Share

BAIRRO DO IPIRANGA / JARDIM PATENTE

bairro
Ipiranga é um distrito localizado na região sudeste do município de São Paulo, cujo nome foi extraído do córrego que o corta, e cujo nome significa, em tupi-guarani, rio vermelho, devido às águas barrentas do riacho. Neste bairro está localizado o Parque da Independência, local onde, conforme a tradição histórica, o imperador Dom Pedro I proclamou a independência do Brasil, além do Museu do Ipiranga, com arquitetura em estilo clássico, que guarda um grande número de relíquias do período colonial brasileiro, e do Museu de Zoologia. O distrito é servido pelas estações Ipiranga e Tamanduateí da CPTM, e pelas estações Imigrantes e Alto do Ipiranga do metrô.

O Jardim Patente é um dos bairros que compõe o distrito do Ipiranga.

A biblioteca fica no Jardim Patente Novo, um ponto de referência é a proximidade com a Estrada das Lágrimas. É um bairro residencial que fica no distrito do Sacomã, na Subprefeitura do Ipiranga.

Esta região tem este nome porque em 1886 os irmãos Sacoman vieram da França e  se estabeleceram com uma fábrica de telhas denominada Cerâmica Sacoman Frères, na paragem intitulada Moinho Velho, próximo à Estrada das Lágrimas, no Caminho do Mar, bairro do Ipiranga.

No Sacomã está a histórica árvore das lágrimas, debaixo dela aconteciam as despedidas das pessoas que iam para Santos. Durante a Guerra do Paraguai a árvore era um lugar de choros, era o marco oficial de até onde as famílias poderiam acompanhar os soldados, chamados de "voluntários da pátria".

A história do Ipiranga, desde o início, está associada aos deslocamentos entre a capital e o litoral paulista. Devido ao posicionamento geográfico, a região era passagem obrigatória daqueles que, vindo do núcleo central da cidade, se dirigiam aos caminhos que permitiriam cruzar a serra do mar em direção à baixada santista.

Isso fez com que o bairro entrasse para a História do Brasil ao se tornar cenário do evento em que Dom Pedro I, vindo de uma de suas andanças pela cidade de Santos, decide proclamar a independência do Brasil em uma de suas paradas às margens do riacho do Ipiranga. O episódio ficou registrado no famoso quadro de Pedro Américo e na letra do Hino Nacional Brasileiro.

Posteriormente, a inauguração da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí, em 1867, permitiu que a região, até então um lugarejo nos arrabaldes da cidade de São Paulo, se integrasse definitivamente à malha da cidade.

Também por causa da ferrovia o Ipiranga começou a ser caracterizado como um bairro industrial, já que muitas fábricas aproveitavam as facilidades proporcionadas pela proximidade com os trilhos que ligavam a cidade tanto com o litoral como com o interior para se estabelecerem na região.

A região próxima ao Rio Tamanduateí era tão caracterizada pelas indústrias, que os bondes e ônibus que para lá se dirigiam tinham no letreiro o título Fábrica.

Em 1947, a inauguração da Rodovia Anchieta só viria reforçar essa vocação, trazendo uma nova leva de indústrias para a região.

Paralelamente, a Rua Bom Pastor e Avenida Dom Pedro I, ficaram caracterizadas por casarões de famílias abastadas e pela classe média que trabalhava nas fábricas ou em outros bairros de São Paulo. Enquanto isso, na Avenida Nazaré, que corria ao longo do topo da colina do Ipiranga, instituições de ensino ou caridade ligadas à igreja católica, despontavam ocupando parte do espaço.

A partir dos anos 70, por motivos principalmente econômicos, o Ipiranga começou a perder essas indústrias para outras regiões e outras cidades. Os espaços vacantes passaram a ser gradualmente ocupados por comércio, serviços e, mais recentemente, por grandes empreendimentos residenciais.

Atualmente a região desenvolve uma nova caracterização como fornecedora de serviços ao mesmo tempo que vivencia uma verticalização imobiliária em franca expansão, ambos os aspectos tem sido especialmente reforçados pela chegada do metrô, que facilita a integração do bairro com o restante da cidade e permitindo o deslocamento para o Ipiranga de pessoas de outras regiões da cidade em busca de opções de lazer, cultura e ensino.Mas há de se lembrar, que o bairro, em crescimento, não deixou de lado o clima típico dos bairros de São Paulo, e como era conhceido por ser "uma cidade de interior encravada em São Paulo".Seus moradores ainda exibem o bom e sábio orgulho de se chamar ipiranguistas, e quase sempre, nunca deixam o bairro.

Em 1935 foi inagurada pela antiga Companhia Telefônica Brasileira (CTB) a estação telefônica automática no Ipiranga (prefixo 3-0), que substituiu a antiga estação manual que operava no Cambuci. Em 1954, a CTB ampliou a capacidade de terminais instalados de mil para dez mil, alterando o prefixo para 63. Sucessivos cortes de área deram origem a novas estações telefônicas na Vila Prudente, Vila Zelina, Vila Alpina e Casa Grande (a leste) e Anchieta, Patente, Liviero e Jardim da Saúde (a sul).


logo SMB

Castro Alves