logo CGM

Sociedade discute os dados sobre ônibus disponibilizados pela SPTrans

Cerca de 40 pessoas participaram do encontro com representantes da empresa, promovido pela Controladoria Geral do Município

 Compreender, sugerir mudanças e aprimorar o sistema de transparência dos dados oferecido pela São Paulo Transportes (SPTrans) ao cidadão paulistano. Esses foram os objetivos do encontro realizado nessa quinta-feira (08), intitulado “Papo com Dados sobre Ônibus em São Paulo”. O evento, promovido pela Controladoria Geral do Município (CGM) na sede do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, reuniu cerca de 40 pessoas, entre pesquisadores, jornalistas, programadores e ativistas.

O debate marcou o início da série de encontros “Café Hacker SP”, que a CGM vai promover periodicamente para aproximar o público que demanda informações e dados sobre políticas públicas dos técnicos e gestores responsáveis por armazená-los nas Secretarias. A princípio, os encontros serão mensais.

“Uma de nossas principais atribuições é promover o incremento da transparência pública e fomentar a participação da sociedade civil. Acreditamos que esses encontros são fundamentais, pois esclarecem dúvidas”, comentou Fabiano Angélico, coordenador de Promoção da Integridade, uma das áreas estruturantes da CGM. “De posse de novas informações, a sociedade passa a estabelecer com a empresa um debate real, fundamentado, com vistas a uma cidade melhor".

Para explicar os dados da SPTrans, compareceram ao encontro o chefe de gabinete, Ciro Biderman, e o diretor de Gestão Econômico-Financeira, Adauto Farias. Durante a apresentação, foram fornecidas informações sobre cálculos de tarifas, de folha de pagamento dos funcionários, e os custos fixos e variáveis que envolvem o dia a dia de trabalho da empresa.

De acordo com Biderman, as condições de tráfego das vias de São Paulo influencia diretamente nos custos da empresa. Segundo a SPTrans, com tempos de viagens mais curtos, é possível reduzir o número de veículos de cada linha, o que também reduziria o número de motoristas e cobradores e de gastos com seus respectivos salários.

Além de explicar os cálculos que justificam o atual valor da passagem de ônibus em São Paulo, Biderman e Farias ainda apresentaram os próximos planos da empresa no que diz respeito à transparência das informações.

“Pretendemos disponibilizar em breve dados referentes às frotas por empresa e por linha, permitindo, assim, o fornecimento de muitos detalhes ao usuário. Outros dados que também passarão a ser disponibilizados são a velocidade média por trecho do percurso, por mês, por linha e por hora; informações sobre todas as linhas e seus pontos de parada; e, futuramente, a localização dos ônibus em tempo real, atualizada a cada 85 segundos”, anunciou o chefe de gabinete.

Durante o encontro, transmitido ao vivo pela Internet, foi oferecido espaço para que usuários, repórteres e representantes de organizações fizessem seus questionamentos e sugestões a fim de aprimorar o sistema de informações adotado pela SPTrans. Tornar os dados mais compreensíveis para o cidadão comum e divulgá-los em formato aberto, disponibilizar um link no site da empresa para perguntas e criar um canal mais rápido de comunicação com a sociedade foram alguns dos temas levantados pelo público.

Até o dia 22 de agosto, a CGM e a SPTrans analisarão as demandas e sugestões apresentadas e deverão fornecer uma devolutiva por meio do blog Café Hacker SP, onde está disponível a íntegra do vídeo e a apresentação de slides de Ciro Biderman.