17/12/2013 15h22

Share

Prefeitura convoca sociedade para contribuir no processo de requalificação do Centro

Projeto participativo preliminar foi apresentado nesta terça-feira. Vale do Anhangabaú, 25 de Março e Largo São Francisco estão entre as áreas que devem ser reurbanizadas

Imagem do post

João Luiz/Secom

A Prefeitura apresentou nesta terça-feira (17) os resultados dos estudos iniciais para a reurbanização do Vale do Anhangabaú e também os projetos piloto para a área central de São Paulo. O encontro, junto a membros da sociedade civil, ocorreu no Edifício Matarazzo, sede da administração.

Os estudos são resultado do projeto “Centro, Diálogo Aberto”, obtido a partir de um processo participativo iniciado em abril de 2013, com representantes de diversas secretarias, sociedade civil, instituições de ensino e também com colaboração do escritório dinamarquês Gehl Architects.

"O centro é um espaço de representação de todos nós e sempre o foi. Nós queremos não apenas reforçar essa importância, quanto também repensarmos as formas pelas quais o Centro será e exercerá essa representação da população de São Paulo", afirmou Fernando de Mello Franco, secretário municipal de Desenvolvimento Urbano.

"Nós acreditamos que parte do processo de requalificação do Centro passa pelo estabelecimento de um processo de ressignificação da forma com a qual os cidadão vão usar esse espaço da cidade. É evidente que é importante discutir se o piso dos calçadões serão de mosaico português, granito ou de cimento, mas para além da discussão da qualidade do suporte material que conformam os nossos espaços públicos, a essência do debate está justamente em construirmos de forma coletiva e pactuada formas possíveis e desejáveis de coexistência no espaço de representação da metrópole", disse o secretário.

A dinâmica adotada, que tem como intuito tornar pública a elaboração de diretrizes que deverão incidir diretamente sobre a transformação do território central da cidade, contou com uma série de workshops, cujos objetivos focaram-se basicamente na identificação dos problemas e potencialidades da região, junto a um levantamento de possíveis ações para a transformação e qualificação dos locais. Os projetos buscam a construção de novos espaços públicos e a transformação das estruturas preexistentes na área central, renovando as formas de uso e potencializando o seu domínio público.

No Vale do Anhangabaú, por exemplo, a falta de segurança e a baixa quantidade e qualidade de atividades oferecidas aos transeuntes foram alguns dos pontos levantados durante os workshops, que contou, inclusive, com visitas a campo e consulta à população. Durante o evento, o arquiteto dinamarquês David Sim apresentou detalhes e imagens do projeto, que deve ser disponibilizado no site Gestão Urbana ainda nesta semana.

Para o Vale, está prevista, entre outras medidas, a inclusão de mais árvores no espaço, a oferta de mobiliário urbano, a otimização da iluminação local e a implantação de quiosques voltados para alimentação e serviços em toda a sua extensão. Prevê-se ainda a transformação da região da Rua 25 de Março em amplos calçadões, que possibilitem uma melhor experiência de compra e também a instalação de mobiliário urbano e a oferta de serviços para que as pessoas possam comer e descansar.

Gestão participativa
A partir dos próximos dias, qualquer cidadão poderá acessar os projetos pelo site Gestão Urbana, avaliá-los e fazer eventuais críticas ou colaborações. Depois de otimizados, entre fevereiro e março, os projetos piloto das regiões da 25 de Março, do Pateo do Colégio, do Largo São Francisco e da avenida São João devem começar a ser experimentados.

"Como podemos garantir que tomaremos as decisões corretas?. Não sou tão arrogante de achar que sei todas as respostas. Eu tenho algumas ideias, meus colegas têm algumas ideias e vocês têm outras. Devemos testá-las antes de torná-las permanente. É preciso testar, avaliar e aprender com isso. É um processo interativo", afirmou David Sim.

Inicialmente, os projetos piloto que serão apresentados buscarão experimentar estratégias, validando-as com a população. Se os resultados forem positivos, as ações empregadas em fase experimental poderão se transformar em ações permanentes, baseadas na aceitação pública.

FOTOS
Crédito: João Luiz / SECOM

Foto 1 - Secretário Fernando de Mello Franco reforçou caráter participativo do projeto e chamou os presentes a colaborarem com críticas e sugestões

Foto 2
- O arquiteto David Sim apresentou detalhes dos projetos de requalificação do espaço público no Centro

Foto 3 - Projetos foram montados a partir da colaboração de representantes de várias secretarias, instituições de ensino e membros da sociedade civil