HISTÓRICO DA BIBLIOTECA

historicoA biblioteca iniciou suas atividades em julho de 1952, em um sobrado alugado pela prefeitura, na Rua Domingos de Morais, no bairro de Vila Mariana. Em virtude das condições precárias de funcionamento, por muito tempo se cogitou a construção de um prédio mais adequado às necessidades de uma biblioteca, que finalmente foi entregue à população em 4 de abril de 1965, na Rua Sena Madureira, onde permanece até hoje. A construção, de concepção arquitetônica moderna, ampla e iluminada, foi projetada para as atividades de leitura e programação cultural da biblioteca.

Em maio de 1969 a Biblioteca de Vila Mariana recebeu a denominação de Biblioteca Infantil Viriato Corrêa, em homenagem à significação histórica deste ilustre escritor, falecido em 1967.

A instalação da Gibiteca Henfil em 1991 foi um sucesso reconhecido amplamente pela opinião pública e pela mídia, demonstrando sua aceitação imediata. Para a acomodação da gibiteca, o espaço foi praticamente dividido ao meio, perdendo áreas onde eram realizadas atividades tradicionais da biblioteca. A sala de leitura e a sala de artes deram espaço ao acervo de gibis e álbuns de quadrinhos. A biblioteca conseguiu atrair maior público para o uso de seu acervo, e o fluxo de usuários de ensino médio e universitário também contribuiu para a mudança nesse perfil.

Essas transformações foram positivas durante um tempo, porém, a partir de 1996 o funcionamento da biblioteca e da gibiteca no mesmo espaço tornou-se problemático. Com o crescimento do acervo da gibiteca e os encontros de RPG, os espaços tornaram-se insuficientes e se fazia necessária a mudança da gibiteca para um prédio próprio, mesmo porque sua importância merecia esta distinção. Assim, em 1999 a Gibiteca Henfil foi transferida para o Centro Cultural São Paulo. Com o espaço resgatado, a biblioteca pôde administrar melhor a distribuição de seu acervo e de suas atividades.

Em novembro de 2008 a biblioteca passou a se também Temática de Literatura Fantástica. A ambientação temática foi criada pelo escritório Rossi Barbosa Arquitetos Associados. Tem como base referências ao universo da literatura fantástica e busca gerar “estranhamento” – uma característica fundamental deste gênero literário – e tornar o espaço descontraído. É composto por reproduções de gravuras e desenhos ligados ao universo da literatura fantástica em paredes, teto e janelas. O mobiliário, de peças antigas reformadas, é composto por estantes tortas e mesas redondas. Foram criadas falsas pilastras, iguais às de sustentação do prédio, porém levemente inclinadas. Há uma foto do diretor de cinema Luiz Sergio Person e de cena de São Paulo S.A na entrada do auditório (Sala Luiz Sergio Person), equipado com sistema de projeção de vídeo em alta resolução.

Em janeiro de 2008, pelo Decreto nº 49.172 passou a denominar-se Biblioteca Pública Viriato Corrêa e em dezembro de 2016, pelo Decreto nº 57.528, Biblioteca Pública Municipal Viriato Corrêa.

Legislação referente à biblioteca
Criação: Lei n.º 3.853 de 18 de março de 1950
Inauguração: 25 de julho de 1952
Denominação: Decreto n.º 8.160 de 8 de maio de 1969
Alteração de denominação: Decreto nº 49.172, de janeiro de 2008 e Decreto nº 57.528, de 12 de dezembro de 2016

Transferência para subprefeitura: Decreto nº 42.772 de 3 de janeiro de 2003
Criação de SMB: Decreto nº 46.434 de 6 de outubro de 2005
Transferência para SMC: Decreto nº 48.166 de 2 de março de 2007

logo SMB

Viriato Correa