Assistencia e Desenv. Social

Argentino supera dificuldades e recomeça vida em São Paulo

A história do argentino Andrés carrega sentimentos de luta, dor e superação

Foto e texto: Marcos Gabriel

‘’Antes era somente a solidão que me acompanhava, hoje estou no caminho certo e só tenho a agradecer pela vida que levo. Depois da decepção, sempre vem uma luz’’. Essas palavras, carregadas de motivação e coragem, são de Andrés Sixto, 50 anos, natural de Buenos Aires, Argentina.

Antes de conquistar tudo o que tem nos dias de hoje, Andrés passou por altos e baixos em sua vida. Tudo começou em sua terra natal, em 2012, quando um obstáculo desviou seu caminho.

‘’Foi uma decepção o meu casamento em 2012. Foi tudo muito forte. Com isso eu deixei tudo pra trás, minha esposa e minha filha, e tentei vir para o Brasil pra ver o que seria da minha vida’’, disse.

Com muita coragem, conseguiu entrar no Brasil sem os documentos necessários. ‘’Eu entrei sem nada, junto a um amigo chileno. Primeiro fomos para Curitiba, depois passamos por todo o litoral paulista, e por fim, viemos para a capital.’’

Nessas viagens sem rumo e direção, Andés contou que a solidão o acompanhava em cada passo. ‘Andávamos naquela rodovia, debaixo de sol, chuva, frio, calor, era horrível. Os barulhos dos carros na estrada só me faziam tentar entender o porquê de tudo aquilo estar acontecendo comigo, mas eu não enxergava uma direção’’.

Quando chegou à São Paulo, brigou com seu amigo chileno, que consumia álcool em excesso. Nesse período, o argentino conheceu um rapaz que o convidou para frequentar a igreja. ‘’Nesse tempo que ia pra igreja, estive na rua. Ao mesmo tempo em que tentava me encontrar, acabei usando um pouco de drogas’’, contou.

Sem saber como agir, Andrés decidiu voltar pra Curitiba, no Paraná, a fim de tirar todos os documentos que precisava. Chegando na cidade, ficou em um Centro de Acolhida, e viu a necessidade de entrar no mercado de trabalho.

‘’Fui tentando me tratar nesse tempo, enquanto pedia permissão à direção do albergue para que eu pudesse arranjar algum emprego. Não podia ficar parado sem fazer nada.’’

Reviravolta na vida

Rapidamente, o argentino conseguiu um emprego, mesmo sem seus documentos. Mas foi em maio de 2014 que Andrés finalmente se encontrou de vez. Dentro do Centro de Acolhida onde estava, conheceu sua atual namorada, cozinheira do serviço.

‘’Quando conheci minha namorada senti uma luz, sabe? Ela quem me tirou da solidão, das drogas, da miséria. Ela quem me deu um empurrão e um aviso de que eu deveria acordar pra vida’’.

Depois disso, Andrés resolveu voltar para Buenos Aires, para que finalmente pudesse adquirir toda sua documentação. ‘’Quando fui pra lá, finalmente consegui tudo o que faltava. Nessa minha ida à Argentina, pude perceber o quanto amava e preferia o Brasil’’, destacou.

Voltando para o Brasil, em 2016, mesmo com a vida se encaixando e dando certo, Andrés viu-se em outra dificuldade: uma tuberculose forte. ‘’Comecei a me tratar aos poucos no próprio serviço, e a doença foi melhorando aos poucos’’, contou.

Quando a tuberculose acalmou, o argentino e sua namorada decidiram vir para a cidade de São Paulo e conheceram o Centro de Acolhida Cambuci.

‘’Foi a melhor coisa que me aconteceu, de verdade. Nunca fui tão bem tratado na minha vida, e então, eu e minha namorada decidimos ficar aqui. Toda a equipe técnica foi nos dando o apoio necessário, nos apoiando e ajudando em tudo o que precisávamos’’, disse.

‘’A minha doença foi curada graças ao serviço, que me deu todos os medicamentos necessários’’, destacou, com um sorriso no rosto.

Hoje, Andrés conseguiu um emprego no próprio centro de acolhida, onde é auxiliar de limpeza. Com o tempo, ele conseguiu alugar uma casa junto à namorada. ‘’Pra chegar até aqui as coisas foram muito difíceis e delicadas. As dificuldades que passei realmente não desejo a ninguém, foi um processo muito doloroso. ’’O futuro de Andrés só está começando. Ele, determinado e cheio de coragem, pretende cursar uma faculdade relacionada à área da assistência social para que possa ajudar pessoas que passam ou passarão pelas mesmas dificuldades que encontrou em seu caminho.

‘’A minha história é longa demais. Juro que nunca pensei que fosse chegar até aqui, que tudo isso fosse acontecer comigo. Não sabia que em algum momento da minha vida eu fosse perder tudo, já que sempre trabalhei na Argentina. Hoje é outra vida, outra história e graças a Deus, uma outra perspectiva para o futuro’’, finalizou.