
Dia 6 de agosto às 11h - Biblioteca Álvares de Azevedo
Dia 19 de agosto às 14h - Biblioteca Anne Frank
Dia 20 de agosto às 11h - Biblioteca Affonso Taunay
Dia 26 de agosto às 10h - Biblioteca Roberto Santos
Dia 26 de agosto às 14h30  - Biblioteca Viriato Corrêa


O Bando de Seu Pereira nas Bibliotecas
Um acontecimento no forró: um grupo permacultural, com sonoridade única e que como si só, faz releituras de clássicos, revela preciosidades e traz músicas novas, inspiradas em toda essa experiência humana e musical de seus integrantes.
Dia 12 de agosto às 14h – Biblioteca Pedro Nava
Dia 20 de agosto às 11h – Biblioteca José Paulo Paes


Carimbolando
A apresentação do Grupo Carimbolando é uma grande brincadeira musical. O ritmo contagiante não deixa ninguém parado e as músicas falam de cenas, costumes, personagens e bichos  da região Norte. O grupo interpreta sucessos de Dona Onete, Pinduca, Mestre Lucindo e outros autores consagrados, transformando em festa o espaço onde se apresenta.
Dia 12 de agosto às 11h – Biblioteca Helena Silveira
Dia 27 de agosto às 11h – Biblioteca Aureliano Leite


Dani Lasalvia - O legado de Mário de Andrade
A cantora Dani Lasalvia  interpreta, entre outras,  algumas canções coletadas em 1937 pela Missão de Pesquisas Folclóricas, idealizada por Mário de Andrade frente ao departamento de Cultura da Cidade de São Paulo que compõem o Acervo Histórico da Discoteca Oneyda Alvarenga da Centro Cultural São Paulo.
Dia 12 de agosto às 14h – Biblioteca Érico Veríssimo

Na cachola 
com Marília Calderón e Walter Garcia nas Bibliotecas
O show-cênico na cachola, com Marília Calderón e Walter Garcia, experimenta diálogos entre a música, o teatro e a literatura. As canções formam um painel da grande cidade e questionam o lirismo que pode haver no dia a dia das pessoas e das coisas.
Dia 12 de agosto às 14h – Biblioteca Amadeu Amaral
 
  
MUSICOTERAPIA
Coletivo Feminista Ela-Som
O Coletivo Feminista Ela-Som realiza uma vivência interativa de Musicoterapia aberta à comunidade. A proposta é utilizar experiências sonoro-musicais para promover uma reflexão sobre a luta pelos direitos das mulheres e igualdade de gênero.
Não é necessário ter conhecimento musical para participar da vivência! Venham com roupas confortáveis! Classificação etária livre.
Dia 20 de agosto às 11h30 - Biblioteca Cora Coralina


MÚSICA IMIGRANTE

O Música Imigrante pretende através do coletivo Sarau dos Imigrantes circular artistas das mais diferentes esferas por todas as bibliotecas mostrando que São Paulo abriga todas as culturas do mundo.
O Sarau dos Imigrantes é um projeto de Web TV criado para divulgar o trabalho de músicos de diversos lugares do mundo que escolheram o Brasil para viver. As gravações acontecem às terças-feiras das 19h às 20h, no Espaço Parlapatões, com entrada gratuita. Concebido pelo músico e publicitário Luiz Celso Piratininga, pelo produtor cultural Luiz Delfino Cardia e pelo músico e professor Irajá Menezes, o Sarau buscou inspiração nas ideias de Boaventura Sousa Santos que diz: "Temos o direito a ser iguais quando a diferença nos inferioriza; temos o direito a ser diferentes quando a igualdade nos descaracteriza". O pensador português acredita que o reconhecimento igualitário das diferenças está entre as premissas para um diálogo intercultural. Para botar em prática esse encontro de vozes de todo o mundo, ao grupo inicial vieram se juntar Uolli Briotto, que passou a cuidar da produção, João Paulo Nascimento, que concebeu um plano para captar o áudio das apresentações ao vivo, a equipe da Rede PUC e a Nick Filmes que filmam e editam os episódios e ainda as fotógrafas Lígia Gimenes e Daniela Menezes.
  • EntreLatinos - Um projeto musical que tem como objetivo o resgate do canto popular latino-americano. Sua rota se propõe navegar do México à Patagônia, do folclore às novas gerações. Povos que se encontram e se tornam uma unidade na diversidade, cada qual com seus ritmos e seus sotaques.
    Dia 6 de agosto às 11h – Biblioteca Paulo Sérgio Duarte Milliet

    Dia 26 de agosto às 14h – Biblioteca Adelpha Figueiredo

  • Lenna Bahule
    Além de repertório autoral inspirado no interesse e pesquisa sobre a música vocal e regência alternativa, músicas folclóricas moçambicanas e africanas em geral, de uma forma bastante espontânea e performática formada pela música popular, ancestral e natural de vozes e percussão, onde o corpo também funciona como instrumento melódico, harmônico e rítmico.
    Dia 20 de agosto às 11h – Biblioteca Chácara do Castelo
    Dia 27 de agosto às 11h – Biblioteca Alceu Amoroso

  • Resostenido - Pop Folk e ritmos da América Latina
    Um projeto musical de Renata Espoz, cantautora chilena que mistura o pop folk com diferentes ritmos da América Latina num formato solista ou acompanhada de banda.
    Dia 19 de agosto às 14h - Biblioteca Helena Silveira

  • Trio Acustico de las Americas
    Formado por uma cubana (Claudia Rivera), uma equatoriana (Emilia Desiré) e um brasileiro (Gabriel Draetta), o trio desenvolve uma linguagem diferenciada; traz a diversidade da música latina e caribenha com influências do jazz, numa mistura de música autoral e algumas peças e standards especificamente selecionados.
    Dia 27 de agosto às 11h - Biblioteca Camila Cerqueira César

  • Yannick Delass
    Artista do Congo que apresenta composições próprias em línguas africanas e francês, acompanhando-se ao violão, ou com seu trio formado por músicos brasileiros.
    Dia 12 de agosto às 14h - Biblioteca José Mauro Vasconcelos